Tamanho do texto

Um dos maiores DJs do mundo, holandês se apresenta em São Paulo nesta sexta-feira (9) e fala sobre crescimento da música eletrônica: "Deixou de ser uma coisa específica de um grupo e migrou para outros espaços da música"

Eleito cinco vezes o melhor DJ do mundo pela  DJ Magazine , Armin Van Buuren volta ao Brasil e se apresenta nesta sexta-feira (9) em São Paulo. Em entrevista ao iG , o holandês comemorou mais uma passagem pelo País e exaltou o crescimento da cena eletrônica aqui e no exterior.

Leia mais: Estrela emergente, Allie X fala sobre fãs brasileiros: "Não sei por que me amam"

O DJ holandês Armin Van Buuren faz show no Anhembi, em São Paulo, nesta sexta-feira (9)
Divulgação
O DJ holandês Armin Van Buuren faz show no Anhembi, em São Paulo, nesta sexta-feira (9)

"A música eletrônica deixou de ser uma coisa específica de um grupo e migrou para outros espaços da música", disse Armin Van Buuren sobre a recente invasão de DJs aos palcos principais de festivais como o Coachella, nos Estados Unidos, e o Glastonbury, na Inglaterra.

No Brasil, isso não é diferente. Apesar de admitir que não consegue acompanhar a cena eletrônica em todo o mundo, o DJ diz que gosta do que vê no País. "Conheço alguns brasileiros que fazem um trabalho muito bom", disse. "Eu amo o Brasil, amo a música brasileira."

Leia a entrevista com Armin Van Buuren:

iG: Como foi o ano de 2016 para a música eletrônica?
Armin Van Buuren: Eu acho que foi muito bom! Tivemos festivais bastante significativos.

iG: Como você vê a expansão da música eletrônica para os festivais historicamente voltados ao rock e ao pop?
AVB: A música eletrônica deixou de ser uma coisa específica de um grupo e migrou para outros espaços da música. Isso está acontecendo há algum tempo e por isso novas coisas estão surgindo, novos festivais, exatamente porque o público é diversificado.

Leia mais:  Estudo mostra impacto da crise econômica no mercado de shows em 2016

iG: O que você acha da cena brasileira de música eletrônica?
AVB: Apesar de tentar, é difícil acompanhar a música eletrônica no mundo todo. Mas eu conheço alguns brasileiros que fazem um trabalho muito bom. Não quero citar nomes para não ser injusto com os outros. Eu acho que tem muitos DJs e produtores por aí que têm algo para oferecer ao mundo da música e eu adoraria ouvir o que eles fazem e dividir minha paixão por música com eles.

iG: Qual é sua opinião sobre o público brasileiro?
AVB: Eu amo o Brasil e a música brasileira. Adoro tocar no Brasil. A energia das pessoas é muito boa. Eu toquei aqui no Tomorrowland e fui muito bem recebido. Eu sinto que as pessoas gostam da minha música. Eu lembro que em uma das minhas apresentações, há uns 10 anos, tinha uma fila enorme de gente para me assistir. Minha relação com os fãs brasileiros é muito boa e sou muito grato por isso. Eu não poderia não apresentar essa turnê a eles.

Leia mais: Beyoncé e Adele lideram indicações ao Grammy 2017

iG: Quais são seus planos para 2017?
AVB: Vou trabalhar no álbum  Gaia , em muitas músicas novas, e o 1000º episódio de "A State of Trance" [programa de rádio apresentado pelo DJ] vem aí.

Armin Van Buuren mostra a turnê " Armin Only Embrance " em São Paulo nesta sexta-feira (9), no Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1209 - Santana). Os ingressos custam entre R$ 290 e R$ 490 .

    Leia tudo sobre: músicas

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.