A gaúcha Emilly, participante mais jovem do "BBB 17" é a grande favorita ao prêmio e, goste-se ou não dela, fez por merecer esse posto

Para sorte ou azar, vai depender sempre do ponto de vista, o “BBB 17” teve sua candidata de perfil “ame ou odeie”. Emilly provocou paixões. Em um nível que há muito tempo o programa não via. Esse fato aliado ao despojamento da gaúcha garantiu um protagonismo muito controvertido na edição de 2017 do reality show mais popular do Brasil.

Leia também: Vivian, Emilly ou Ieda: afinal, quem ganha o “BBB 17”?

Emily, finalista do ''BBB17''
Paulo Belote/TV GLOBO
Emily, finalista do ''BBB17''

Dá para dizer que a polêmica foi companheira de Emilly . A sister se via como protagonista antes mesmo de ocupar esse espaço no programa. Rapidamente antagonizou Vivian. Muitos viram nessa atitude uma grande sinalização de insegurança, ainda que a gaúcha desse reiteradas demonstrações de que tinha uma senhora autoestima .

Leia também: Os 10 casais mais chatos da história do "BBB"

Emilly criticou sua irmã Mayla por logo formar um casal. Ter formado um casal com Luiz Felipe não garantiu a permanência de Mayla na casa, mas Emilly percebeu a ascendência de Marcos no programa e estabeleceu uma dinâmica de casal com o doc antes mesmo de formar um casal efetivamente com ele. A então amiga Roberta, que não ia com a cara do doc, protestou: “quando você está com o Marcos você fica insuportável”.

O casal não agradou. Se aqui fora ganhou fãs fervorosos, e detratores igualmente motivados, na casa a união de Marcos e Emilly só era bem aceita pelo chapa Ilmar – e mesmo ele passou a se opor ao casal em dado momento. 

Leia também: Dez vezes em que a Globo censurou os participantes do "BBB"

É inegável que a dinâmica do casal, pautada por muitas brigas e muita ação embaixo do edredom, contribuiu para que Emilly chegasse à final. A novela da relação dos dois foi a coisa mais interessante do “BBB 17”. Tanto que em seu capítulo mais lamentável atraiu o interesse de gente que não costuma acompanhar o reality e virou até notícia no “Jornal Nacional”, principal jornalístico da Globo e que não mencionava o “BBB” desde 2012, quando houve suspeita de estupro na casa .

Ieda, Emily e Vivian, finalistas do ''BBB17''
Paulo Belote/TV GLOBO
Ieda, Emily e Vivian, finalistas do ''BBB17''

Verdadeira ou manipuladora? Emilly comporta o paradoxo. Ela parece ter sido honesta consigo mesma no jogo e seu viés manipulativo, se é que podemos chamar assim, parece mais um traço de sua personalidade – uma jovem de 20 anos – do que uma estratégia de jogo.

Rômulo lhe deu os parabéns por ser a melhor jogadora. Nas redes sociais, o amor a gaúcha parece mais forte do que o ódio. O prêmio de R$ 1,5 milhão está perto. Mesmo que não ganhe, será ela o foco das atenções. Ela até tem nome desses furacões que varrem o sul dos EUA no verão.  Para o bem ou para o mal, Emilly foi o furacão que o “BBB 17” precisava.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.