Tamanho do texto

A 12ª edição do Latinidades – Festival da Mulher Afro Latino Americana e Caribenhas acontece entre os dias 23 e 26 de julho, no CCSP; confira mais

Depois de 12 anos em Brasília, o maior encontro de mulheres negras da América Latina chega em São Paulo pela primeira vez entre os dias 23 e 26 de julho, no CCSP. A 12ª edição do Latinidades – Festival da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha debaterá o tema “Reintegração de Posse”, em referência a uma entrevista da historiadora e ativista negra Beatriz Nascimento de 1976.

Leia também: Drica Moraes será a atriz homenageada da 23ª edição do Cine PE

Festival Latinidades 2019
Divulgação
CCSP recebe Festival Latinidades 2019, maior encontro de mulheres negras da América Latina


Na época, Beatriz disse: “O negro não tem apenas espaços a conquistar, tem coisas a reintegrar também”. Pouco mais de 40 anos depois, a deputada estadual Erica Malunguinho, usaria como mote da campanha e da “Mandata Quilombo” o mesmo princípio de que falava Beatriz. Agora, a frase vira inspiração para o maior encontro de mulheres negras da América Latina .

Confira a programação completa:

23 de julho

14h: Saudação às ancestrais e acolhimento - Abertura.

15h: Ancestralidades como pertencimento: as religiosidades negras e práticas de resistência
17h: Eu me vejo em nós: imagens, escritas da gente negra e o poder sobre as nossas histórias
19h: 1ª Mostra de Autoestilismo do CCSP
Das 14h às 19h: Feira Latinidades Afrolab

24 de julho

10h Vivência “O Toque da Empoderada: Caminhos Diretos ao Prazer”,  por Diane Ghogomu (EUA)
14h: Onde nos cabe na riqueza que produzimos? Tema: Economia, trabalho e impasses ético-psicológicos
16h – Em defesa de nossos territórios: trânsitos e permanências das vidas negras
18h  - Performance “Corpo Fechado para Balanço”
19h – Espaço literário
Das 14h às 19h – Feira Latinidades Afrolab

25 de julho

10h - Na luta é que a gente se encontra! Tema: antirracismo e lutas por direito
13h Vivência “Erótico como Poder: poder através do Prazer “, por Diane Ghogomu (EUA)
15h - Somos sementes – representatividade negra e disputa política no Estado brasileiro 
Das 10h às 17h – Feira Latinidades Afrolab
17h Partida para a concentração da Marcha das Mulheres Negras SP

26 de julho

10h30 Oficina: Ritmos africanos, com Kety Kim
14h – Estéticas do ativismo negro, arte-educação e produção cultural
16h – Chega mais, parente!  Diálogos com masculinidades negras
17h Oficina: Amarrações e turbantes, com Bangé  Yhodhy (Guiné Bissau)

Espetáculos
18h Akala – Inglaterra
19h  Rapvida (Angola)
Das 14h às 19h – Feira Afro

Da Venezuela para o Brasil

modelo
Divulgação
Após deixar Caracas em crise, venezuelana faz sucesso como modelo no Brasil


A venezuelana Patricia Jurado, nascida em Caracas, viu a crise em seu pais diminuir suas oportunidades e resolveu investir na carreira de modelo aqui no Brasil. “A situação política no meu país me fez buscar novas oportunidades. Meu país está vivendo em crise há anos, e vi na carreira de modelo a oportunidade de construir alguma carreira sólida longe da crise.

Leia também: Vocalista do "Atitude 67" define novo EP: "Trabalho doidão"

O Brasil roubou meu coração, a energia das pessoas me faz sentir em casa. É um país que me abriu portas e sou eternamente grata por isso.”, disse.

A bela está na carreira de modelo há três anos e vive no Brasil desde julho do ano passado. Ela já atuou nos Estados Unidos e Itália e  coleciona trabalhos para grifes como Palmolive, Lays e Natura. “Muitos jovens precisaram sair da Venezuela em busca de um futuro melhor”, disse.

“Meus tios vivem em asilo político em Madri, por conta do governo de Maduro, que os quer prender por serem parte da oposição. Meu tio (Miguel Hernrique Otero) é diretor do único jornal que se opõe ao governo, já que o restante da imprensa é controlada por Maduro. Minha tia (Antonieta Jurado) viaja o mundo liderando debates e discursos em torno dos prisioneiros políticos. Desde Chavez, a Venezuela lida com a crise, em todos os sentidos. Há dificuldade em encontrar alimentação, medicamentos e trabalhos.”, completou Patricia.

Homenagem à Vera Fischer

Vera Fischer
Reprodução/Instagram
Vera Fischer é a homenageada nacional do 26º Festival de Cinema de Vitória


A atriz Vera Fischer será a homenageada nacional da 26ª edição do Festival de Cinema de Vitória, que acontecerá entre os dias 24 e 29 de setembro, no Centro Cultural Sesc Glória, no Centro de Vitória.

Com mais de 20 novelas em seu currículo, Vera Fischer receberá o troféu Vitória no dia 26 de setembro. Mais tarde, acontecerá o lançamento do caderno da homenageada, no Hotel Senac Ilha do Boi.

Leia também: Companhia teatral estreia espetáculo sobre importantes mulheres negras