Tamanho do texto

Novo programa de Marcelo Adnet impressiona pela produção vistosa e por apresentar humor menos crítico do que o de “Tá no Ar”. Homenagem a Galvão Bueno marca bom ponto de partida


Marcelo Adnet ao lado de Galvão, Reginaldo Leme e Arnaldo Cezar Coelho
Divulgação/TV Globo
Marcelo Adnet ao lado de Galvão, Reginaldo Leme e Arnaldo Cezar Coelho

Fã confesso de Galvão Bueno, Marcelo Adnet preparou uma grande homenagem para o narrador esportivo mais famoso do Brasil na estreia de seu novo programa na Globo, o “Adnight”. Misto de talk show e game show, o dinâmico programa do humorista carioca começou com uma esquete tão afiada que parecia saída do “Tá no Ar”, outra criação sua para a emissora sediada no Jardim Botânico. Com luvas de boxe, Adnet se preparava para entrar no ringue, uma bem-vinda comparação com a ideia de apresentar um programa de entrevistas, algo que todo mundo parece estar fazendo no momento; e colocar Marília Gabriela para prepará-lo para a tarefa, com Bial fazendo discurso motivacional no corredor foi um tiro certeiro. 

Com Joel Santana e seu inglês “embromation” na condição de locutor oficial, Adnet chega ao palco para, em clima olímpico, introduzir o convidado do programa de estreia. Galvão Bueno entra em uma Mercedes conversível clássica. A entrada insinua toda a reverência que virá a seguir. Deixa implícito, também, que Adnet se fia tanto em comunicadores modernos, como Jimmy Fallon, mas principalmente em figuras icônicas e atemporais como Chacrinha. 

Galvão Bueno e Marcelo Adnet durante a gravação do programa
TV Globo/ Divulgação
Galvão Bueno e Marcelo Adnet durante a gravação do programa "Adnight"

O dinamismo da atração obedece ao ritmo do humor de Adnet, sempre em aceleração, em metamorfose. As piadas podem ser óbvias, como podem ser sutis, escondidas em uma ou outra referência. Neste primeiro programa, o “Cala Boca Galvão”, que começou como campanha no Twiter e ganhou o mundo durante a Copa de 2010, foi a referência sutil da vez. Com direito a participação de Maurício Cid do blog Não Salvo, responsável por criar a campanha. Um elogio do idealizador do programa ao espírito esportivo do narrador “irritante, fascinante e que já tem um lugar cativo no nosso sofá”, como bradou Adnet. 

LEIA MAIS: Cinco razões que fazem de "Tá no Ar" o melhor programa da TV brasileira atual

Grande injustiçado histórico por ser contemporâneo de Galvão Bueno, Silvio Luiz, narrador com passagens por SBT, Band e RedeTV!, também foi homenageado por Adnet. Além de ter seus bordões lembrados durante um gincana que contou com a participação de Reginaldo Leme, Arnaldo Cezar Coelho e Daniela Mercury, todos amigos pessoais de Galvão, Silvio narrou uma corrida de bichinhos de shopping entre Galvão e Adnet. A corrida terminou com Galvão vitorioso, claro, estourando um champanhe com direito a tema da vitória e Adnet a plenos pulmões comemorando: “Galvão Bueno do Brasil”. 

LEIA MAIS:  “Angry Birds – O Filme” recebe homenagem na ONU e ganha novo trailer

O primeiro “Adnight”, até pela proposta, não causou o impacto de “Tá no Ar”, um programa mais inteligente e crítico – e talvez mais engraçado. Mas ao privilegiar um humor mais universal, e oferecer um viés Caras (a revista) mais debochado do mundo dos famosos – e há de se elogiar Galvão Bueno por rir de si mesmo – Adnet reafirma seu status de grande nome do humor nacional na atualidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.