Nesta quinta-feira (19) o Brasil celebra o Dia do Indígena, mas as festividades se estenderão até o fim de semana. Nos próximos dias 21 e 22 de abril, a Caixa Cultural São Paulo recebe o projeto Caravana Mekukradjá - Literatura Indígena em Movimento​, idealizado pelo escritor e vencedor do Prêmio Jabuti 2017  Daniel Munduruku . Preparando-se para o grande dia, o professor e literário conversou com a coluna para contar um pouco mais sobre as suas perspectivas entorno do tema na literatura .

undefined
Divulgação
Professor e escritor indígena, Daniel Munduruku lidera projeto em São Paulo neste fim de semana

Leia também: Best-seller da literatura erótica, Lauren Blakely estará na Bienal do Livro

“A literatura que contruímos e estamos fazendo apareces nos livros é na verdade mais uma manifestação de um movimento maior, dos saberes indígenas, que podem se manifestar no canto, na reza, no ritual, no grafismo... é isso o que procuramos fazer nas nossas participações por aí”, conta o indígena da etnia Munduruku. “Queremos mostrar para as pessoas que a nossa cultura é holística, que não se funda em uma única manifestação e não passamos a cultura através da leitura, ela vai se manifestando em vários lugares e cumprindo um papel: o papel de educar as pessoas pra formar as pessoas”, completa o escritor.

Leia também: Patrimônio imaterial, a literatura de cordel resiste e se renova no Brasil

Em um cenário em que a figura do indígena brasileiro ainda está à mercê de muitos estereótipos, Daniel Munduruku procura mostrar uma outra narrativa. “minha intenção sempre foi educar o olhar das crianças brasileiras sobre essa questão indígena, que é uma questão pouco conhecida”, conta. O Projeto Caravana, por sua vez, nasceu nesse sentido de fazer com que a literatura indígena chegasse em outros lugares além das próprias escolas, conquistando novos públicos. “Essa caravana vai além do espaço escolar e pretende atingir a sociedade brasileira como um todo”, explica o escritor.

Uma história mal contada

A necessidade de que essa literatura chegue em outros públicos, para Daniel Munduruku, é uma porta para que a história brasileira também seja contada de outra forma. “A literatura indígena é engajada nesse olhar diferenciado. Ela oferece a oportunidade de adentrar em nossa cultura de uma forma mais dinâmica. De oferecer esse olhar mais ficcional e que reforça uma ideia de que os nossos povos são povos que tem toda uma história”, comenta.

Para o escritor, o Brasil ainda se apresenta como um país jovem e, consequentemente, em crise de identidade. “O Brasil antes de mais nada precisa se reconhecer, reconhecer também sua história e não ficar brigando com ela. O Brasil é um país que tem uma série de dificuldades de aceitar a sua própria história”, completa, relembrando a diminuição da participação dos indígenas no processo histórico contado nas escolas do país. “Sempre fomos considerados uma parte negativa da história brasileira e isso está tão introjetado na cabeça da nossa gente, que não é possível descolar o indígena de uma imagem negativa, colonizadora”, explica.

Entretanto, o professor alerta: “não é também para acharem que vivemos em um mundo lindo e perfeito. Nossas narrativas nos mostram como humanos e nessa condição estamos sujeitos a todo tipo de alegrias e dores que permeiam a nossa experiência de humanidade”.

Uma cidade também indígena

O Projeto Caravana Mekukradjá receberá, além de Daniel Munduruku, Aurilene Tabajara, Cristine Takuá e Cristino Wapichana, autores e professores indígenas. As duas vivências trarão contação de histórias, apresentações de canto e danças, pinturas corporais além de debates que permeiam a temática. “É uma oportunidade para mostrar para o pessoal de São Paulo que ele é também indígena”, comenta relembrando a existência de tribos indígenas que permeiam a capital. “Essa presença não pode ser esquecida”, completa.

Para Daniel Munduruku, trazer a caravana para a capital brasileira mais uma vez é motivo de celebração que ele procura compartilhar com todos os presentes. “Queremos convidar a cidade inteira pra ir com a gente, pensar, cantar dançar, vivenciar esses princípios da cidade para que o paulistano não perca de vista sua própria ancestralidade”, completa o indígena.

Para aumentar a biblioteca

Uma história de amor arrebatadora é o que tece o livro da paulista Helena Andrade, indicada ao prêmio Oceanos 2018. No cenário da Amazônia, “Divina Essência” traz Melissa, uma bióloga que é engajada na pesquisa de plantas com propriedades terapêuticas e, após anos de estudos, acaba descobrindo uma flor rara capaz de trazer novas possibilidades para o tratamento de uma doença hematológica. Rumo a uma pesquisa, a estudiosa acaba conhecendo Giovanni, um jovem médico italiano com quem acaba se envolvendo, mas não será capaz de viver essa grande paixão.

O lançamento de “Divina Essência” acontece neste sábado (21) na Livraria Saraiva Mega Store no Shopping Rio Sul. A entrada é gratuita.

Leia também: Literatura performática: novo gênero ou característica da arte?

Com a corda toda!

undefined
Divulgação
Gabi Bayerlein em ensaio

A modelo Gabi Bayerlein parece que está curtindo bastante a vida de solteira. Há pouco mais de um mês na pista, a musa resolveu mostrar que está com a corda toda e soltar o seu lado sensual no litoral paulista. Mas as novidades não param por aí: Gabi também está se preparando para o primeiro ensaio nu da sua carreira que será exibido na primeira edição da revista Eros. “Estou me sentindo muito bem e poderosa. Fiz questão de dispensar o retoque, quero mostrar a beleza da mulher de verdade”, comentou.

Primeira vez no Brasil

undefined
Divulgação
Gavin James vem ao Brasil para shows

Um dos ícones da música pop atual, Gavin James, chega ao Brasil em maio para dois shows nas capitais brasileiras: dia 04 no Blue Note no Rio de Janeiro e dia 05 em São Paulo, no Carioca Club. O cantor é dono de canções como Nervous, escolhida como tema do casal Eric (Mateus Solano) e Luiza (Camila Queiroz) na novela “Pega Pega”. Em clima de lançamento do seu segundo disco, trazendo inéditas como Hearts On Fire. Os ingressos variam de R$ 90 a R$ 340.

Leia também: Carnaval: fantasias de índígena de Viviane Araújo e Paolla Oliveira rendem polêmica

    Veja Também

      Mostrar mais