Tamanho do texto

Sucesso de 1983 volta ao ar em nova roupagem

Paulo Autran e Irene Ravache como Charlô e Otávio: Tony Ramos e Irene Ravache repetirão os papeis
Divulgação/TV Globo
Paulo Autran e Irene Ravache como Charlô e Otávio: Tony Ramos e Irene Ravache repetirão os papeis
Uma das maiores apostas da Globo para o segundo semestre é a novela "Guerra dos Sexos", que estreia no lugar de "Cheias de Charme", em outubro. E o projeto vem cercado de expectativas: afinal, trata-se do remake de um dos maiores sucessos da emissora em todos os tempos. Vale a pena voltar no tempo, quase trinta anos atrás, para entender o fenômeno. Em junho de 1983, estreou no horário das 19h na Rede Globo a versão original. Escrita por Sílvio de Abreu , a novela tinha um elenco de estrelas nunca antes reunidas em uma produção daquele horário. Tudo para contar em grande estilo a hilária competição entre homens e mulheres.

Siga o Twitter do iG Gente e acompanhe as notícias dos famosos em tempo real

Tarcísio e Glória como Felipe e Roberta
Divulgação/TV Globo
Tarcísio e Glória como Felipe e Roberta
Os primos Charlô (Fernanda Montenegro) e Otávio (Paulo Autran), apaixonados um pelo outro mas eternamente em pé de guerra, recebem a herança de um tio milionário: a cadeia de lojas Charlô's, instalada no Shopping Eldorado, em São Paulo - na época, um shopping chique, luxuoso e recém inaugurado. Mas o testamento avisa: os primos nunca poderão vender a loja, e nem a mansão onde vivem. Ou seja, são obrigados a dividir a casa e a empresa, forçados a conviver. Para acabar com a "tortura", Charlô e Otávio fazem uma aposta: durante cem dias, as mulheres terão de provar que conseguem aumentar o faturamento da loja. Se conseguirem, Charlô fica com a empresa. Caso contrário, tudo vai para as mãos do primo.

LEIA MAIS: Silvio de Abreu sobre "Guerra dos Sexos": "Não quero esconder que é remake"

Começa aí a surrealista disputa. Os homens são os vilões, tentando boicotar as investidas de Charlô e sua ala feminina. Para tanto, Otávio conta com Felipe (Tarcísio Meira), filho adotivo de Charlô. E também com um reforço importante: uma mulher traidora, a ambiciosa Carolina (Lucélia Santos), sobrinha de Roberta Leone (Glória Menezes), principal aliada de Charlô na luta contra os homens.

Maitê Proença e Mario Gomes como Juliana e Nando
Divulgação
Maitê Proença e Mario Gomes como Juliana e Nando
Em meio a tanta confusão, a filha de Felipe, Juliana ( Maitê Proenç a), se envolve com o motorista da família, Nando (Mário Gomes), mas tem de disputá-lo com Roberta. Enquanto isso, a sensual Vânia (Maria Zilda), assessora de Charlô, vive um caso secreto com Felipe - já que, dentro da empresa, romances entre homens e mulheres estão proibidos.

Essa era a trama básica da história. Mas o grande charme estava na comédia rasgada e absurda, no estilo anárquico e no ritmo ágil com que a novela foi conduzida. E, claro, no brilho cinematográfico. Sílvio de Abreu costurou a narrativa com infinitas citações aos grandes momentos de Hollywood. Assim, inúmeras cenas faziam referência a filmes como "Levada da Breca", "A Mulher do Ano", "Deu a Louca no Mundo", "Rocky, um Lutador", "Bonequinha de Luxo", "Os Homens Preferem as Loiras"...

O sucesso foi surpreendente e instantâneo. Entre junho de 1983 e janeiro de 1984, a novela chegou a bater os 85 pontos de audiência, quase alcançando a novela das 20h da época, "Louco Amor", de Gilberto Braga. E o próprio Gilberto declarou que adorava assistir "Guerra dos Sexos".

Sílvio de Abreu consagrou-se como autor de comédias malucas na faixa das 19h, como "Cambalacho" (1986) e "Sassaricando" (1987). Anos depois, migrou para o horário nobre, onde está até hoje, com novelas mais dramáticas, românticas e policiais, como "Belíssima" (2005) e "Passione" (2010). A direção de "Guerra dos Sexos" coube a Jorge Fernando e Guel Arraes. A dupla também foi alçada ao estrelato na Globo, e continuou dirigindo projetos criativos na emissora.

José Mayer como Ulisses da Silva, papel que será de Eriberto Leão
Divulgação
José Mayer como Ulisses da Silva, papel que será de Eriberto Leão
Diante de tanto brilho, fica fácil entender a vontade da Globo de escolher o elenco adequado para o remake. Diversas escalações já foram feitas e desfeitas. A personagem Vânia, por exemplo, já foi cogitada para Claudia Raia , Gabriela Duarte, Alinne Moraes e Grazi Massafera . Atualmente, está nas mãos de Luana Piovani. Reynaldo Gianecchin i, inicialmente escalado para ser Felipe, agora será Nando. Mariana Ximenes será Juliana, a filha de Felipe, papel de Edson Celulari.

O pequeno papel de Ronaldo - que na versão original foi de Paulo César Grande, que estreava na Globo - agora será de Jesus Luz , o ex-namorado de Madonna. Tudo indica que o personagem será aumentado. O mesmo vale para Leda (Teresa Sodré em 1983), uma executiva quarentona, que desta vez será rejuvenescida - deve ficar com Antônia Pires , filha de Glória Pires e Orlando Morae s, que estreia em novelas aos 20 anos. O casal neurótico Fábio ( Herson Capri ) e Manuela ( Ada Chaseliov ) agora será vivido pelo português Paulo Rocha e Guilhermina Guinle - Márcio Garcia havia sido cotado para interpretar Fábio, mas desistiu

Quanto à principal escolha - Charlô e Otávio -, a escalação foi para Irene Ravache e Tony Ramos. Anteriormente, Tony e Glória Pires estavam no páreo. Depois, Glória foi remanejada para viver Roberta. As gravações começam em julho, mas até lá muita coisa ainda pode mudar.