Tamanho do texto

Paul W.S. Anderson e Milla Jovovich falaram para plateia ensandecida na CCXP 2016. Atriz disse se orgulhar de “representar mulher que não depende da beleza”

Um dos grandes eventos da CCXP 2016, o painel da Sony foi o primeiro desta edição a apresentar conteúdo realmente exclusivo no Brasil . Além da presença da atriz e modelo ucraniana Milla Jovovich, protagonista da franquia “Resident Evil”, e de seu marido, Paul W.S. Anderson, diretor dos filmes, o painel apresentou conteúdo exclusivo dos filmes “Passageiros”, “Trainspotting 2”, “Smurfs”, “Vida”, “Jumanji” e do aguardadíssimo “Homem-Aranha: De volta ao lar”.

Leia mais:  “Quero que Cersei sofra”, diz atriz de “Game of Thrones”

Milla Jonovich e Paul W. S. Anderson foram destaques no painel da Sony sobre
Divulgação
Milla Jonovich e Paul W. S. Anderson foram destaques no painel da Sony sobre "Resident Evil" no segundia dia da CCXP


Extremamente simpática e distribuindo beijinhos e sorrisos, Milla Jovovich fez a alegria dos inúmeros fãs que lotaram o auditório Cinemark na Comic Com paulistana. “A evolução de Alice se confunde com a minha”, disse a ucraniana para delírio de centenas de garotas que se vestiam como sua personagem em “ Resident Evil ” na plateia.

Leia mais:  Trio brasileiro que revolucionou Aquaman na HQ avisa: "O filme vai surpreender"

“A ideia era fazer este sexto filme antes, mas alguém engravidou a protagonista e tivemos que esperar”, brincou Anderson levando o auditório às gargalhadas a respeito do hiato de quatro anos entre o quinto e o sexto filme. “Mas esse tempo foi bom porque entregamos o melhor filme da franquia”, garantiu.

Vanguarda

Painel da Sony sobre
Reinaldo Glioche
Painel da Sony sobre "Resident Evil" foi um dos mais concorridos do segundo dia da CCXP

O clipe exibido do filme exibido mostra Alice encurralada por agentes da Umbrella e revidando no melhor estilo da personagem . “Eu fico feliz de representar uma mulher linda, mas que não depende de sua beleza”, observou Jovovich . Para ela, a franquia está na vanguarda na representação de mulheres heroínas no cinema e, até mesmo, de zumbis. “Quando o primeiro filme veio, as pessoas não viam zumbis na cultura pop há 20 anos. Agora eles estão em todo o lugar”.

Sobre a representação hipersexualizada das mulheres nos games, a atriz não vê grande polêmica. “É tudo muito cartunesco. Os homens também são caracterizados de maneira exagerada. Cheio de músculos, enormes e ameaçadores”. A atriz e o marido reconheceram a importância de “Resident Evil”, que os aproximou profissionalmente e amorosamente, em suas vidas. “É o tópico de nosso café da manhã”, falou com cara de séria a ucraniana.

Leia mais:  CCXP: Estande da Fox terá simulador de "Assassin´s Creed" e novidades de "Logan"

A atriz Milla Jovovich e o diretor Paul W.S. Anderson no painel da Sony
Daniel daek
A atriz Milla Jovovich e o diretor Paul W.S. Anderson no painel da Sony

Para Anderson, o sexto filme representa mesmo o fim de uma jornada. “A ideia quando fizemos o quarto filme sempre foi de uma nova trilogia em 3D. Eu sei que Hollywood se recusa a largar uma teta, mas não há planos de fazer um reboot”. O diretor disse ainda que este é o filme mais assustador que já fez e que o público finalmente vai saber a verdade sobre Alice. “Ela perdeu a memória no Resident Evil original e jamais recobrou.  Agora é a hora da verdade”

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.