Tamanho do texto

Em outubro de 2013, Danilo Gentili citou Yonara no extinto "Agora é Tarde" e foi condenado em segunda instância pela Justiça. Entenda mais sobre o caso

Danilo Gentili e a Band estão enfrentando problemas na Justiça por conta de uma piada feita no extinto "Agora é Tarde".   O apresentador e a emissora foram condenados em segunda instância esta semana pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) a pagarem uma indenização de R$ 20 mil à pastora Yonara Amaral de Lira por danos morais.

Leia mais: Monica Iozzi faz desabafo sobre processo

Danilo Gentili pode recorrer da decisão
Reprodução/Instagram
Danilo Gentili pode recorrer da decisão


Yonara foi alvo de comentários no quadro "Mesa Vermelha" no "Agora É Tarde" exibido no dia 18 de outubro de 2013. Danilo Gentili , o cantor Gabriel O Pensador e os humoristas Rafinha Bastos e Davi Mansour fizeram comentários sobre um testemunho da pastora, que na ocasião disse “ter ido ao céu sete vezes e ao inferno 15 vezes”.

Leia mais:  Ser chamado de racista é hediondo", diz Danilo Gentili

“O que ela foi procurar no inferno? Com certeza foi r***! Quando chegou lá falou 'ah, essa r*** não é para mim, ninguém quer me comer, só tem viado aqui”, disse ele na época. Em dezembro de 2014, a juíza Maria Eunice Torres do Nascimento deu ganho de causa à pastora. "Importante destacar que sob o manto da liberdade de expressão não está, a imprensa, autorizada a ultrajar e denegrir à honra e dignidade da pessoa humana", determinou.

Leia mais:  Claudia Rodrigues ganha mais de R$ 130 mil em processo

Recurso

Danilo Gentili
Reprodução/Instagram
Danilo Gentili

Não satisfeita com o valor da indenização, Yonara recorreu, pedindo R$ 6 milhões. A Band e o apresentador também recorreram, argumentando que a intenção era fazer o público rir, e não ofendê-lo. "Muito antes de terem sido tecidos comentários no programa, já havia grande repercussão sobre os depoimentos da pastora, em sua maioria criticando e satirizando o depoimento da pastora", defendeu-se a emissora.

Na última segunda-feira (17), o desembargador Wellington José de Araújo manteve a condenação e estipulou que "o valor de R$ 20 mil mostra-se consentâneo com os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, sendo suficiente tanto para reparar a dor moral sofrida pela autora quanto para atender ao caráter punitivo-pedagógico da condenação".

Até a última atualização desta reportagem, Danilo Gentili não se pronunciou sobre o caso. Procurada pelo iG , a Band disse que vai recorrer da decisão. Com os próximos recursos o caso pode chegar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e até ao Supremo Tribunal Federal (STF).

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.