Tamanho do texto

O Festival de Cannes anunciou que a partir de 2018 só aceitará a inscrição de filmes que forem exibidos em salas de cinema

O Festival de Cannes anunciou nesta quarta-feira (10) que a partir do próximo ano não vai permitir a disputa de filmes que não estrearem nas salas de cinema . A decisão foi tomada após os organizadores não chegarem a um acordo com a empresa de streaming norte-americana Netflix , que tem dois filmes na competição que não serão distribuídos em cinemas.

Leia também: Monica Bellucci afirma que o amor não tem idade ao promover filme em Cannes

Claudia Cardinale estampa pôster do 70º Festival de Cannes
Divulgação
Claudia Cardinale estampa pôster do 70º Festival de Cannes

"Qualquer filme que desejar competir à Palma de Ouro deverá ser primeiro distribuído nos cinemas franceses. Esta nova medida será aplicada a partir da edição de 2018 do Festival de Cannes ", escreveu a organização em um comunicado. Os dois filmes financiados pela Netflix que estão entre os 19 concorrentes pela Palma de Ouro são "The Meyerovitz Stories" do norte-americano Noah Baumbach, com Adam Sandler e Dustin Hoffman, e "Okja" do sul-coreano Bong Joon-Ho, com Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal.

Leia também: Visual impressionante e trama misteriosa jogam a favor de "Blade Runner 2049"

Polêmica

Quando os longas foram anunciados, em abril deste ano, a escolha foi alvo de polêmica, uma vez que as produções ficarão disponíveis apenas no serviço de streaming. A mudança nas regras do Festival aconteceu após rumores de que a organização voltaria atrás e retiraria os filmes da competição - o que não aconteceu até o momento.

"Pedimos em vão que a Netflix aceitasse que esses dois filmes pudessem alcançar outro público nos cinemas franceses e não apenas seus assinantes. Por isso, o festival lamenta que não tenhamos chegado a nenhum acordo", diz a nota oficial divulgada à imprensa sobre o caso.

Leia também: Day & Lara participam de desafio da Deezer e mostram gosto musical eclético

De acordo com a organização da mostra, que acontece entre 17 e 28 de maio, a situação era "invisível" até o momento da polêmica. " O festival tem o prazer de acolher um novo operador que decidiu investir no cinema, mas quer reiterar seu apoio ao modo tradicional de exibição na França e no mundo", ressaltou o comunicado oficial do festival de Cannes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.