Oficalmente fora da linha de frente da família real — e proibidos de usar a palavra royal — , príncipe Harry e Meghan Markle anunciaram, na noite da última segunda-feira, o nome de sua nova fundação. Batizada de Archewell, ela faz referência ao nome do primogênito, Archie, apesar de ter sido pensada antes mesmo do bebê nascer. O casal deu detalhes sobre a iniciativa depois que o Telegraph mostrou que eles haviam registrado a marca nos Estados Unidos.

Leia também: Série dribla quarentena e produz episódio sobre Covid-19 com atores em casa

Príncipe Harry, Meghan e Archie arrow-options
Reprodução/Instagram/@theroyalfamily
Príncipe Harry, Meghan e Archie


Leia também: Stênio Garcia confessa que está vivendo à base de calmantes após demissão

"Como vocês, nosso foco está em apoiar os esforços para combater a pandemia global do COVID-19, mas, diante dessas informações que vieram à luz (o nome da fundação), nos sentimos compelidos a compartilhar a história de como isso aconteceu. Antes do SussexRoyal, surgiu a ideia de "Arche", a palavra grega que significa "fonte de ação". Nós nos conectamos a esse conceito para a organização de caridade que esperávamos construir um dia, e ela se tornou a inspiração para o nome do nosso filho", disseram eles, em comunicado. "Archewell é um nome que combina uma palavra antiga para força e ação, e outra que evoca os profundos recursos a que cada um de nós deve recorrer. Estamos ansiosos para lançar a fundação Archewell quando for a hora certa. ”

Leia também: Após Serasa insinuar dívidas com Anitta, Pabllo Vittar pede indenização

O registro de marca, cujo processo foi iniciado no dia 3 de março, cobre itens que vão de material escolar a roupas, passando até por um site de saúde e bem-estar. Como é usual com muitas ações do casal, muita gente criticou, principalmente no Twitter, o fato de Harry e Meghan terem dado detalhes sobre a  fundação Archewell num momento de tanta dificuldade para o Reino Unido — no mesmo dia, o primeiro-ministro Boris Johnson foi internado na UTI com sintomas persistentes de Covid-19. "Foi o pior momento possível. Se eu fosse Harry e Meghan, ficaria quieto até que essa situação (do coronavírus) acabasse", opinou o autor e expert em realeza, Phil Dampier, ao "Daily Mail". O especialista em relações-públicas Richard Fitzwilliams ponderou: “Claramente, com o mundo focado na devastação que a Covid-19 está tendo, há pouca relevância atual no que foi descoberto. Então, seria ridículo esperar que eles não fizessem nada, e esse é o tipo de plano esperado."

    Veja Também

      Mostrar mais