Tamanho do texto

Produtora fala com o iG sobre a importância histórica da Princesa Isabel na política brasileira. Confira esse e outros destaques na coluna “Bastidores”

De forma intimista, o grupo de teatro Cia Meia Um apresenta a peça “ A Despedida ” no Centro Compartilhado de Criação, em São Paulo. Com iluminação e figurinos notáveis, a trama se passa em um importante período da história do Brasil e coloca em foco duas mulheres que tiveram grande influência na política da época.

Leia também: Eles merecem! Relembre cenas de sexo de dez galãs de ponta da Globo

Divulgação/Felipe Quintini
"A Despedida" retrata relação da princesa Isabel e com sua irmã Leopoldina

“É um recorte da vida da Princesa Isabel . É uma hipotética despedida entre ela e a irmã Leopoldina, que morreu muito jovem de febre tifoide na Áustria. O texto é baseado em cartas reais que as duas trocaram durante a vida”, explica a atriz e produtora da peça de teatro Giulia Naduz, em entrevista ao iG .  

Leia também: Musical "A Era do Rock" usa música para contar história de amor

O enredo mostra um pouco do que foi a vida da princesa regente do Brasil e os preconceitos que sofreu por ser a primeira mulher senadora do país em uma sociedade totalmente machista, sendo alvo inclusive da mídia que era contra a representatividade dela. “Temos poucas referências de mulheres importantes, que fizeram a diferença na nossa história, mundialmente e principalmente na história do Brasil. Elas são pouco faladas”, ressalta a atriz.

A companhia resolveu fazer uma montagem dessa peça, pois acredita que muitos dos problemas sociais que a nação enfrentava em 1800 perduram até hoje. “A gente acha importante essa temática, de fazer esse paralelo do passado com a atualidade. Um bom exemplo é pensar que a mulher ainda precisa lutar para ter sua voz, não só na política, mas em tudo”, aponta Giulia.

A temporada da peça vai até 31 de julho, mas a produtora revela que existe a vontade de realizar outras temporadas. Pelo visto, a produção ainda terá  vida longa.

Musical

Tacy de Campos em cena de
Marcos Hermes
Tacy de Campos em cena de "Cássia Eller - O Musical", que terá curta temporada em São Paulo

Que tal matar a saudade de grandes sucessos música brasileira e mergulhar na história de uma cantora que infelizmente partiu no auge da carreira? “ Cássia Eller – O Musical” rodou as 27 capitais brasileiras, já foi visto pode 150 mil espectadores e agora tem curta temporada – de 21 de julho a 13 de agosto – em São Paulo, no Teatro Opus.

O musical mostra a trajetória da cantora, passando pelo início da carreira em Brasília até a sua explosão nacional. Em paralelo, é possível conhecer a intimidade da artista, como o relacionamento que tinha com a parceira Maria Eugênia e o filho Chicão. O espetáculo conta com canções autorais de Cássia e de grandes nomes da música, como Renato Russo, Cazuza e Arnaldo Antunes.

Quem vive a protagonista é a atriz e cantora Tacy de Campos , que se destacou entre as mil candidatas que participaram das audições. “Ela surpreendeu a todos e, antes mesmo dela cantar, já estávamos magnetizados pela figura tímida e doce que ela é. Ao final da primeira música, ficamos um pouco em silêncio, admirados com o que estava diante de nós. Existem algumas semelhanças entre ela e a Cássia e foi essa pureza de estado que nos arrebatou”, afirma Vinícius Arneiro que dirige o espetáculo com João Fonseca.

Clichês

Todo livro de época, por mais diferente que seja, conta com alguns clichês, sejam lugares, tipos de personagens ou outros aspectos relacionados ao período. Pensando nisso, a escritora da Record, Babi A. Sette elencou algumas curiosidades que rodeiam este gênero. Os clube de cavaleiros, por exemplo, são cenários escolhidos com frequência por muitas autoras de romances de época. Como são locais onde somente os homens tem acesso, o que se passa no seu interior desperta a curiosidade das mocinhas dos romances e também, das mocinhas que os leem. Outra curiosidade é que as debutantes da aristocracia eram apresentadas primeiro à corte, para rainha ou rei junto aos seus pais, e isso marcava a suas estreias na sociedade. Além disso a maquiagem, item essencial a maioria das mulheres, foi proibida na Inglaterra e considerada um item que somente prostituas usavam, até quase o final do século 19.

Leia também: "A Força do Querer": as cenas mais vergonha alheia da novela

Bituca

Milton Nascimento vira desenho em participação na animação
Divulgação
Milton Nascimento vira desenho em participação na animação "Mundo Bita"

Milton Nascimento vai estrear como ator! Mas calma, não vai ser bem a sua versão em carne e osso, mas sim numa animação. O cantor fará uma participação no desenho “Trem das Estações do Mundo Bita ”, que será lançado em setembro. Na animação, Milton será retratado como Bituca – seu apelido para os amigos mais íntimos – onde, ao lado de Bita, comanda uma locomotiva e faz uma viagem pelas quatro estações do ano. Além do personagem em sua homenagem, como não poderia deixar de acontecer, o lendário cantor coloca sua voz na canção ao lado de Chaps Melo, cantor, compositor e um dos criadores do Mundo Bita.

Internacional

O comediante Marco Luque está com tudo! Ele estreia neste sábado (22) uma curta turnê nos EUA de seu show Tamo Junto. É a primeira vez de Luque fora do País. Ele vai se apresentar em Miami, Boston e Orlando. As datas para as duas últimas cidades são 28 e 29 de julho respectivamente.

Depois do inverno

A HBO já pensa no pós- "Game of Thrones" e confirmou a estreia da nova série dos criadores e showrunners da série número 1 do planeta na atualidade. "Confederate"  terá como tema a Terceira Guerra Civil Americana.

A trama é ambientada em uma linha de tempo fictícia em que os estados do Sul conseguiram sua independência, dando origem a uma nação onde a escravidão é legal e se tornou uma instituição moderna. A série acompanha personagens variados dos dois lados de Mason-Dixon, uma zona desmilitarizada na linha de fronteira de quatro estados dos EUA: defensores da liberdade, caçadores de escravos, políticos, abolicionistas, jornalistas, executivos de um conglomerado escravagista e famílias de pessoas escravizadas.

A nova produção de David Benioff e D.B. Weiss terá início após a última temporada de "Game of Thrones".

Para colecionar

O busto do Homem-Aranha abre a série de colecionáveis da Editora Planeta DeAgostini
Divulgação
O busto do Homem-Aranha abre a série de colecionáveis da Editora Planeta DeAgostini

A Editora Planeta DeAgostini traz para o Brasil os bustos dos mais célebres super-heróis e supervilões do Universo Marvel, reunidos em uma edição de colecionador. São bustos que reproduzem fielmente personagens como Homem-Aranha, atualmente em cartaz nos cinemas, Homem de Ferro, Hulk, Capitão América, Thor, Loki, Venom, Caveira Vermelha, Duende Verde, entre outros.

A pré-venda da coleção, composta por 60 edições, já está sendo comercializada por meio do serviço de assinaturas. A primeira edição, com busto, certificado e fascículo do Homem-Aranha, tem o preço promocional de R$ 39,99. As demais custarão R$ 99,99 cada.

Leia também: "Estamos aqui", diz idealizadora de peça sobre o espaço das mulheres no teatro

* Com reportagem de William Amorim