Tamanho do texto

Fernanda Gentil foi tirada às pressas do Esporte da Globo, mas projeto de programa no Entretenimento ainda não está fechado. Coluna Bastidores deste domingo (7) também destaca "Shazam!" e Kurt Cobain; confira

A Globo anunciou recentemente sua nova grade de programação , que deve começar a ilustrar as faixas horárias durante este mês de abril. Depois de muita expectativa e boataria, chamou a atenção a ausência de Fernanda Gentil no rol de novidades, que a bem da verdade não foram muitas, da emissora.

Fernanda Gentil
Reprodução / Instagram
Globo teria se precipitado em relação a Fernanda Gentil?


A Globo ainda não tem um programa para Fernanda Gentil e já cogita um ano sabático para descansar a imagem da apresentadora. A realidade é que a emissora teme lançar um novo programa vespertino em um momento de fragilidade da faixa na audiência.

As pressões sobre a loira, que atualmente se experimenta como atriz no cinema e no teatro, seriam desproporcionais. Ademais, há um desgaste do formato de programa de auditório e a Globo, com certa razão, heista em emular a concorrência. Tanto é que o programa de Angélica também deve ser engavetado. 

A ideia de um programa que misture jornalismo e entretenimento, o que voi ventilado para Gentil, afinal domina as tardes da TV aberta brasileira.

O que mais chamou atenção na grade para 2019 da emissora carioca, divulgada bem mais tarde do que de costume, foi a percepção de improviso. Programas do Globoplay, alguns previamente anunciados exclusivos, e a resistência a algo realmente novo. 

  • 25 anos sem Kurt Cobain

Na sexta (05) completou-se 25 anos da morte de Kurt Cobain, astro do rock, líder da banda Nirvana e símbolo da contracultura dos anos 90. Em homenagem a data e ao artista, que cometeu suicídio, seu ex-empresário, Danny Goldbert, lançou na última semana o livro “Serving The Servant: Remembering Kurt Cobain”.

No livro, Danny fala sobre como Kurt estava à frente de sua época, disserta sobre sua genialidade, expõe fotos inéditas e fala sobre sua personalidade melancólica e sombria. Até a publicação desta coluna nem a filha, Frances Cobain, nem a ex-cônjuge de Kurt, Courtney Love, se posicionaram sobre o aniversário de morte do cantor. Quanto ao livro de Danny, ele ainda não têm data para chegar ao Brasil.

  • “Shazam!” e o mix de emoções
Shazam, o herói, em um mercado
Divulgação
Zachary Levi em cena de Shazam!

Recém-chegado aos cinemas brasileiros, “Shazam!” carrega o fardo de ser o novo trunfo da DC. Dirigido por David F. Sandberg, especialista em filmes de terror, a trama conta as desventuras de um herói que não domina seus poderes. Em entrevista ao Deadline , David argumentou que mesclou o sombrio com o cômico para criar a identidade DC no filme.

“Eu acho que você precisa do senso de ameaças reais, por isso não é tudo apenas diversão e jogos. E acho que consegui trazer isso para ‘Shazam!’ - a sensação de perigo real’”.

Retratando a vida de um menino adotado, que tem uma trupe de irmãos diversos e multiculturais, o diretor ainda ressalta que quis mostrar um pouco de inclusão no filme. “A necessidade de pertencer a uma família fala alto, mais alto que a narrativa do herói”, disse.