Tamanho do texto

Baseado em mais de 242 séries exibidas em canais abertos, fechados e serviços de streaming, o estudo mostra dados referentes a 2015 e 2016

Um estudo da MENA Arts Advocacy Coalition (MAAC), divulgado pelo site norte-americano Deadline, nesta segunda-feira (10), mostra que 78% dos personagens do Oriente Médio e Norte da África (MENA) que apareceram em séries nos últimos anos foram retratados como terroristas, agentes ou soldados.

Leia também: Renovada para 3ª temporada, "Riverdale" se tornou a nova série teen do momento

Rami Malek é Elliot Alderson na série
Divulgação
Rami Malek é Elliot Alderson na série "Mr. Robot"

Baseado em mais de 242 séries exibidas em canais abertos, fechados e serviços de streaming, o estudo mostra dados de 1º de setembro de 2015 a 31 de agosto de 2016. A pesquisa também aponta que apenas 1% dos personagens das séries de TV norte-americanas são de descendência norte-africana ou árabe, sendo que há mais de 9 milhões de americanos do Oriente Médio e Norte da África nos EUA, o que representa 3,2% da população.

Leia também:Facebook Watch chega ao Brasil com séries originais

A MAAC também afirmou que cerca de 92% das séries analisadas não tem nenhum personagem com descendência árabe ou norte-africanos em seu elenco e que cerca de 67% dos personagens falam com um sotaque forte, mostrando que eles não são americanos.

O estudo ainda aponta a série "Mr. Robot", onde o protagonista Elliot Anderson é interpretado por Rami Malek, que é de descendência egípcia, como uma boa representação.

Responsáveis falam sobre o estudo das séries

Rami Malek, vencedor do Emmy por
Reprodução/LA Times
Rami Malek, vencedor do Emmy por "Mr. Robot", interpretará Freddie Mercury em filme sobre o líder do Queen

Azita Ghanizada, atriz e fundadora do MAAC, explica que “a maioria das pessoas achava que a pressão pela diversidade criaria um aumento nos papéis, mas o contrário aconteceu”. E continuou: “Descobri que os artistas do MENA eram contados como caucasianos e incapazes de preencher diversas cotas de contratação. Este buraco nas práticas de inclusão de Hollywood levou a retratos de muitos artistas do MENA. Se não estivéssemos dispostos a ser marginalizados e a reforçar estereótipos perigosos, nossa capacidade de trabalhar diminuiu drasticamente”.

Leia também: Os crossovers da televisão que fizeram o público ficar sem fôlego

Nancy Wang Yuen, co-autora do estudo, disse que “Hollywood precisa ir além de tiranos e terroristas ao retratar os MENAs”. Ela ainda afirma que há uma grande lacuna na representação desses atores em séries . “Esses estereótipos podem ter efeitos prejudiciais na percepção do público. Personagens MENA mais complexos e relacionáveis podem combater sentimentos e políticas anti-muçulmanos e anti-MENA”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.