Tamanho do texto

Silvio ignorou a votação do auditório que escolheu Jennyfer como a melhor intérprete em uma competição e racismo foi levantado como possibilidade

silvio santos arrow-options
Divulgação
Jennyfer Oliver e Silvio Santos

O deputado estadual Jesus dos Santos (PSOL) deu entrada em uma representação contra o Silvio Santos nesta sexta-feira (13) por conta do dado pelo apresentador a Jennyfer Oliveira no quadro Quem Você Tira , do dia 8 de dezembro. O parlamentar agiu após uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) com a participação dos deputados Leci Brandão (PCdoB) e Luiz Fernando Teixeira (PT).

Leia mais: Cantor Sorocaba revela gravidez da noiva: "Melhor notícia da minha vida"

"Partimos do princípio de não tolerar mais que nossas crianças que assistem a esse programa, pessoas em processo de formação, tenham [acesso a] conteúdos que não estão coerentes com os passos que a sociedade deve dar", explicou Jesus em entrevista à Folha.

Na competição de calouros, Silvio ignorou a votação do auditório que escolheu Jennyfer como a melhor intérprete da música que viralizou na internet " Caneta Azul ". Outra candidata recebeu o prêmio das mãos do dono do SBT por considerá-la "muito bonita".

Jennyfer era a única negra de um grupo de quatro calouras, o que levou o público a cogiar a possibilidade de racismo para a decisão sobre o prêmio. A mesma premissa foi utilizada pelo deputado estadual Jesus dos Santos .

Leia também: Silvio Santos surge em festa do SBT e faz discurso emocionante

"Quando um apresentador, dono de um canal que é uma concessão pública, ratifica e continua perpetuando piadinhas racistas, isso passa a ser um problema no qual encontramos aparato constitucional para enquadrá-lo. O crime de racismo é bem nítido quando informa que atos racistas de qualquer forma e grau precisam ser contidos", afirmou o deputado.

O parlamentar argumentou, ainda, que a cantora está em um lugar desprivilegiado para tentar contrapor a narrativa de "um cara que é mega milionário". Jennyfer seria o "elo fraco" da corrente na disputa por direitos. 

"Como papel do parlamento nos cabe zelar pela nossa Constituição ", concluiu.