A ideia de fazer um novo “O Predador” é algo que atormenta Hollywood. Desde o explosivo sucesso do original em 1987, dirigido por John McTiernan e estrelado por Arnold Schwarzenegger, o longa pavimentou uma franquia acidental com filmes lançados em 1990 e 2010, descontados os crossovers “Aliens vs Predador”.

Cena do longa O Predador: Muita ação, muito humor e muita bagunça
Divulgação
Cena do longa O Predador: Muita ação, muito humor e muita bagunça

A FOX chamou Shane Black, diretor dos bacanas “Beijos e Tiros” (2005) e “Dois Caras Legais” (2016) para conduzir a nova empreitada. Mas “O Predador” de 2018, desenhado para ser um blockbuster, peca tanto pelos excessos como pela falta.

Leia também: Bancas de jornal se reinventam para evitar extinção

A trama central é muito mal desenvolvida. O roteiro assinado por Black em parceria com Fred Dekker investe em um humor que nem sempre funciona, bem como em um conflito mal articulado entre diferentes espécies do bichano alienígena.

Você viu?

O elenco inflado, ainda que esteja entrosado, acaba prejudicando a evolução narrativa, uma vez que há pouco espaço para organizar os arranjos de todos os personagens.  Boyd Holbrook, que liderou o elenco de “Narcos” por duas temporadas, até se esforça, mas seu personagem – um militar que após ver o alienígena em ação no México vira bode expiatório – simplesmente não convence. É a senha para o personagem que melhor funciona no longa. O filho do militar, um menino autista que acidentalmente entra na rota de um confronto intergaláctico entre predadores.

Leia também: Redenção das franquias e público feminino marcam lucrativo verão americano 2018

A conta não fecha em "O Predador"

Jacob Tremblay em cena de O Predador: ele é o grande trunfo do filme
Divulgação
Jacob Tremblay em cena de O Predador: ele é o grande trunfo do filme

Vivido por Jacob Tremblay, o menino é o catalisador de um confuso comentário da realização sobre engenharia genética e aceitação. A correção política, aliás, está no DNA do longa. As duas piadas potencial e racialmente controversas saem da boca dos dois personagens negros. A única personagem feminina, a biotecista vivida por Olivia Munn, é durona na queda e não leva desaforo para casa; o autismo é, na verdade, um passo na evolução do homo sapiens; há um casal gay vivendo um momento Romeu e Julieta e uma (ótima) piada tirando sarro do nome da franquia.

Leia também: Viola Davis diz que se arrepende de ter feito "Histórias Cruzadas"

Entre tantos excessos, falta ao filme a tensão e o carisma que sobravam no original. O predador jamais mete medo. Na visão de Shane Black , este é um filme de férias, gigante e para adolescentes – ainda que seja violento e tenha a classificação indicativa para maiores de 18 anos no Brasil. É essa esquizofrenia estrutural, propiciada claramente por uma influência indevida de “Deadpool” (2016), que torna essa produção cara e bombada em algo pouco estimulante.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários