Tamanho do texto

Drag queen cantora falou sobre os assuntos durante coletiva de imprensa para divulgar primeira parte de seu novo EP, que foi batizado de "111"

Nesta quarta-feira (30) Pabllo Vittar lançou a primeira parte do EP “111” , em São Paulo. Aproveitando o momento, a drag queen cantora falou sobre o que sente em relação aos boicotes aos artistas LGBT. 

Leia também: Nem disfarça! Pabllo Vittar risca rosto de Anitta em capa de álbum

Pabllo Vittar arrow-options
Reprodução Instagram
Pabllo Vittar

"É muito triste porque a gente trabalha muito duro e são os nossos sonhos. Você lança um trabalho e isso não é veiculado em grandes playlists, em rádios, em programas de TV porque você é um artista LGBT ? Isso não nos diferencia dos outros, até porque a gente faz um trabalho incrível. Mas o que eu quero que as pessoas saibam é que eu não vou parar. Vou continuar fazendo minhas músicas e realizando os meus sonhos", iniciou Pabllo Vittar

Leia também: Pabllo Vittar fala sobre polêmica entre Anitta e Ludmilla

Questionada se sofre preconceito no exterior, a drag queen cantora dissertou. "Lá fora, eu venho sendo bem recebida nos shows. Vou estar no European Music Awards, vou ser headliner de vários festivais no ano que vem. A aceitação tem sido muito boa pra mim, mas acho que vou poder responder melhor a essa pergunta no ano que vem".

Leia também: Fãs comparam Pabllo Vittar a namorada de Ludmilla em foto nas redes sociais

Ao ser questionada sobre as represálias que sofre por suas críticas ao governo Bolsonaro, Pabllo Vittar não pestaneja.  "Sempre vou me posicionar porque acho que é o trabalho do artista mesmo. Temos de usar a nossa voz e a nossa visibilidade para assuntos que realmente são relevantes e não só falar de música. Não podemos fechar os olhos para as coisas que vêm acontecendo. E isso em relação a todos os aspectos: segurança, mortes das gatas. Acho que os fãs entendem esse posicionamento e acham importante também, e abraçam as causas".