Tamanho do texto

O ator carrega no sangue o talento que consolidou seu sucesso no mundo do cinema, mas não quis exibir isso logo de cara para provar do que é capaz

Os cinéfilos de plantão sabem muito bem que nos filmes “Despedida em Las Vegas” (1996), de Mike Figgis, e “Cidade dos Anjos” (1998), de Brad Silberling, os papéis desempenhados por Nicolas Cage o renderam bons marcos na carreira. O drama de Figgis, por exemplo, garantiu ao ator mais de um prêmio de renome do mundo do cinema. Entre eles, o Oscar e o Globo de Ouro de melhor ator.

Leia também: Nicolas Cage e vocalista do Mötley Crüe brigam nas ruas de Las Vegas

Nicolas Kim Coppola é o nome verdadeiro de Nicolas Cage; O ator tem 53 anos e nasceu em Long Beach, na Califórnia, estado dos EUA
Reprodução/Twitter
Nicolas Kim Coppola é o nome verdadeiro de Nicolas Cage; O ator tem 53 anos e nasceu em Long Beach, na Califórnia, estado dos EUA

Porém, o dom de atuar de Nicolas Cage não está limitado apenas aos papéis memoráveis de alcoólatra e anjo desempenhados no fim da década de 90. O intérprete de 53 anos, nascido em Long Beach (CA), nos Estados Unidos, já viveu um herói de HQ no cinema em dois filmes bem discutíveis do "Motoqueiro Fantasma".

Leia também: Nicolas Cage estrela "USS Indianapolis - Homens de Coragem"; veja o trailer

Os que possuem uma boa memória e muita atenção, além de lembrar do desempenho de Cage na obra de ação de Mark Steven Johnson em particular, também devem ter percebido que o personagem Jhonny Blaze e o sobrenome de Nicolas dividem um ponto em comum: ambos pertencem ao universo criado pela Marvel Comics. Não entendeu? Sem problemas. Nós do iG Gente  podemos te explicar essa história direito.

Nicolas Cage deu vida ao personagem Jhonny Blaze no filme
Divulgação/Adoro Cinema
Nicolas Cage deu vida ao personagem Jhonny Blaze no filme "Motoqueiro Fantasma" (Ghost Rider), de 2007, dirigido por Mark Steven Johnson

Uma homenagem que deu certo

Nem todo mundo deve saber, mas Nicolas Cage, na verdade, se chama Nicholas Kim Coppola, o que prova que sua entrada no universo cinematográfico e todo seu talento não são meras consequências do acaso. Isso tudo porque o ator tem na família personalidades com um reconhecimento e tanto no mundo do cinema, como o diretor Francis Ford Coppola, que é seu tio, e a filha dele, a cineasta Sofia Coppola, sua prima. No meio das câmeras e da ação, Francis foi responsável por dirigir sucessos das telonas como “O Poderoso Chefão” (1972) e “O Homem que Fazia Chover” (1997). Já Sofia é responsável por “Encontros e Desencontros” (2003) e “Maria Antonieta” (2006).

Francis e Sofia Coppola em 1974, à esquerda, e em 1979 à direita
Reprodução/Twitter
Francis e Sofia Coppola em 1974, à esquerda, e em 1979 à direita

Francis e Sofia Coppola fazem parte da árvore genealógica de Nicolas, mas não foi a partir deles que o talento começou a ser passado de geração a geração na família do ator. Prova disso é o fato de que o primeiro da linhagem artística dos Coppola foi o compositor Carmine Coppola. Depois de casar com Italia, o artista teve três filhos: Talia Coppola, Fracis Coppola e August Coppola, pai de Cage.

Porém, justamente pela grande carga de sucesso carregada pelo nome Coppola é que Nicolas optou por não carregar consigo esse peso (positivo) no meio do cinema. No início da carreira, o dramaturgo pensou que, se usasse o sobrenome herdado do tio e da prima, integrantes do lado paterno da família, seria automaticamente favorecido na profissão. Por isso, Nicolas escolheu uma inspiração mais do que peculiar para aparecer sob os holofotes: Luke Cage, um dos heróis criados pela Marvel Comics. Com certeza o ator nem imaginava que carregar consigo o nome de um simples personagem de história em quadrinhos o renderia sucesso e reconhecimento mundiais. Acertou na jogada!

Sofia Coppola e Francis Coppola, filha e pai, atualmente
Reprodução/Twitter
Sofia Coppola e Francis Coppola, filha e pai, atualmente


Luke Cage

Luke Cage é um personagem fictício da Marvel Comics nascido em uma das ruas do Harlem, um bairro de Nova Iorque conhecido por ser um grande centro de cultura e comércio realizado por pessoas negras. Na ficção da Marvel, Cage é ex-membro de uma gangue e preso por um crime que não cometeu.

Luke Cage (Mike Colter) tem a pele impenetrável. Personagem até faz piadinhas, mas no geral é um cara bem sério na série da Netflix
Divulgação
Luke Cage (Mike Colter) tem a pele impenetrável. Personagem até faz piadinhas, mas no geral é um cara bem sério na série da Netflix

Porém, é justamente por meio do dissabor da injustiça que ele ganha dois superpoderes: uma superforça insuperável e uma pele indestrutível começam a fazer parte de sua realidade após ter sido usado como cobaia para um experimento realizado na prisão. Depois de sair da cadeia, então, ele toma consciência de suas novas habilidades e passa a trabalhar como guarda-costas. Nessas condições, chega a viver aventuras ao lado de heróis como Demolidor e Punho de Ferro, outros dois personagens da Marvel.

Em 2016, uma série dedicada ao personagem que inspirou Nicolas Cage foi lançada pela Netflix, contendo 13 episódios, com 60 minutos cada, em média.

Vida e carreira

Nicolas Kim Coppola, chamado e conhecido como Nicolas Cage, nasceu no dia 7 de janeiro de 1964 nos Estados Unidos enquanto fruto da relação do professor universitário August Coppola e da coreógrafa Joy Vogelsang. Cage tem mais dois irmãos, Mark e Christopher, e também teve um gêmeo que morreu um minuto após o nacismento.

Porém, perder um irmão não foi a única dificuldade enfrentada por Cage e sua família durante a sua infância. Segundo o ator, desde os seis anos, foi preciso saber lidar com os transtornos bipolares da mãe, que faziam com que a maior parte de seu tempo fosse passada em hospitais.

Nicolas Cage brilhou nos filmes
Reprodução/Adoro Cinema
Nicolas Cage brilhou nos filmes "Picardias Estudantis", "Feitiço da Lua" e "Coração Selvagem" em 1982, 1987 e 1990

A carreira de Nicolas Cage, que já foi casado Patricia Arquette durante 6 anos, com Lisa Marie Presley por 2, e com Alice Kim durante 11 anos, casamento que configurou seu terceiro divórcio, começou com sua estreia no filme “Picardias Estudantis” (1982), de Amy Heckerling. No entanto, a entrada com o pé direito realizada pelo ator no mundo do sucesso só se consolidou após sua atuação nos longas “Feitiço da Lua” (1987), de Norman Jewison, no qual atuou ao lado da cantora e atriz Cher, e “Coração Selvagem” (1990), de David Lynch.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.