Paula Fernandes no GNT
GNT
Paula Fernandes no GNT

Paula Fernandes, de 36 anos, é uma das maiores cantoras do Brasil, entretanto, por trás de tanto prestígio tem bastante perrengue. Recentemente, a cantora relembrou um "verdadeiro dia de cão" que teve por conta de sua carreira musical. Segundo ela, na época, a agenda de shows estava bem lotada e, por isso, precisava se locomover de avião com frequência. "Nesse dia, eu estava a caminho do show, entrei no avião e apaguei. De repente, quando acordei, o avião estava cheio de fumaça. Não conseguia ver as pessoas. Tinha tanta fumaça que eu não via a pessoa à minha frente. Fiquei muito preocupada e comecei a questionar, então disseram: 'Estamos em processo de despressurizar'", iniciou ela, em participação no programa "Que História É Essa, Porchat?". 

 "Ainda tinha uns 40 minutos de voo no meio da fumaça, então pensei: 'Vou morrer asfixiada, é hoje'. Não tem o que fazer, é rezar... foi aquele desespero. Quando coloquei o pé no chão eu não sabia se brigava, se gritava, se agradecia, eu só chorava e falava: 'Quero largar essa profissão, eu não aguento mais'", continuou ela, que afirmou ter medo de viajar de avião. 

Entretanto, segundo a cantora, os perrengues estavam longe de acabar. "Ainda tinha um percurso de carro até o hotel, e o hotel estava assim de gente", comentou ela, gesticulando com as mãos, dando a entender que tinha uma grande massa de pessoas à sua espera. "Eu chorava igual um chafariz, o pânico é um negócio que impregna. Chegamos no hotel e não dava para atender aquele monte de gente. Passamos pela recepção, me recompus, atendemos a galera toda que estava lá", acrescentou ela.

A caminho do show, os problemas continuaram. "Tinha uma estradinha de terra que fazia a van inteira balançar. Nisso, o motorista avistou um homem no 'breu' com uma motinha. Então, ele diminuiu a velocidade, talvez com intuito de ajudar. Entretanto, a nossa van que vinha atrás não reparou que diminuímos a velocidade e só escutamos o derrapar dos pneus e a batida na traseira", continuou a cantora. "Nesse dia se eu fosse de jegue ou se fosse de bicicleta ia furar pneu", completou a artista, que tornou a chorar.

"Eu sei que chorei e me maquiei de novo. Me caracterizei, cheguei no show e tinham 60 mil pessoas me esperando, todo mundo coladinho. De repente começou um barulho", lembrou ele, emulando o som de uma arma disparando. "Sumiu todo mundo, só apareceu o segurança me encapando, me tirando do lugar, era tiro", comentou ela com humor. "Alguém estava tentando te eliminar nesse dia", brincou Porchat.

"Sei que fiz apenas 30 minutos de show e voltei a chorar. Esse dia eu saí fisicamente ilesa, mas fiquei um bom tempo psicológicamente abalada", disse a cantora, que levantou o humor. "Se tinha alguma coisa faltando para eu viver, eu já vivi tudo".


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários