Tamanho do texto

Canal aumenta carga na produção original com vistas à experiência multi-tela e já colhe resultados positivos. "Estratégia é de buscar parcerias de conteúdo não apenas para a TV”, diz gerente de marketing do canal

De lançamentos on demand à parcerias com produtoras brasileiras, o canal GNT vem inovando na produção audiovisual da televisão no país. Não é à toa, portanto que produtoras renomadas como H2o Films, Zola e Bossa Nova Films fazem parte do leque de parcerios do canal. Entretanto, a postura do GNT se apresenta de forma inovadora: não há preocupação apenas com a programação, mas também com a forma com que o seu conteúdo é apresentando, apostando em uma nova maneira de se relacionar com o telespectador.

Divulgação/GNT/Juliana Coutinho
"Lúcia McCartney" foi dirigida pelo próprio filho do autor, José Henrique Fonseca


Leia mais:  Pedro Bial estreia programa destinado às mulheres na TV paga

“Somos um canal focado na mulher brasileira. Buscamos conteúdos que interessem e sejam relevantes para o nosso público e esta é a base do nosso mix de programação. As mulheres vêm se transformando de forma significativa ao longo do tempo e o GNT , de alguma forma, reflete estas mudanças no seu conteúdo”, afirmou Mariana Novaes , gerente de marketing do canal em entrevista concedida ao iG. “A recepção do público – seja através de medição de audiência, interação nas redes sociais ou resultados publicitários – tem sido positiva”, completou.

A produção nacional é a essência do canal, que aposta na qualidade das produções brasileiras e, atualmente trabalha com a Bossa Nova Films para uma nova série,“Edifício Paraíso”, cuja estreia está prevista para junho de 2017. “Usamos esse modelo de trabalho para todos os temas tratados, acreditando na relação profissional e frutífera entre canal e mercado independente. As alianças estão cada vez mais fortes e diferentes ainda mais com a nossa estratégia de buscar parcerias de conteúdo não apenas para a TV”, afirmou Mariana.

Leia mais:  Rubem Fonseca inspira série com a produção "Lúcia McCartney" do GNT

Juliana Coutinho
"Lúcia McCartney" é baseada no livro homônimo de Rubem Fonseca

A forma de exibição destas novas séries também fazem parte do planejamento do GNT. Acompanhando as mudanças da tecnologia e transmitindo ao telespectador uma nova maneira de se relacionar com o conteúdo audiovisual, como foi o caso de “Lúcia McCartney”, exibido de forma on demand no GNT Play. As redes sociais já anunciavam o futuro do casal protagonista vivido por Antonia Morais e Edu Moscovis antes mesmo das cenas serem exibidas na televisão. Isso ocorreu porque todos os episódios foram disponibilizados na íntegra no serviço on demand do canal de maneira independente à transmissão oficial.

“A ampliação do consumo através de diferentes telas, na hora e local que o público determina, impulsiona um conteúdo cada vez mais dinâmico e necessariamente antenado com as novas tecnologias”, afirmou a gerente. Apesar de ser um novo formato, a audiência através dessa plataforma pode ser medida – e apresentam números significativo para o canal, conquistando 13% do consumo do serviço.

Leia mais:  Fernanda Rodrigues volta às novelas e ganha programa no GNT

Outras iniciativas inovadoras também fazem parte do canal, como é o caso do projeto recém-lançado “Ceia Secreta” que pode ser definida como um programa multimídia. “Subimos no nosso canal Receitas GNT no YouTube cinco episódios, de uma vez, com os chefs Bela Gil, Raiza Costa, Andre Mifano e Rodrigo Hilbert. O projeto começa na web e termina na TV, com um especial reunindo essas feras da culinária em um encontro comemorativo. O 'Ceia Secreta' inclui ainda envio de receitas e conteúdo por WhatsApp”, revelou Mariana.

A preocupação com a inovação, entretanto, não limita os roteiros que surgem dentro do canal. O conteúdo de muitas das séries que estão entrando no ar são frutos de projetos que buscam fazer releituras audiovisuais de livros brasileiros prestigiados. Apesar de não ser um critério do canal, a coincidência é oportunidade, como afirma Mariana: "Buscamos diversidade de temas levando em conta, acima de tudo, a relevância da temática e a qualidade de conteúdo. Produtos que atendam aos interesses da mulher brasileira considerando diferentes assuntos”.

Leia mais:  Betty Faria revela sofrer de doença incurável e admite fumar maconha: "Eu gosto"

O futuro do canal

Juliana Coutinho
"Questão em Família" ganha uma nova temporada em 2017


Novas séries estão surgindo e outras entrando em novas temporadas, demonstrando o sucesso do GNT ao emplacar estes projetos independentes e multimídia. Para o ano que vem, o canal já projeta mais novidades, como uma nova temporada de “De Perto Ninguém é Normal” e outras séries originais. “No primeiro semestre de 2017, o GNT estreia as terceiras temporadas de ‘Os Homens São de Marte... E é pra lá que eu vou’, com a atriz e apresentadora Mônica Martelli, e ‘Questão de Família’, protagonizada por Eduardo Moscovis. Em junho, lançamos uma série inédita, chamada ‘Edifício Paraíso’. A série é fruto de uma parceria entre o canal, a TV Globo e a produtora independente Bossa Nova Films”, contou Mariana.

Leia mais:  Emmy não inventa e consagra "Game of Thrones" como maior drama da história

Próximo lançamento: “Edifício Paraíso”

A nova aposta do canal é uma série que retrata a complexidade dos relacionamentos e das relações sociais em um único lugar: o Edifício Paraíso. Serão cinco casais, cada um em seu apartamento, com discussões acaloradas madrugada adentro. “Queríamos mostrar as semelhanças e diferenças entre casais que enfrentam uma mesma situação: uma daquelas brigas intermináveis, que todo casal tem, mais cedo ou mais tarde. Para dramatizar essas semelhanças e diferenças, escolhemos colocar os cinco casais morando num mesmo prédio e as cinco brigas acontecendo numa mesma noite”, contou Fernanda Young, que co-escreveu o projeto com seu marido Alexandre Machado.

O par mãe e filha da novela da Globo “Haja Coração”, Marisa Orth e Chandelly Braz, reaparece na série como um casal lésbico. “Elas são ótimas atrizes e as personagens são completamente diferentes das da novela. Casais homoafetivos são parte da nossa realidade e justamente queremos mostrar que não há tanta diferença assim entre um casal hétero e um casal gay”, afirmou Fernanda. 

Leia mais:  Criticada por ser diferente, "3%" investe na alegoria política com propriedade

A série, entretanto, ainda não tem um futuro definido quanto à transmissão. O canal GNT ainda não decidu se seguirá os passos de “Lúcia McCartney” e disponibilizar os 15 episódios que comporão a série no GNT Play ou se eles serão exibidos em primeira mão na televisão. Entretanto, como afirmou Fernanda, podemos esperar “um espelho para nos identificar, e rir ou chorar de nós mesmos”, para os próximos meses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas