Tamanho do texto

Após 300 anos de colonialismo, os descendentes da nobreza portuguesa vivem entre nós, trabalham, estudam, praticam ativismo e brigam pelo trono

Antes mesmo de receber a alcunha de Terra de Vera Cruz, os índios já viviam nos trópicos brasileiros à sua maneira. No entanto, é com a chegada dos portugueses e da Família Real que essa grande novela, cheia de altos e baixos, realmente começa.

Leia também: Palácio divulga novas fotos do Casamento Real e Meghan Markle ganha perfil

Cena da novela
Divulgação
Cena da novela "Novo Mundo", que retratou a Família Real em solo brasileiro. À direita, Caio Castro no papel de Dom Pedro I. À esquerda, Letícia Colin, no papel da Princesa Leopoldina

Todos conhecemos a história do Brasil, apelidado de paraíso tropical, a colônia portuguesa que foi casa da Família Real Brasileira por uma era. Agora, pouco mais de duzentos anos depois, seus descendentes vivem entre nós, trabalham, vão à missa e acreditam na volta da monarquia .

Leia também: O que é verdade e o que é mentira sobre o casamento de Harry e Meghan Markle

Se você acha que a Família Real Brasileira foi extinta pode tirar seu cavalinho da chuva, aqui vão alguns detalhes que diluirão sua ilusão em um piscar de olhos. Preparados(as)?

O Brasil tem Rei!

Confira algumas coisas que toda pessoas devia saber sobre a Família Real Brasileira
Divulgação
Confira algumas coisas que toda pessoas devia saber sobre a Família Real Brasileira

Pode ser que você não saiba mas a Família Real Brasileira ainda possui um chefe. Atualmente com 80 anos, Luiz Gastão Maria José Pio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança e Wittelsbach ocupa o cargo por ser o primogênito da família e bisneto da Princesa Isabel, tornando-se o primeiro na linha de sucessão caso o regime monarca voltar a vigorar no país.

Sabia que você sustenta a Realeza?

16 dos 30 hexanetos da Princesa Isabel
Divulgação
16 dos 30 hexanetos da Princesa Isabel

Até hoje, quem compra ou vende um imóvel em Petrópolis, cidade do interior do Rio de Janeiro, paga uma taxa aos herdeiros da Família Real Brasileira.

Retrógrado, já houve tentativas de acabar com o imposto, mas não foram bem sucedidas. Batizado oficialmente de laudêmio, a taxa de 2,5% sobre o preço de mercado do imóvel, ora também conhecida como "Imposto do Príncipe" é uma das cobranças mais antigas do Brasil. Para a felicidade da plebe (nós), atualmente, este imposto é aplicado apenas sobre a cidade de Petrópolis.

Bolsonaro une forças à Realeza

Confira algumas coisas que toda pessoas devia saber sobre a Família Real Brasileira
Divulgação
Confira algumas coisas que toda pessoas devia saber sobre a Família Real Brasileira

Sempre nos holofotes, a palavra "vice" é uma nomenclatura que começa atormentar o pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro. Vira-e-mexe um nome se destacava entre as especulações: o príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança, que não pertence à linha de sucessão principal ao extinto trono brasileiro, se mostrou à disposição para ser o segundo na chapa com o deputado federal. 

Porém, em sua conta do Facebook, o nobre alertou que ainda não convite para integrar a mesa de vice: "Amigos gostaria de informar que não há nem houve qualquer convite para ser vice", disse. Em seguida, o príncipe explicou a dificuldade de ser escolhido para o cargo: "nesse quesito imagino certa complexidade de acomodação em torno de meu nome".

A esperança é a última que morre

Cédula de voto mostrando a última tentativa da Família Real Brasileira voltar ao poder
Divulgação
Cédula de voto mostrando a última tentativa da Família Real Brasileira voltar ao poder

A última tentativa da Família Real voltar ao poder aconteceu no ano de 1993. Neste ano, ocorreu o chamado "plebiscito sobre forma e sistema de governo". Na época, as pessoas acabaram indo às urnas para votar no sistema que preferiam em que o Brasil fosse governado. De uma vez por todas a monarquia foi descartada, sendo que menos de 11% da população votou em tal opção.

Os descendentes da Realeza, no entanto, ainda alimentam esperanças de um dia retornar ao lugar de onde vieram, o trono. Nos dias atuais, revistas pró-monarquia são produzidas pelo próprio clã e distribuídas a um nicho específico de pessoas.

Há 37 Princesas no Brasil

Paola Maria de Bourbon e Bragança
Divulgação
Paola Maria de Bourbon e Bragança

Pode até soar estranho mas, apesar de já fazer muito tempo que a monarquia deixou de ser nosso sistema de governo, ainda podemos contar com princesas vivendo no Brasil. nNo total, existem 37 princesas no país.

As mais conhecidas são Maria Cristina de Orleans e Bragança, que tem 27 anos e é escritora. Já a outra é Paola Maria de Bourbon Orléans e Bragança, que certamente é bem mais conhecida. Nascida no Reino Unido, ela se mudou para o Brasil ainda jovem e atualmente segue a vida como modelo, apresentadora e desenhista indústrial.

A Família Real briga por um trono que não existe

Trono da Família Real Brasileira
Divulgação
Trono da Família Real Brasileira

Como toda família que se preze, a Família Real Brasileira também briga. Porém, diferente de muitos núcleos familiares, os nobres conseguem fazer suas desavenças transcender os séculos.

Os dois príncipes acima são filhos da Princesa Isabel. Pedro de Alcântara, o primeiro, foi forçado pela matriarca a renunciar quando se casou com uma condessa tcheca que não pertencia a nenhuma dinastia. Os descendentes dele formaram o Ramo de Petrópolis.

Já Luis Felipe, o segundo, tomou o lugar do irmão na linha sucessória e seus descendentes formaram o Ramo de Vassouras – ao qual D. Luiz, primeiro na linha da sucessão e chefe da Casa Real, pertence.

Leia também: Há 20 anos fotografando a Família Real, Tim Rooke relembra momentos marcantes

Como a Família Real Brasileira se dividiu, até hoje os ramos dinásticos brigam pela sucessão da coroa para caso, um dia, o Brasil volte a ser uma monarquia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.