Alexandre Avancini diz que a novela reúne a família e que a Record inovou: "A dramaturgia estava acomodada"

Alexandre Avancini mal tem tempo de curtir o sucesso de "Os Dez Mandamentos" , novela que dirige. A trama, que alavancou o Ibope da Record fazendo a Globo esticar o "JN" e atrasar o início de "A Regra do Jogo" , entrou para a história da teledramaturgia na quinta-feira (17) como a 1ª a derrotar uma novela das 21h  da Globo - o programa mais assistido do país - nos minutos em que simultaneamente estavam sendo exibidas.

Alexandre Avancini é diretor de
Divulgação
Alexandre Avancini é diretor de "Os Dez Mandamentos", da TV Record


Entre uma gravação e outra, o diretor bateu um papo com o iG , contando por que o público se sente atraído pela história  e o trabalho que dá em finalizar as cenas com computação gráfica e efeitos especiais.

"Esperávamos uma grande repercussão, mas nossa expectativa foi superada. Comemoramos o primeiro lugar trabalhando com mais afinco", disse, afirmando não assistir à concorrente, "A Regra do Jogo".

Ele aponta os motivos que atraem os telespectadores para acompanhar a saga de Moisés. "Promovemos um reencontro de gerações numa época que tudo é compartimentado. Reunimos a família inteira: crianças, pais e avós podem assistir sem constrangimentos e as pessoas se envolvem de forma diferente que com as novelas contemporâneas. O Ibope repete a amplitude do nosso trabalho".

Ambientação e texto atraem o público, diz o diretor
Divulgação
Ambientação e texto atraem o público, diz o diretor







Gravações

Há todo um cuidado para que detalhes não comprometam a história. "É uma novela complexa, mas bem produzida. O Egito não é o Rio de Janeiro, temos que apagar todas as montanhas em volta do Recnov [onde ficam os estúdios da Record] e é difícil encontrarmos cenários e locações para externas. Ficamos dez dias no Chile e só no último dia que fomos encontrar um rio parecido com o Nilo".

Avancini durante as gravações
Divulgação/Record
Avancini durante as gravações

Algumas sequências foram preparadas há quase um ano. "Começamos a trabalhar na computação gráfica da abertura do Mar Vermelho em novembro do ano passado e gravamos as cenas que ainda irão ao ar em junho", conta.

Sucessos

Até segunda ordem, a trama não será novamente esticada até janeiro, como se especula. "Trabalhamos com a última previsão, de mais 20 capítulos, totalizando 170. A novela deve terminar entre o meio e o final de novembro", calcula.

Há 10 anos na Record, Avancini coleciona outros êxitos, como "Prova de Amor" - atualmente reprisada à tarde, a novela chegou a incomodar o "Jornal Nacional" e roubou uma boa audiência da Globo, em 2005, que exibia "Bang Bang" às 19h - "Vidas Opostas" (2006), além da série "A Lei e o Crime"

Público acompanha embate entre Moisés (Guilherme Winter) e Ramsés (Sérgio Marone)
Divulgação
Público acompanha embate entre Moisés (Guilherme Winter) e Ramsés (Sérgio Marone)

"Todas elas bateram a Globo em alguns momentos. A dramaturgia ficou muitos anos acomodada nos mesmos gêneros. A Record foi pioneira e em poucos anos veio com novelas que inovaram: 'Vidas Opostas' mostrava uma comunidade, 'Os Mutantes' tinha uma pegada infanto-juvenil, 'A Lei e o Crime' discutiu o tráfico e agora viemos com 'Os Dez Mandamentos'".

Quem pensa que ele vai descansar depois que a saga de Moisés chegar ao fim se engana. "Já vou emendar 'Josué' - novela que substituirá a próxima da emissora, "A Escrava Mãe" , em 2016 - e vou filmar a biografia de Edir Macedo . O elenco ainda não está fechado", afirma.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.