Tamanho do texto

Denisson Rodrigues participou de painel ao lado dos atores Daniel de Oliveira, Fabiula Nascimento e Bianca Comparato para falar do filme, ainda sem data anunciada de estreia, e do seu futuro como série de TV

O cinema nacional tem tomado gosto pelo terror nos últimos anos e uma das produções que deve fazer (ainda mais) barulho no gênero é "Morto Não Fala", destaque de um dos painéis do 2° dia da Comic Con Experience. "É uma nova onda e são vários tipos de terror diferentes, alguns flertando com humor, com drama", observa o diretor Dennison Ramalho.

CCXP 2018 tem painel com elenco e diretor de
Brunno Kono/iG São Paulo
CCXP 2018 tem painel com elenco e diretor de "Morto Não Fala"

Ramalho, fã declarado de terror, chegou a indicar uma lista de filmes como referência para ajudar o elenco, que se revelou gostar tanto do estilo quanto ele. Na CCXP 2018 , Fabiula Nascimento contou que costumava ver "Cemitério Maldito" pela manhã (e já indicando que não gostou da ideia de refilmarem o clássico), enquanto Bianca Comparato afirma que sabe de cor "O Exorcista".

Leia também: Atração da CCXP, Tom Welling relembra cena com Christopher Reeve: "Surreal"

 Já  Daniel de Oliveira , que completa o trio principal do elenco, já não é como suas colegas. "Eu assistia Freddy Krueger, 'Sexta-Feira 13', 'O Exorcista'... Antes eu tinha menos medo. Fiquei mais 'cagão' depois. Filme de terror me dá uma aflição", explica.

Daniel é quem protagoniza a cena preferida de Dennison no longa, classificada pelo diretor como pioneira no cinema: "É a primeira cena do terror mundial envolvendo cerol". Quem estava no painel na CCXP 2018 teve a chance de conferir.

Na CCXP 2018, diretor fala sobre o futuro de "Morto Não Fala"

A princípio, " Morto Não Fala " não era para ser um longa-metragem, mas uma série com 11 episódios. "A Globo avaliou o material e decidimos fazer o filme antes da série", diz Ramalho, que acrescentou ainda que os nomes de Fabiula e Bianca já estavam na cabeça dele e da roteirista Cláudia Jouvin; com Daniel, não foi bem assim.

"O Stênio foi um personagem sem rosto, a gente não conseguia enxergar que idade ele tinha. O trabalho do Daniel de Homem-Lama me lembrou o monstro do pântano, aí comecei a construir Stênio e desconstruir Daniel, ele chegou com várias propostas, aí fechou", diz Denisson.

Leia também: Rodrigo Santoro será o Louco em filme da Turma da Mônica

Sobre o futuro da história após o filme, cuja estreia está sendo estudada para março de 2019, Denisson comenta que isso será alinhado com a Globo em um processo que deve acontecer no início do próximo ano, entre janeiro e fevereiro.

"Morto Não Fala" narra a história de Stênio, plantonista em um necrotério de uma cidade violenta que conversa com os mortos. As coisas começam a desandar quando os que se foram passam a confidenciar coisas sobre a própria vida de Stênio, jogando sobre ele uma maldição.

Fique ligado na cobertura da CCXP 2018 no iG Gente!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.