Tamanho do texto

A atriz questionou o protesto que diversas celebridades estão promovendo para o Globo de Ouro 2018 por conta dos casos de assédio em Hollywood

As polêmicas no mundo de Hollywood parecem não cessar. Depois das denúncias que vieram à tona contra o produtor Harvey Weinstein, muitas atrizes revelaram suas histórias de assédio e abuso sexual nos bastidores, trazendo outros grandes ícones do cinema sob os holofotes por conta de suas ações no passado. Nesse contexto, algumas celebridades resolveram fazer um protesto durante a premiação do Globo de Ouro 2018: comparecer ao evento com um figurino preto. Entretanto, a iniciativa não agradou a todas, como foi o caso de Rose McGowan que criticou duramente as celebridades. McGowan foi uma das primeiras mulheres a denunciar o produtor alegando que ele a estuprou em 1997.

Rose McGowan foi uma das primeiras atrizes a revelar caso de estupro envolvendo o produtor Harvey Weinstein
Reprodução
Rose McGowan foi uma das primeiras atrizes a revelar caso de estupro envolvendo o produtor Harvey Weinstein

Leia também: Harvey Weinstein nega as acusações de Salma Hayek: "São imprecisas"

"Atrizes, como Meryl Streep, que trabalharam contentes para o 'monstro porco' estão usando preto no Globo de Ouro como um protesto silencioso. SEU SILÊNCIO é o problema. Vocês vão aceitar prêmios falsos e não vão causar nenhuma diferença. Eu desprezo sua hipocrisia. Talvez todas deveriam usar Marchesa!", tweetou Rose McGowan em referência a grife de Georgina Chapman, ex-esposa de Weinstein.

Leia também: Globo mira Netflix com "Assédio", série polêmica sobre médico estuprador

O assunto rendeu bastante burburinho nas redes sociais e a atriz Amber Tamblyn veio a tona criticar a postura da colega. "Rose McGowan é uma amiga e, enquanto apoio seu tipo de manifestação, não posso apoiar nenhuma mulher (ou homem) julgando os movimentos de outras mulheres que estão tentando trazer mudanças. Dizendo para nós usarmos Marchesa? Você é melhor que isso, Rose. Você não precisa nos apoiar, mas nós vamos apoiar você. Você pode atirar na gente, mas não vamos retribuir. Nosso movimento é grande. E o vestido preto é só o início da escuridão que será drenada de cada indústria desse país. Essa é uma promessa. E nós ficamos unidos nessa batalha, ombro por ombro, arma por arma, mulher por mulher (e homem), corpo por corpo. Nossos braços e corações estão abertos. E nosso fogo será uma tocha universal. Viva o mantra: #ChangeIsComing (Mudança está vindo, tradução livre)", escreveu.

Leia também: Site inova e mostra se seu filme predileto tem casos de assédio sexual

Outras estrelas também se juntaram ao debate, questionando a própria Tamblyn de ter comentado sobre o assunto em público ao invés de falar a sós com a colega. O tweet original de McGowan foi apagado depois e a atriz se explicou mais tarde: “A linha Marchesa estava abaixo de mim e me desculpe por isso. Ver uma imagem de Alyssa Milano com a GC ascendeu algo em mim que não consigo articular. Não há nenhum mapa para esta estrada em que eu estou, Eu fodi tudo. Paz esteja com você, vá com a Deusa”, escreveu a atriz.

O outro lado

Meryl Streep respondeu às acusações
Divulgação
Meryl Streep respondeu às acusações

Apesar de ter sido apagado, o tweet de Rose McGowan fez burburinho na rede social. A atriz Meryl Streep respondeu as acusações feita pela celebridade de “Charmed” afirmando que “não sabia” sobre a situação. “Doeu ser atacada por Rose McGowan nas manchetes este fim de semana, mas eu quero deixá-la saber que eu não sabia sobre os crimes de Weinstein, nem nos anos 90, quando ele a atacou, nem nas décadas seguintes, quando ele atacou outras.Eu não fiquei deliberadamente em silêncio. Eu não sabia. Não aprovo tácitamente a violação. Eu não sabia. Eu não gosto de mulheres jovens sendo violadas. Eu não sabia que isso estava a acontecer”, escreveu. A atriz ainda comenta que enviou o número de telefone dela para McGowan com a esperança de que ambas pudessem conversar e que ela pudesse expressar seu respeito pela colega. “Lamento que ela me veja como adversária, porque estamos ambas, juntamente com todas as mulheres no nosso negócio, a desafiar o mesmo inimigo implacável: um status quo quer voltar aos velhos tempos, às velhas formas em que as mulheres eram usadas, abusadas e onde lhes recusavam a voz na tomada de decisões, nos mais altos níveis da indústria”, completa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.