Tamanho do texto

A autora nigeriana teve trechos da sua palestra concedida ao TED Talk incorporada na música da cantora norte-americana lançada em 2013.

A famosa música do álbum hômonio de Beyoncé, “ ***Flawless ” ganhou destaque após a apresentação da cantora no VMA da MTV de 2014. Durante a execução do single, trechos do discurso “We Should All Be Feminist” (Todos nós devemos ser feministas, em tradução livre) da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie foram projetados atrás da cantora. A música ganhou duas versões, uma com a participação especial de Nick Minaj e outra com a interpolação do discurso de Chimamanda com a voz de Beyoncé .

A cantora Beyoncé durante apresentação no VMA em 2014
Reprodução
A cantora Beyoncé durante apresentação no VMA em 2014



Leia mais:  Quatro momentos em que Beyoncé fez o VMA ser inesquecível

Agora, após três anos do lançamento da música, Chimamanda finalmente revelou o que pensa sobre a sua participação na obra de Beyoncé. Em uma entrevista para o tablóide holandês de Volkskrant,” a escritora reiterou que sua permissão para a utilização do seu discurso na música. “É claro que Beyoncé pediu para usar meus textos e eu a autorizei. Ela é adorável e estou convencida de que ela só tinha boas intenções”, afirmou.

Entretanto, ela não ficou muito contente com a fama que veio com a música. "Fiquei chocada com a quantidade de pedidos de entrevista que recebi quando a música foi lançada. Todos os grandes jornais do mundo queriam falar comigo sobre a Beyoncé. Fiquei ressentida. Pensei: livros são tão desinteressantes assim para vocês? Outra coisa que odiei foi ler em todos os lugares que, finalmente, eu havia me tornado conhecida, graças à Beyoncé. Ou então que eu deveria estar muito grata por tudo aquilo que estava acontecendo. Fiquei decepcionada”, admitiu.

Leia mais:  Beyoncé começa turnê mundial com homenagem a Prince

A escritora Chimamanda já foi premiada por sua obra
Reprodução/Facebook
A escritora Chimamanda já foi premiada por sua obra "Americanah"


Chimamanda é vencedora do National Book Critics Circle (NBCC) graças ao seu romance “Americanah”, lançado em 2013. O livro conta a história de Ifemelu, uma jovem nigeriana que se muda para os Estados Unidos com o intuito de ingressar na faculdade. A narrativa intercala questões de gênero com racismo e xenofobia. “Sou escritora há um bom tempo e me recuso a participar desse cenário de ‘obrigada Beyoncé, minha vida nunca será a mesma’. Foi isso o que pensei na época e, por pensar assim, não quis falar muito sobre o assunto”, afirmou.

Além disso, Chimamanda elogiou Beyoncé por abordar questões relacionadas a emancipação das mulheres, apesar de discordar da cantora em alguns aspectos, como por exemplo, da cantora reafirmar sua necessidade em relação aos homens. “Eles são adoráveis, mas não acho que as mulheres devam relacionar tudo que fazem a eles: ele me machucou, vou perdoá-lo, ele me deu uma aliança... Somos condicionadas a relacionar tudo aos homens. Junte um grupo de mulheres e a conversa eventualmente vai ser sobre homens. Junte um grupo de homens e eles não falarão de mulheres, só sobre os assuntos deles”, confessou.

Confira a música:



Leia mais:  Dificuldade para viver de literatura não desanima escritores da periferia