Tamanho do texto

A Biblioteca do Vaticano está atualmente com um projeto de modernização que busca digitalizar os seus arquivos; acervo tem mais de 180 mil títulos

Volumes amarelados, documentos e textos sagrados, os primeiros mapas criados e um dos maiores acervos do mundo podem ser encontrados na Biblioteca do Vaticano, conhecida como a "Biblioteca dos livros do Papa". Localizada na cidade do Vaticano, a Biblioteca Apostólica foi fundada pelo papa Nicolau V Parentucelli (1447-1455) no Palácio dos Papas. No final do século 16, ela foi transferida para o Salão Sistino pelo papa Sisto V Peretti (1585-1590).

Leia também: Biblioteca Central de Nova York ganha bunker de livros

No Vaticano, a Biblioteca Apostólica possui mais de 180 mil arquivos no acervo
Reprodução
No Vaticano, a Biblioteca Apostólica possui mais de 180 mil arquivos no acervo

Considerada uma das mais antigas do mundo, a biblioteca do Vaticano começou, recentemente, a digitalizar seu acervo para ficar disponível para visualização online e totalmente gratuita. Para apoiar a iniciativa, a associação Digita Vaticana Onlus, em parceria com a Biblioteca e a empresa japonesa NTT DATA, imprimiu 200 cópias do manuscrito raro "Folio" do "Virgílio do Vaticano", uma das obras mais importantes do acervo, criado por volta de 400 d.C para presentear os primeiros doadores que ajudassem com uma quantia de 500 euros em apoio ao projeto.

"O projeto é uma das iniciativas da nossa associação para levantar fundos para apoiar a digitalização dos manuscritos da biblioteca, e assim dar a oportunidade para todos, estudiosos ou não, de acessar este imenso patrimônio", afirmou Maite Bulgari, fundador da associação Digita Vaticana. A Biblioteca do Vaticano é composta por um grande salão com mais de 70 metros de comprimento e 11 metros de largura e acomoda a história e os pensamentos da humanidade através da arte, literatura, matemática, ciência, direito e medicina, do início da era Cristã até os dias atuais, em diversos idiomas.

Leia também: "Não é privatização", diz André Sturm sobre gestão de bibliotecas em São Paulo

"Obras que foram transcritas através do trabalho dos escribas, os monges que passaram boa parte de suas vidas copiando os exemplares. E agora, com a digitalização é possível voltar ao passado. Essa é a versão moderna dos copiadores antigos", afirmou Irmgard Shuler, responsável pelo laboratório que digitaliza os arquivos.  Antes de serem escaneados, os volumes passam por outro laboratório, conhecido como a "clínica" dos livros do Papa, onde é feito um restauro. "O inimigo número um dos livros antigos? Na minha opinião, é o homem", ressaltou Angela Nunez, líder do departamento, que indicou que às vezes os livros se deterioram ao longo dos anos por problemas de umidade e insetos. A previsão é de que a digitalização de todo o acervo da Biblioteca do Vaticano aconteça em até 18 anos.

Leia também: Cinco livros que Luiz Fernando Carvalho poderia adaptar para a TV

O acervo

Atualmente, a Biblioteca tem em seu acervo mais de 180 mil volumes de manuscritos e arquivos, 1,6 milhão de livros impressos, 8,6 mil incunábulos, 300 mil moedas e medalhas, 150 mil gravuras e desenhos e 150 mil fotografias, entretanto, os arquivos secretos do Vaticano foram retirados do local.