Tamanho do texto

Apresentadora completou 10 anos à frente do programa do SBT; Ao iG ela falou de sua trajetória, mitos, verdades e o saldo que tira da experiência

Tiro, porrada e bomba, essas palavras definem bem o “Casos de Família”, programa vespertino do SBT que prova que o cotidiano é mais interessante do que pensamos. 

Leia também: 10 vezes em que "Casos de Família" provou ser o melhor pior programa da TV

Christina Rocha no arrow-options
Divulgação / SBT
Christina Rocha no "Casos de Família"

Em fevereiro de 2019 Christina Rocha completou 10 anos à frente do “ Casos de Família ” e, com base na audiência que vem conquistando, ela só têm motivos para celebrar. 

Leia também: Christina sobre críticos de "Casos de Família": "Quero que eles se ferrem"

Nos últimos dois meses, por exemplo, o programa do SBT se manteve na vice-liderança com média de 5 pontos, 7 de pico e 13% de share, o que é relevante para a faixa horária.

Ao iG , a apresentadora falou sobre os 10 anos do folhetim, os mitos por trás dele, os bons e maus momentos, repercussão nas redes sociais e o saldo que tira de toda a experiência.

Para falar de um sucesso, antes de qualquer coisa, é necessário falar de sua origem. Ao relembrar o convite para assumir o programa, Christina diz que encarou a oportunidade como uma evolução. “Profissionalmente foi uma grande responsabilidade. Pessoalmente ter contato com tantas histórias de superação só me fez bem”, disse ela.

“Pensar que eu posso ajudar, mesmo com pouco tempo, uma pessoa a mudar a maneira como conduzia um problema é gratificante demais”, completou a jornalista.

Ao ser questionada de como, após 10 anos, o folhetim a mudou, Christina coloca a realidade do Brasil em pauta. “Por mais que a gente saiba da dificuldade que muitos brasileiros vivem, o ‘Casos’ me mostrou a luta de muitos brasileiros para seguir com dignidade, mesmo sob as piores circunstâncias. Isso não tem como esquecer”.

Christina Rocha no arrow-options
Divulgação / SBT
Christina Rocha no "Casos de Família"

Sendo uma atração que lida com problemas entre pessoas, os barracos e quebra-paus ganharam fama de falsos, o que, com o passar dos anos, tornou-se um dos maiores mitos do programa. Sobre isto, a comandante do barco, não se esquiva.

“Acho que se o programa durar mais 10 anos, eu ainda vou ter que responder essa pergunta. Não, os casos não são armados. Temos uma equipe com mais de 20 pessoas que saem às ruas todos os dias em busca das histórias. Esse tipo de afirmação é desleal com eles, que ralam muito”, afirma ela. 

No ar há tantos anos, a apresentadora passou por altos e baixos. Ao falar dos momentos que a marcaram, Christina têm a resposta na ponta da língua: “Um mau bocado foi quando eu caí no palco e quebrei meu pé. O melhor momento são todos os momento que envolvem reconciliação entre mãe e filha. Sempre temos esse tipo de conflito e sempre fico muito feliz quando termino um programa com um abraço entre elas”.

Christina Rocha em foco

Apesar de estar consagrada como apresentadora, a loira iniciou sua carreira como jornalista, ao ser indagada se voltaria às bancadas, mesmo que por uma eventualidade, ela demonstra compaixão pelo passado e realização com o presente. “Tenho muito orgulho da minha história na TV, mas no momento me sinto realizada apresentando o ‘Casos’”.

Atualmente com 62 anos, a apresentadora se mostra bem resolvida com a idade. Sabendo que vive em um País onde jornalistas mulheres têm dificuldade de se manter na televisão após os 50, ela fala sobre feminismo: “Me sinto privilegiada, não posso negar. E fazer o meu trabalho com dedicação e amor ajuda a mudar essa realidade”, declara ela.

Porém, Christina reconhece, que apesar de seu esforço, a realidade que conhecemos ainda perdurará por alguns anos: “Ainda estamos longe do ideal. Para alguns a conversa sobre feminismo é mimimi, mas é ela que tem feito a realidade mudar”.

 Leia também: Christina chama PM após convidado do "Casos de Família" admitir agressão

10 anos, quase 11, à frente do “ Casos de Família ” renderam bons frutos a Christina Rocha . Ao falar do saldo que tira de toda a experiência, ela usa uma palavra: Empatia. “Eu me comovo com eles, dou risada com eles, fico brava com eles, enfim... eu vivo fortes emoções com os meus participantes”, finaliza ela usando um tom esperançoso, um tom de quem pretende viver emoções por mais 10 anos ou mais.