Tamanho do texto

Quando um consumidor está insatisfeito com algum produto, muitas vezes boicotar pode ser uma opção e no mundo dos famosos não é diferente

Fazer um boicote, ou seja, deixar de usar e divulgar, propositadamente, produtos e serviços que não respeitam os direitos dos consumidores ou que não possuem padrões éticos, está cada vez mais comum no mundo dos famosos.

Leia também: Fãs acusam bispo de assediar Ariana Grande durante funeral de Aretha Franklin

Famosos que aderiram ao boicote com algumas marcas
Montagem por reprodução
Famosos que aderiram ao boicote com algumas marcas

Seja por ficarem decepcionados, ou por não concordarem com posicionamentos, alguns famosos deixam de se relacionar com marcas e espalham a notícia para que mais pessoas realizem o mesmo, criando um verdadeiro caos para a empresa. Diante disso, relembre celebridades que incentivaram boicotes :

Leia também:Debate: o que está em jogo com o boicote de artistas ao Estado de Israel?

Pabllo Vittar

Pabllo Vittar
Reprodução/Instagram
Pabllo Vittar

Pabllo Vittar é o caso mais recente. No último final de semana, a cantora encerrou a parceria que tinha como a marca de sapatos Victor Vicenzza, após descobrir que o dono da grife é a favor de Jair Bolsonaro (PSL), candidato à presidência, nas redes sociais .

Em sua conta no Instagram, Pabllo contou o quanto é difícil encontrar marcas que queiram trabalhar com artistas LGBT+. “Quanto ao candidato ser homofóbico, já foi mais que comprovado o contrário. Desde o início da minha carreira, sempre soube que seria muito difícil conseguir apoio de marcas que queiram se relacionar com uma artista LGBTQIA+ drag que sou”.

“Não poderei aliar meu trabalho a um discurso que deixa claro não se importar com os direitos humanos de toda comunidade LGBTQIA+, à qual faço parte”, disse Pabllo. A cantora ainda disse que alguns trabalhos de seu novo álbum foram produzidos com calçados da marca, mas que a partir de agora, sua imagem não está mais vinculada com a mesma.

Donald Trump

Donald Trump
Reprodução/Twitter
Donald Trump

Quem também recentemente incentivou um boicote foi Donald Trump. O presidente Estados Unidos foi a favor do boicote da fabricante de motos Harley-Davidson, caso a empresa transferisse parte de sua produção para a Europa, que é o segundo maior mercado da Harley-Davidson, atrás dos Estados Unidos.

"Vários proprietários de motos Harley-Davidson prevêem um boicote à empresa se a produção partir para o exterior. Excelente!", disse Trump em seu Twitter. O caso aconteceu no início de agosto deste ano, após responsáveis pela marca de motocicletas anunciarem que pretendem transferir para a Europa parte de sua produção, para evitar o aumento das tarifas.

The Weeknd

O rapper canadense The weeknd
Reprodução/GQ
O rapper canadense The weeknd

O cantor e produtor musical canadense The Weeknd, foi mais um que anunciou através de suas redes sociais que não terá mais relações com uma marca. O músico afirmou que não trabalhará mais em nenhuma campanha da marca H&M, gigante da moda internacional.
“Acordei nesta manhã chocado e envergonhado com esta foto. Eu estou profundamente ofendido e eu não vou mais trabalhar com a H&M”, escreveu The Weeknd em sua conta oficial no Twitter.

O boicote aconteceu após a empresa ser acusada de racismo, depois de publicar um anúncio em seu site com uma foto de um modelo infantil usando um moletom com a seguinte frase: “Coolest monkey in the jungle”(O macaco mais legal da selva, em português). A publicação foi divulgada em janeiro de 2018.

Leia também: Contratado da Globo, André Valadão apoia boicote à emissora

Rihanna

Rihanna f
Mert Alas and Marcus Piggott/Vogue
Rihanna f


Rihanna resolveu propor um boicote ao Snapchat após ver uma foto de um jogo relacionado com violência doméstica no aplicativo. A propaganda propunha que os usuários deveriam escolher entre dar um tapa em Rihanna ou um soco em Chris Brown, seu ex-namorado.
“Vocês gastaram dinheiro para incentivar algo que intencionalmente envergonharia vítimas de violência doméstica. Eu adoraria chamar isso de ignorância, mas sei que vocês não são tão burros assim”,m escreveu a cantora no Instagram.

Rihanna ainda continuou: “Isso não é sobre meus sentimentos pessoais, mas sobre todas as mulheres, crianças e homens que foram vítimas de violência doméstica no passado e especialmente aqueles que ainda não se livraram dela”. Contudo, a equipe do aplicativo pediu desculpas, afirmando que a propaganda havia sido “aprovada por engano”. O caso aconteceu em março de 2018.

Elton John

Elton John
Divulgação
Elton John

Elton John resolveu literalmente boicotar a grife Dolce & Gabbana após ver a notícia que os estilistas Domenico Dolce e Stefano Gabbana são contra a adoção de crianças por homossexuais e inseminação artificial, em março de 2015.

“Como vocês ousam se referir aos meus filhos como ‘sintéticos’? E que vergonha vocês se atreverem a julgar as técnicas de inseminação artificial — um milagre que permitiu legiões de casais tanto hétero quanto homossexuais de realizarem o sonho de terem um filho”.
“O pensamento arcaico de vocês estão fora de sintonia com os tempos, assim como sua grife. Eu nunca mais vou vestir Dolce & Gabbana de novo. #BoicoteDolceGabbana”, publicou o músico.

Outros famosos como o cantor Ricky Martin, a cantora Courtney  Love e o diretor Ryan Murphy também incentivaram boicotes contra a Dolce & Gabbana. 

    Leia tudo sobre: Donald Trump
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.