Tamanho do texto

Em entrevista ao iG, a atriz fala de preconceito, conta que quer variar seus papéis na TV e confirma "Minha Mãe é uma Peça 2"

Mariana Xavier anda cheia de trabalho esse semestre. A atriz, que teve destaque nas novelas "Além do Horizonte" e "I Love Paraisópolis", conversou com o iG enquanto curtia o Colosso Summer Festival  - que durante quatro dias agitou Fortaleza  comemorando os cinco anos do Colosso Lake Lounge - e falou sobre preconceito, a importância de estar de bem com seu corpo e confirmou a continuação do filme "Minha Mãe é uma Peça".

Mariana Xavier
Sérgio Baia/Divulgação
Mariana Xavier



Cheia de trabalho

"Além de atriz sou produtora,  estreei no último dia 7 'Cantrizes' no Rio, são oito shows musicais de atrizes cantoras que eu apresento e co-produzo. Só tive 11 dias de descanso por volta do réveillon, quando viajei para o Nordeste. Não trabalhamos com férias, mas eu adoro, não consigo ficar longe do trabalho não", diz, contando os planos para este semestre.

"Tenho dois longas para fazer, um que rodo em São Paulo que é um espécie de 'Sex and the City', depois em tese temos 'Minha Mãe é uma Peça 2. Paulo Gustavo  diz a torto e a direito que começamos em abril, mas não recebi o roteiro ainda. E entre uma coisa e outra devo estrear a peça e ir conciliando com as filmagens".

Com Paulo Gustavo e Rodrigo Pandolfo no filme
Divulgação
Com Paulo Gustavo e Rodrigo Pandolfo no filme "Minha mãe é uma peça", que ganha continuação


Novela

Mariana se divertiu com a liberdade que teve em "I Love Paraisópolis", que chegou ao fim em novembro do ano passado. "A novela deu muito espaço para a gente, autores e diretores eram abertos às nossas ideias, a gente propunha muita coisa e eles compravam nossas maluquices. Minha personagem nem terminou muito grande, mas ela teve um 'boom' no meio da novela com o quadrângulo amoroso que ninguém esperava. Quando me convidaram eu sabia que teria esse romance com o Raul ( André Loddi ), mas não que ia virar uma suruba (risos)", diz, referindo-se à disputa que sua personagem travava com Mirela ( Luana Martau ) e Omara ( Priscila Marinho ) por ele.

Mariana e André Loddi em 'I Love Paraisópolis'
Divulgação
Mariana e André Loddi em 'I Love Paraisópolis'

"Tem uma cena que eu amo, que as três vão lá e descobrem que não estão a fim do Raul. A gente fez uma coisa meio Beyoncé, inventamos na hora, foi muito legal. Espero não ficar muito tempo longe das novelas. Apesar de estar trabalhando muito, gosto muito de fazer televisão. Espero que no segundo semestre eu volte", torce.

Espaço conquistado

A atriz não se considera precursora da abertura de um lugar para as gordinhas na televisão. "Esse espaço vem sendo aberto há algum tempo. Felizmente a TV está mais aberta a pessoas talentosas independente de seu biotipo. O que tem de diferente talvez é que, até algum tempo, as personagens gordinhas eram sempre as sofredoras, as virgens, as rejeitadas, que gostavam de caras bonitos que não queriam nada com elas. Venho fazendo personagens que estão abrindo caminho em mostrar que as mulheres mesmo fora do padrão podem ser desejáveis sim, podem ser seguras, bem resolvidas, vaidosas. Estamos progredindo.", analisa.

Sérgio Baia/Divulgação
"Minhas personagens mostram que as mulheres fora do padrão podem ser desejáveis sim"


Mesmo assim, ela não quer ficar rotulada apenas pelo lado cômico. "Eu sempre falo que minha próxima meta é conseguir uma personagem que o forte não seja a comédia. Uma vilã, uma mocinha... porque é isso, na vida real as gordinhas não são sempre as engraçadas, temos pessoas que tocam a vida normalmente, para quem o peso não é uma grande questão".

Preconceito

Mariana lembra que foi vítima de preconceito nas redes sociais em pleno carnaval, mas não deixou barato. "No início do ano passado postei uma foto com o Popó no carnaval de Salvador e brinquei na legenda perguntando se o tempo foi legal com a gente. Uma menina falou que era melhor eu voltar para 2001 e me chamou de baleia. Em geral eu não respondo, porque acho que essa gente quer aparecer, mas tem situações em que nós precisamos nos posicionar, não só por nós mas por toda uma classe que é constantemente ofendida nos seus espaços".

Praticando stand up paddle em Fortaleza
Felipe Panfili/Divulgação
Praticando stand up paddle em Fortaleza

Ela apoia a atitude de outros famosos, que fizeram o mesmo, como Preta Gil , Sheron Menezzes, Taís Araújo e Cris Vianna . "Na maior parte das vezes tem de ignorar mesmo, mas quando a coisa é grave tem que se posicionar em prol de todo mundo que sofre essas ofensas. A gente não pode negligenciar a nossa voz, o nosso poder de artista e formador de opinião. Temos de nos impor mesmo e dizer o que é legal e o que não é".

Quilinhos a menos

A atriz conta que emagreceu em 2015. "Perdi entre 8 e 10 quilos ao longo do ano. Comecei a tratar uma resistência a insulina, inseri atividade física com mais frequência e naturalmente esse emagrecimento veio. Agora quero equilibrar, não pretendo engordar de novo pois estou me sentindo bem mais disposta, mais bonita, mais tudo, mas não posso emagrecer mais porque minhas próximas personagens ainda estão vinculadas a esse tipo".

Não há planos de mudanças radicais no corpo, garante. "Gosto de tomar minha cerveja, comer fast food de vez em quando. Brinco que malho para poder comer, para manter minha saúde em dia e aproveitar os prazeres da vida. As pessoas que decidem ficar super magras pagam um preço muito alto por isso: vivem de dieta, fazem horas de exercício. É uma escolha delas, mas não é a minha".

Mariana quer namorar
Paulo Heredia/Divulgação
Mariana quer namorar

Solteirice

Mariana sente falta de um namoro. "Adoraria não estar solteira. Meu sonho era estar namorando, apaixonada e fazer meu carnaval na serra, debaixo do edredom. Mas infelizmente não está sendo possível, então vou para Salvador aproveitar bastante".

Ela analisa os motivos que talvez dificultem encontrar alguém interessante. "Não tenho um biotipo específico, gosto de caras maiores que eu, mais altos. Mas eu sou chata porque gosto de quem fale o português certo, com um nível cultural parecido, que entenda minhas piadas e que a conversa flua. Diferença de nível econômico é mais fácil superar, mas é difícil encarar um relacionamento quando o nível cultural é diferente. É até bonitinho, mas se fala 'seje', não dá", diverte-se.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.