Tamanho do texto

Depois de projeção nacional com álbum de estreia, banda paulistana planeja lançamento do disco "Bixa"; grupo faz show SIM São Paulo neste sábado (9)

O ano de 2016 pode não ter sido o melhor de todos para muita gente, mas os músicos de As Bahias e a Cozinha Mineira não têm motivo para reclamar: neste ano, a banda bombou com o seu primeiro álbum e ganhou projeção nacional, algo que eles dificilmente imaginavam que aconteceria tão rápido.

Leia mais: Bandas de todo o mundo tentam conquistar fãs e empresários na SIM São Paulo

As Bahias e a Cozinha Mineira toca na SIM São Paulo neste sábado (10); banda lança álbum
Divulgação
As Bahias e a Cozinha Mineira toca na SIM São Paulo neste sábado (10); banda lança álbum "Bixa" em agosto

"Foi uma loucura, uma trajetória de um ano que teve de tudo", confessou ao iG Rafael Acerbi , guitarrista e violinista de As Bahias e a Cozinha Mineira . "Foi incrível chegar aos palcos onde Gal [Costa] tocou, onde Elza [Soares] tocou", contou o músico.

Com o disco "Mulher", a banda paulistana chamou atenção com músicas como  Apologia às Virgens MãesUma Canção pra Você – além do estilo das vocalistas Raquel Virgínia e Assucena Assucena.

Leia mais: Estudo mostra impacto da crise econômica no mercado de shows em 2016

A ascensão da banda veio em um momento que nomes como Liniker e Rico Dalasam começaram a fazer sucesso na cena brasileira pregando a igualdade de gênero, o combate à homofobia e o 'lacre'. "Foi uma cena maravilhosa, nada foi ensaiado, foi tudo espontâneo", explicou Acerbi.

O sucesso de As Bahias impressiona porque é totalmente orgânico. "Não somos um sucesso da internet, mas somos sucesso de crítica", disse. "Nosso álbum foi muito bem apreciado pela crítica, que levou em conta qualidade e o discurso, trazendo o protagonismo de mulheres trans, algo que a sociedade não está acostumada a ver nesses espaços", falou o músico sobre as vocalistas.

Crise de valores

Com um discurso bem firme, o grupo faz dos shows uma verdadeira militância. Apesar de encantar e incendiar o público, isso tem afastado contratantes. "Perdemos cerca de 10 shows no Rio de Janeiro por sermos uma banda com histórico de puxar o 'Fora Temer' nos shows", contou Acerbi. "A gente está vivendo um momento de crise de valores", disse sobre o atual momento do País.

Entretanto, isso não impede o crescimento da banda. "Estamos sendo muito criativos. Ao passo que uma porta se fecha, a gente se une para abrir outra", explicou Acerbi. "Estamos criando vínculos de parceria", continou.

Leia mais: Estrela emergente, Allie X fala sobre fãs brasileiros: "Não sei por que me amam"

O guitarrista ainda falou sobre o que espera da próxima administração de São Paulo, que ficará sob o comando de João Dória (PSDB) a partir de janeiro do próximo ano. "Não sei o que esperar do Dória", confessou. "Na cultura e nos direitos humanos, as coisas mudaram de verdade com o [Fernando] Haddad", lembrou.

Novo álbum

Para o ano que vem, os planos d'As Bahias são ambiciosos. O segundo álbum da banda paulistana já está indo para o forno:  Bixa tem previsão de lançamento para agosto de 2017. "Vamos circular com o show 'Etc e Tal' até o meio do ano e aí vamos lançar o disco novo", explicou Rafael Acerbi.

Neste sábado (10), As Bahias e a Cozinha Mineira apresenta o show "Etc e Tal" no último showcase da SIM São Paulo, no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000 - Paraíso).

    Leia tudo sobre: músicas
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas