Tamanho do texto

O projeto de um grupo de estudantes logo conquistou os investidores e, hoje, mantém relações de parceria com gigantes do entretenimento asiático

Ninguém discute a praticidade das plataformas de streaming atualmente – como o Netflix ou a Amazon Prime Video, que oferece uma infinidade de títulos para escolher a hora de assistir, mas onde entram os animes? O catálogo desses serviços é pobre em conteúdo que foge do eixo tradicional, ou seja, há poucos títulos asiáticos disponíveis – e a situação é ainda pior com os animes. É certo que há um esforço para tentarem incluir as animações no cardápio – a Netflix, por exemplo, está produzindo “BLAME!”, uma história de ficção científica distópica que irá estrear ainda esse ano – mas, ainda assim, são poucas opções além das tracionais e quem dirá os lançamentos. O que pouca gente no Brasil conhece é a existência do Crunchyroll, uma plataforma semelhante voltada exclusivamente para conteúdo oriental.

Leia mais:  My Anime List é o IMDB que os fãs de animes e mangás precisam conhecer

O Crunchyroll oferece uma enorme variedade de animes com legendas em diferenças línguas - inclusive em português
Reprodução
O Crunchyroll oferece uma enorme variedade de animes com legendas em diferenças línguas - inclusive em português


Pioneiro

O Crunchyroll foi criado em 2006 por um grupo de estudantes da Universidade da Califórnia, em Berkeley. A plataforma começou como um sistema autônomo de distribuição de animes e outros programas asiáticos – uma prática bem comum, posto que o acesso à esse conteúdo é relativamente complicado principalmente para pessoas de fora do Japão . Eles ofereciam os vídeos com o serviço de “ fansub ”, ou seja, os próprios membros e voluntários do site se responsabilizavam por traduzir e inserir legenda nos programas que, em maioria, vinham em japonês.

Leia mais:  Caos futurístico: veja lista com os dez melhores animes cyberpunk já feitos

O Crunchyroll disponibiliza centenas de títulos de animes e outros programas em plataforma online
Reprodução
O Crunchyroll disponibiliza centenas de títulos de animes e outros programas em plataforma online

Em 2008, a plataforma atraiu investidores e a empresa Venrock colocou mais de quatro milhões de dólares no negócio. Aos poucos as relações com produtoras e distribuidoras foram aumentando e, a medida que isso acontecia, os produtos ilegais eram deixado de lado em detrimento do conteúdo licenciado. Hoje o Crunchyroll mantém parcerias com as empresas Sony , Samsung , MBC, Microsoft, Nippon Television Network, Marvelous Entertainment USA, KBS e Aniplex , de acordo com seu próprio site. Seus principais investidores são a Otter Media e a TV Tokyo , um dos maiores canais de televisão do Japão.

Leia mais:  Dez adaptações live-action de mangás que honram os originais

Variedade de conteúdo

O Crunchyroll – que só chegou ao Brasil em 2012 – oferece as modalidades gratuita e premium dos serviços. O conteúdo do site está disponível com legendas para diversas línguas, incluindo o português, e pode ser assistido com propagandas e intervalos. Contudo, quem optar pela assinatura premium tem acesso ilimitado à todos os animes  da biblioteca do site – inclusive mangás e outros programas orientais –, sem propagandas e em alta definição, além de poder assistir simultaneamente os animes logo que vão ao ar no Japão e a assinatura custa US$ 4,99, ou seja, por volta de R$ 16. Um investimento e tanto para os otakus que não perdem um episódio sequer.