Tamanho do texto

Baseado no romance autobiográfico do escritor e aviador francês Romain Gary, longa mostra como ambições de uma mãe podem moldar o destino de um filho e mostra o alto preço dessas circunstâncias para os envolvidos

Versão do romance autobiográfico de Romain Gary, um dos maiores escritores franceses do século XX e vencedor, por duas vezes, do prêmio Goncourt, o mais importante da literatura francesa, "Promessa ao Amanhecer" é um filme quadradão na forma, mas que compensa pela história extraordinária que apresenta.

Leia também: Em busca do amor, Sony estreia segunda temporada da série “(Des)encontros”

Cena do filme Promessa ao Amanhecer, que estreia nesta quinta-feira (26) em dez cidades brasileiras
Divulgação
Cena do filme Promessa ao Amanhecer, que estreia nesta quinta-feira (26) em dez cidades brasileiras

Romain Gary (vivido em diferentes fases da vida pelos atores Pawel Puchalski, Némo Schiffman e Pierre Niney) ama profundamente sua mãe, como geralmente acontece com todos os filhos. Mas "Promessa ao Amanhecer" tem no vértice desse amor entre mãe e filho um inesperado elemento de tristeza e instrospecção.

Nina (Charlotte Gainsbourg) move mundos e fundos para que seu filho seja famoso. E o longa se resolve dramaticamente por acompanhar Gary se desenvolvendo e tentando corresponder a essas expectativas porcerto exacerbadas. 

Leia também: Jarbas Homem de Mello: a carreira, as opiniões e os planos do astro dos musicais

É na arte que Nina espera que seu filho vingue. Depois da música e da pintura serem descartadas, eles focam seus esforços na literatura. Gary, para quem conhece a figura desse polivalente artista francês, não ficou restrito a ela. Ele também foi diplomata, aviador e cineasta. O filme é uma oportuna janela para conhecer esse homem que soube ver os componentes extraordinários em sua jornada e fazer da sua existência uma homenagem a sua mãe.

Charlotte Gainsbourg em cena de Promessa de Amanhecer, que estreia nesta quinta-feira (26)
Divulgação
Charlotte Gainsbourg em cena de Promessa de Amanhecer, que estreia nesta quinta-feira (26)

O filme de  Eric Barbier, no entanto, não é compatível com a memória do artista que se suicidou aos 66 anos. A veia literária por vezes incomoda e o ritmo do filme provoca alguma sonolência. Os atores poderiam estar mais contidos e Barbier não sabe exatamente delimitar o que é excesso e o que é imprescendível na história. São solavancos que arrefecem o impacto emocional de uma história que merece ser apreciada.

Leia também: Pabllo Vittar é inspiração para o primeiro super-herói gay nos quadrinhos

"Promessa ao Amanhecer" estreia nos cinemas nesta quinta-feira (26) em dez capitais brasileiras: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.