Tamanho do texto

Abusando do suspense, um tanto previsível e sem o fator mindblowing, nova temporada da série antológica ganhadora do Emmy deixa a desejar

Foi disponibilizada nesta quarta-feira (05) a quinta temporada de "Black Mirror" na Netflix. Criada por Charlie Brooker, a produção antológica retornou com três episódios que, como sempre, dividiram opiniões e interpretações entre os internautas.

Leia também: Diretor de "Black Mirror" afirma que série não é anti-tecnologia

Cena de
Divulgação
Cena de "Striking Vipers", primeiro episódio da quinta temporada de "Black Mirror"

Com Andrew Scott e Miley Cyrus à frente de duas estórias, provavelmente com intuito de atrair novos públicos, " Black Mirror " completa um novo ciclo sentindo o amargo gosto do fracasso - sensação esta pouco apresentada durante a fase inglesa da série cult.

Leia também: "Black Mirror" vs vida real: em que ponto está a corrida pela utopia tecnológica

Atualmente sob direção americana, a atração abusou dos finais felizes, perdurou o suspense quando não houve necessidade, se escorou na sonoplastia para criar grandes momentos e - provavelmente o pior de tudo - enterrou um dos fatores mais prestigiados pelos fãs: o fator mindblowing, ou seja, quando o episódio chega a um desfecho que não era previsto.

O roteiro, a paleta de cores e a edição, de fato, estão bem costuradas, mas não há muitos atrativos além disso. As imagens geradas por computador e as grandes tecnologias ficaram um tanto de lado nesta temporada, o que no passado era algo mais do que presente. 

O primeiro episódio, que a título de curiosidade é ambientado em solo brasileiro, é o melhor da safra. Contendo boa narrativa, efeitos na medida certa e o cobiçado mindblowing, o espisódio termina deixando a sensação de quero mais, sensação esta que sempre foi primal para a série.

Cena de
Divulgação
Cena de "Striking Vipers", primeiro episódio da quinta temporada de "Black Mirror"

Leia também: Um ranking de todos os episódios de “Black Mirror”

Para desgosto do público, os outros dois episódios de " Black Mirror ", com participação de Andrew Scott e Miley Cyrus , se mostraram os piores do novo ciclo na Netflix . Bem produzidos, eles podem até abordar o lado macabro da tecnologia com a humanidade - que é o foco da produção - mas não cativam e com o passar dos minutos perdem o punch, o que automaticamente os deixa tediosos.