Tamanho do texto

Depois de shows na Europa e de abrir uma apresentação do System of a Down na França, banda se apresenta em São Paulo neste sábado (1)

Depois de uma bem-sucedida turnê europeia, a banda paulistana Ego Kill Talent está de volta para casa e se apresenta no Sesc Pompeia neste sábado (1). Na bagagem, os músicos trazem uma experiência incrível de sua turnê internacional.

Leia também: O guia dos festivais de verão nos Estados Unidos e na Europa

A banda Ego Kill Talent fez shows na França e chegou a abrir para o System of a Down
Divulgação/Lucca Miranda
A banda Ego Kill Talent fez shows na França e chegou a abrir para o System of a Down

"[Os shows] Foram incríveis! Superaram demais todas as nossas expectativas!", disse ao iG Theo Van Der Loo , guitarrista da Ego Kill Talent . "Em todos os shows tinham pessoas cantando as nossas músicas", continuou o músico.

Na França, a banda fez seus shows mais importantes: no Download Festival, um dos mais importantes da Europa, e na Arena de Nimes, onde abriram para o System of a Down." Tanto o show do Download de Paris quanto o de Nimes foram experiências difíceis de descrever. O de Nimes mais ainda devido a lendária arena romana que data 27A.C", disse Theo.

Em breve, o grupo terá uma nova exeperiência inesquecível: tocar no palco do Rock in Rio. "A gente está muito animado para o festival, muito mesmo", antecipou o guitarrista. A banda está escalada para tocar no último dia do festival, em 24 de setembro, com Red Hot Chili Peppers, Thirty Seconds to Mars e Sepultura.

Leia também: De sucesso na Europa ao ostracismo: o que aconteceu com o Cansei de Ser Sexy?

Leia abaixo a entrevista com Theo Van Der Loo:

iG: Como foram os shows na Europa? Vocês tiveram o público que esperavam?
Theo Van Der Loo:  Foram incríveis! Superaram demais todas as nossas expectativas! É impressionante o poder das plataformas de streaming. Em todos os shows tinham pessoas cantando as nossas músicas. Na Holanda, por exemplo, tinham pessoas com camisas da banda, foi bastante emocionante! Uma menina disse que mudou a data da viagem de férias dela só pra poder ver nosso show. Depois fui perguntar como essas pessoas conheceram a banda e todas com quem conversei disseram que foi através de plataformas de streaming, como Spotify, Apple Music, etc.

A banda paulistana Ego Kill Talent abriu o show do System of a Down na Arena de Nimes, na França
Divulgação/Lucca Miranda
A banda paulistana Ego Kill Talent abriu o show do System of a Down na Arena de Nimes, na França

iG: Como vocês foram escolhidos para abrir para o System of a Down? Como foi essa experiência?
Theo:  Tanto o show do Download de Paris quanto o de Nimes foram experiências difíceis de descrever. O de Nimes mais ainda devido a lendária arena romana que data 27A.C. Surreal! O convite, na realidade, pintou de forma muito natural. Sou amigo de longa data do John Dolmayan e do Serj Tankian, ambos integrantes do System. Quando o Download Paris nos convidou para tocar, liguei para o John e contei pra ele que tocaríamos no mesmo dia no festival e ele, então, nos convidou para abrir mais um show da tour deles.

iG: Vocês sonhavam em tocar no Rock in Rio? O que estão esperando para o festival?
Theo:  Sonhar a gente sonhava sim, mas não esperávamos que já seria logo no primeiro Rock in Rio depois do lançamento das nossas primeiras músicas. Ficamos muito felizes quando o Zé Ricardo nos convidou! A gente está muito animado para o festival, muito mesmo! Esperamos que seja uma tarde de diversão tanto pra gente, que vai estar no palco, quanto para o público que estiver presente.

iG: O Rock in Rio sempre foi taxado de não dar espaço para bandas novas, mas parece que isso está mudando. O que você acha disso?
Theo:  O palco Sunset demonstrou ter um cuidado muito grande em apoiar e dar espaço para novos artistas. Pelo que percebemos isso é algo que o palco busca ter em seu DNA também. Ser uma plataforma para mostrar um pouco no novo.

A bit of Nimes yesterday! 🤘🏼❤🤘🏼

Uma publicação compartilhada por EGO K̶I̶L̶L̶ TALENT (@egokilltalent) em

iG: Você acha que os festivais de massa, como Rock in Rio e Lollapalooza, são os melhores palcos para as bandas novas cativarem mais fãs?
Theo:  Sem dúvidas eles fazem muita diferença, muita mesmo! Não só os palcos mas também toda divulgação do festival! Mas o trabalho não é só esse. A banda precisa também procurar fomentar seus próprios shows. Hoje em dia vivemos uma realidade "audio-visual-digital", ou seja, é importante buscar as rádios, ter vídeos na internet e estar em todas as plataformas de streaming.

iG: Depois da turnê na Europa e das experiências novas, como o show no Sesc vai ser diferente dos outros que vocês já fizeram em São Paulo?
Theo:  Engraçado você fazer essa pergunta, porque acabamos de terminar um ensaio e eu estava pensando justamente nisso enquanto tocávamos. Sem dúvida nenhuma a experiência dessa tour nos mudou, de diversas formas. Como pessoas, como músicos, como amigos e como integrantes desse projeto que temos tanto carinho que é o Ego Kill Talent. Acho que subiremos no palco como uma conexão e sintonia ainda maior entre nós, o que reflete diretamente na nossa conexão e sintonia com o público. Além de tudo, temos muitos fãs que vão estar no Sesc e que nos acompanham desde o início, nos motivam, e sabemos que vibram com cada conquista nossa. Vai ser muito bom reencontrá-los depois dessa jornada na Europa!

Leia também: Bandas brasileiras não acreditam em pressão para fazer segundo álbum

Ego Kill Talent em São Paulo
Quando: Sábado, 1 de julho, às 21h30
Onde: Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93, Pompeia)
Quanto: de R$ 6 a R$ 20

    Leia tudo sobre: músicas