Kelly Key
Reprodução/Instagram
Kelly Key

Kelly Key, de 38 anos, relatou momentos de medo e pânico dentro de um shopping no Rio de Janeiro. De acordo com a cantora, que estava visivelmente assustada, um segurança foi rendido por um homem armado na quarta-feira (25). Por sorte, a artista e sua família conseguiram fugir do estabelecimento ilesos.

"Atenção, gente, se vocês estiverem no Barra Shopping. A gente acabou de sair correndo. O menino rendeu o segurança com uma arma na cabeça dele. Eu nem acreditei no que eu vi, todo mundo começou a correr. A gente foi correndo até o carro. Só para vocês tomarem cuidado. Eu nunca tinha presenciado uma coisa dessas na minha vida, estou em choque, apavorada, em pânico. Mas está tudo bem com a nossa família. Fiquem atentos se estiverem no Barra Shopping, por favor saiam daí", alertou Kelly Key, declarou recentemente sofrer preconceito por ser bonita .

"Já está tudo bem. Estou em casa, mais calma. Fiz os stories passados como um alerta porque podiam ter pessoas dentro do shopping que eu podia alertar de alguma maneira e até tinha, recebi mensagens de vocês, pessoas que estavam no shopping no mesmo momento, que passaram pelo mesmo junto comigo", continuou a cantora.

"Estávamos eu, meu marido, meu filho do meio de 16 anos. A gente estava vindo de outro lugar e estávamos no transito na Barra, umas 8 horas da noite, e o Mico falou pra gente parar no shopping porque o Vitor queria passar em uma loja específica. Fomos lá, compramos a roupa. A gente estava dando uma volta aleatória, só estávamos passeando, esperando o tempo passar e íamos jantar em um restaurante no shopping. Nisso a gente viu umas pessoas correndo e um pouco mais a frente avistamos, como se nós tivessemos chegado por trás da situação. A gente viu claramente uma pessoa de costas dominando o segurança e tirando uma arma e colocando na cabeça...", relatou ela.

Você viu?

"Estava andando no shopping, não sei o que aconteceu, vi um segurança sendo imobilizado com uma arma na cabeça, pessoas correndo, parecia que tinha outras pessoas nesse grupo, mas não deu para identificar nada, foi só correr. O Mico até brincou que virei a Kelly Bolt, eu corri como nunca, não ouvia nada, só gritei para correr. Saímos pela entrada que a gente entrou, fomos na mesma velocidade até o carro, que é blindado, e daquela forma a gente se sentiu um pouco mais seguro. Quando entrei no carro ainda tossia, me faltava ar, começou a me dar dor de garganta, ânsia. Só depois de sair do estacionamento, estar na rua, que comecei a raciocinar e falei 'meu Deus, pode ter outras pessoas, será que alguém ta vendo meus stories' e quis alertar as pessoas. Nesse momento a gente fica com misto de revolta e gratidão por estar tudo bem", acrescentou a artista.

"Às vezes a gente fica tão preocupado com os nossos filhos, que querem ir numa festa num lugar considerado perigoso, ou evitar ir em uma hora x. A gente fica o tempo inteiro achando que está se protegendo, mas o perigo pode estar em qualquer lugar. Seu filho fala que quer ir no cinema com os amigos e você fala que o shopping é fechado, seguro. Infelizmente a gente está cercado, vai batendo um desespero. Óbvio, acabei de passar por isso, então ainda estou angustiada", encerrou ela.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários