Tamanho do texto

Mais de 50 artistas passarão pela SIM São Paulo, que acontece até este domingo (11): "É a vitrine ideal para que artistas e produtores tenham o contato mais direto possível", diz pernambucano Tagore

Mais de 50 bandas vão passar pelos palcos da SIM São Paulo , que acontece na capital paulista até este domingo (11). Entre nomes consagrados e outros que buscam crescer, os artistas usarão o festival para se conectar ao público e a membros da indústria da música.

Leia mais: SIM São Paulo movimenta o mercado da música e se expande para a periferia

O rapper Rodrigo Ogi, uma das atrações da SIM São Paulo, comanda a noite SIM Transforma nesta quinta-feira (8)
Divulgação
O rapper Rodrigo Ogi, uma das atrações da SIM São Paulo, comanda a noite SIM Transforma nesta quinta-feira (8)

"É a vitrine ideal para que artistas e produtores tenham o contato mais direto possível", contou o pernambucano Tagore em entrevista ao iG . O músico é uma das atrações da SIM, com dois shows no festival. 

Público especial

O cantor acredita que tocar para membros da indústria é igual a fazer um show apenas para fãs. "Na minha concepção de arte, acredito que o artista deve se doar por completo em sua 'performance', seja pra um público de 3 cachorros ou 300 pessoas importantes da indústria", disse. "A dificuldade vem de tentar não ceder à pressão que surge naturalmente numa situação dessas, em que você sabe que cada um ali tem uma percepção muito aguçada", confessou.

Outra atração do evento, o rapper Rodrigo Ogi vê com bons olhos a chance de poder tocar para pessoas que não conhecem seu trabalho. "É isso o que me motiva", garantiu. Mas ele admite que a sensação é diferente. "Apresentar-se pro seu publico é confortável, as pessoas já acompanham seu trabalho, cantam as músicas junto", disse.

Leia mais: Festival Avalanche une bandas brasileiras e mostra que o rock vai muito bem

O cantor é a atração principal da noite SIM Transforma , que acontece na Vila Madalena nesta quinta-feira (8) e terá artistas da periferia de São Paulo. Para ele, essa exposição de artistas é muito benéfica. "[O festival] possibilita que artistas menores consigam expor seu trabalho e assim negociar parcerias", explicou.

O pernambucano Tagore também é atração do SIM São Paulo e faz dois shows no festival paulistano
Divulgação
O pernambucano Tagore também é atração do SIM São Paulo e faz dois shows no festival paulistano

Natural de São Paulo, Ogi terá a chance de conviver no festival com artistas de todo o mundo, como o pernambucano Tagore a banda canadense Chocolat , que vem pela primeira vez ao Brasil. "Saber o que está acontecendo em outros lugares do mundo é fundamental. Isso nos inspira, é divertido, e nos mostra o caminho para o futuro", explicou o tecladista  Christophe Lamarche Ledoux ao iG .

Chance de ouro

A banda vê o evento como uma oportunidade de impressionar grandes players da indústria. "É difícil para um artista internacional tentar apelar para seu potencial público em um território onde as pessoas mal o conhecem", disse Christophe. "Jornalistas, selos, programadores de festivais e agentes têm o poder de te conectar ao público", explicou o músico.

Leia mais: Beyoncé e Adele lideram indicações ao Grammy 2017

Ele espera que o show na conferência seja bem diferente daqueles que o Chocolat está acostumado a fazer. "O público não está lá para pular e cantar, o pessoal está trabalhando. Vai ser diferente", antecipou.

Tanto para os brasileiros quanto para os gringos, o consenso é que a SIM é um evento importante para a música no País. "Abre oportunidade para os estrangeiros conhecerem o público brasileiro e para os profissionais brasileiros verem artistas de fora", explicou Christophe.

A banda canadense Chocolat faz sua primeira passagem pelo Brasil durante a SIM São Paulo
Divulgação
A banda canadense Chocolat faz sua primeira passagem pelo Brasil durante a SIM São Paulo

Para Tagore, a aproximação entre artistas e indústria é o ponto forte do evento. "Sua relevância vem da aproximação proporcionada entre artistas e figuras do business musical, articuladores de festivais por todo o globo", disse. O cantor vê com otimismo esse formato de festival. "Em feiras e festivais como o Bananada, DoSol, Coquetel Molotov, Porto Musical, entre outros, tem-se debatido muitos aspectos da produção atual. São ações articuladas por figuras visionárias, que estão sempre conectadas com o exterior e investigando o cenário a fim de melhorá-lo."

A SIM São Paulo acontece entre os dias 7 e 11 de dezembro em toda a capital paulista. A credencial para o festival, que dá acesso a todos eventos e espaços, custa R$ 350. A programação completa está disponível no site oficial do evento .

    Leia tudo sobre: músicas
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas