Tamanho do texto

Cinco anos após dar vida à Jonathan, em "Amor à Vida", Thalles Cabral lança álbum e conversa com iG Gente; veja outros destaques da coluna hoje

O ano era 2013 e o Brasil recepcionou, na televisão, mais uma novela de  Walcyr Carrasco “Amor à Vida”. Com uma trama cheia de reviravoltas, o programa marcou o também primeiro beijo gay em uma obra de dramaturgia da Rede Globo , que chegou a ser noticiado internacionalmente. Apesar do furor que a atração provocou no país e na família fictícia de Félix (Mateus Solano) e Edith (Bárbara Paz), Thalles Cabral, que interpretava o filho do casal Jonathan, canalizava esse fervor todo nos bastidores para uma outra arte: a música. O resultado, por sua vez, veio cinco anos depois no formato do álbum “Utopia”. Com o seu primeiro grande show de lançamento marcado para este sábado (25), o iG Gente conversou com o cantor para saber um pouco mais desse seu momento atual no mundo artístico.

Leia também:  Katy Perry anuncia três shows no Brasil em 2018

Thalles lança álbum que afirma ter anseios de sua geração
Matheus Aguiar
Thalles lança álbum que afirma ter anseios de sua geração


“No final da novela eu tinha muito tempo disponível nos hotéis. Eu ficava na Barra, que é um bairro meio estranho, meio excluído e eu não conhecia muito a cidade, então preferia ficar por lá mesmo. Assim, comecei a levar o violão ei a compor algumas músicas”, conta Thalles. “Eu sabia que elas estariam no meu próximo disco, mas eu não sabia como o álbum ia se chamar”, completa o cantor. Melódico e indie, “Utopia” foi acontecendo aos poucos, mesclando os sons das cordas do violão e das cordas vocais, já que as suas composições eram também, segundo o artista, poemas. “Esse álbum tem essa coisa dos anseios da minha geração, de como a gente vive hoje em dia. A estrada era uma imagem que apareceu muito nas canções, então acredito que tenha uma ideia de buscar algo, de se locomover para algum lugar que a gente não sabe onde é”, revela.

Leia também: Record é condenada a pagar indenização por reportagem exibida no "Balanço Geral"

Com músicas cantadas na língua inglesa, Thalles afirma não ter dificuldade em se expressar em outro idioma. “Isso na verdade nunca foi uma escolha, uma decisão. A primeira música que eu compus, com 16 anos, eu estava em casa e ela simplesmente saiu assim naturalmente”, conta. “Eu acho bem difícil compor em português, até por conta das minhas referências e do meu universo.  Sad Boy’s Club , por exemplo, vem de uma brincadeira com amigos e eu acho que ficaria meio piegas em português”, revela, em referência a uma das canções que fazem parte do seu álbum.

Uma nova geração

Thalles Cabral
Reprodução/Facebook
Thalles Cabral

Assim como muitos outros trabalhos que emergem atualmente no mundo da música, “Utopia” foi resultado de um financiamento coletivo lançado na internet. “É uma outra maneira de fazer tudo acontecer. Os músicos ficaram muito dependentes das gravadoras e muitos não tinham autonomia do próprio trabalho e para o artista isso é bem frustrante”, relembra. Para ele, o formato é uma maneira sincera e justa de viabilizar o trabalho, uma vez que, para quem colabora com o projeto final, tem uma recompensa depois – e, no caso de “Utopia”, a recompensa mínima era o próprio disco. “E acho que isso não se encaixa só na música, eu tenho amigos que fazem diversas campanhas para o teatro, fotógrafos que querem lançar seus livros”, enumera.

Apesar de estar se jogando com tudo no universo da música, o audiovisual não foi esquecido para o ator. Estrelando no novo filme de Hique Montanari, “Yonlu”, que tem estreia prevista para o primeiro semestre do próximo ano, o longa conta a história de um jovem que quer deixar uma música antes de se suicidar. “Eu nunca vi algo desse tipo feito no Brasil”, comenta. “Foi importante fazer este trabalho e é um tema bem caro para nós. Acredito que temos que falar mais sobre isso, sobre a depressão, até porque muita gente ainda confunde as coisas, acha que é frescura, mas isso é falta de informação e o filme levanta essa questão”, completa.

O show de lançamento do primeiro álbum de Thalles, “Utopia”, acontece neste sábado (25) no Teatro Mars em São Paulo.

Brilhando em Portugal

O ator Adriano Toloza está fazendo cada vez mais sucesso em Portugal. O ator ganhou o coração dos portugueses na exibição da produção "Verdades Secretas" e ao integrar o elenco principal do folhetim "Ouro Verde", sucesso na TV do País.

Adriano Tolaza brilha em Portugal
Divulgação
Adriano Tolaza brilha em Portugal


A aceitação e carinho do público para com o ator foi tão grande que o mesmo foi convidado a voltar a terrinha para estar ainda mais presente na TV. Agora, além de embalar mais uma novela sucesso, da autora Maria João Costa, Adriano apresentará uma atração dominical chamada "Somos Portugal", do canal TVI.

"Sou apaixonado pelo meu trabalho e por poder exercê-lo tão bem aqui em Portugal. O povo daqui é tão carinhoso quanto o brasileiro e também se envolve com os personagens, criando laços. Não poderia estar mais feliz por ter mais uma espaço na TV portuguesa", contou o gato.

Personalidade do Ano

A Câmara de Comércio Internacional França-Brasil (CCIFB-SP) homenageou, na última quarta-feira, (22), durante jantar de confraternização na Casa Fasano, o executivo Alexandre Allard com o prêmio Personalidade do Ano.

 Alexandre recebeu o prêmio das mãos do prefeito da cidade de São Paulo, João Dória. O evento, que contou com a presença de Brieuc Pont, Consul da França, teve ainda show do ator e cantor Tiago Abravanel.

Alexandre Allard, Prefeito João Dória e Brieuc Pont, Consul da França
Silvana Garzaro
Alexandre Allard, Prefeito João Dória e Brieuc Pont, Consul da França


Leia também: “A antiga Taylor está morta”: Taylor Swift se reinventa em novo álbum

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas