Tamanho do texto

Com apenas três anos de existência, a CCXP não faz feio: dados de crescimento do evento são surpreendentes; veja o que mudou nesse tempo

Em San Diego, nos Estados Unidos, surgiu na década de 1970 um dos primeiros eventos voltado para o público geek e, desde então, o segmento não parou de crescer. Na sua última explosão do tema surgiu no Brasil em 2013 a Comic Con Experience, mais conhecida como CCXP, evento que, mesmo que não tenha nenhuma relação com o original, imitou seus moldes e trouxe a experiência da cultura pop nacional para um novo patamar.

Leia mais:  Guia de sobrevivência: cinco dicas para não passar perrengue na CCXP 2016

Público da terceira edição da CCXP deve ultrapassar a marca dos 180 mil, superando os números de San Diego
Divulgação
Público da terceira edição da CCXP deve ultrapassar a marca dos 180 mil, superando os números de San Diego

Foram anos de estudos e preparação até que o evento pudesse sair do papel. “Tomamos a decisão de criar a CCXP com base nas informações que tínhamos de mercado, sabíamos que havia uma demanda de um evento desse porte no país” falou Ivan Costa , um dos sócios responsáveis por dar vida a um dos maiores eventos da américa latina . “Logo na primeira edição entre o anúncio do evento e a realização mesmo ele dobrou de tamanho” comentou Ivan.

Gigante nos números

A CCXP conta com segmentações que promovem atrações exclusivas para nichos como cosplayers
Divulgação
A CCXP conta com segmentações que promovem atrações exclusivas para nichos como cosplayers

Em 2014, a CCXP ocupou 39 mil metros quadrados da  São Paulo Expo , pavilhão que recebe anualmente o evento em dezembro. Esse ano serão 115 mil metros quadrados, o que representa um aumento de 194% desde sua primeira edição, superando, assim, a área total da San Diego Comic Con , precursora desse tipo de evento. O público também superou as expectativas ao longo dos anos: foram “apenas” 97 mil pessoas no seu ano de estreia e estima-se um número entre 180 e 200 mil pessoas este ano, ultrapassando, também, sua versão internacional. Ou seja, houve um crescimento de quase 100% no período de vida do evento.

A Comic Con Experience também realiza diversos eventos internos: esse ano ela vai abrigar a Minicon, voltada exclusivamente para crianças, a Anime Experience, para contemplar o público aficionado pela cultura oriental, a área Creators, desenvolvida especialmente para Youtubers , a CCXP Music Stage, que, como o nome já deixa claro, oferecerá atrações musicais. Além disso, há também o Artists Alley, onde tudo começou na década de 1970 em San Diego. A CCXP irá contar com 462 artistas, com destaque para Bill Sienkiewicz, Simon Bisley e Alan Davis.

E não é apenas o público que impressiona: a CCXP trouxe por volta de R$ 20 milhões de retorno para os expositores e lojistas que participaram. “A nossa área comercial contata os expositores para ter um indicador se as vendas deram certo e se o retorno foi positivo para eles, um “tracking” para saber como as coisas foram para eles. Nós ficamos muito felizes de ver como ano a ano as coisas só melhoram” comenta Ivan Costa.

Leia mais:  Adam Nimoy, filho de Leonard Nimoy, vai apresentar filme sobre Dr. Spock na CCXP

E quantas pessoas são necessárias para realizar tudo isso? Em 2014 foram necessários 400 membros da organização, mas, esse ano, a CCXP terá nada menos do que a maior staff de um evento interno do País – serão 1100 pessoas trabalhando para que tudo funcione perfeitamente.

Do Brasil para o mundo

A Netflix não participa da San Diego Comic Con, mas é presença confirmada nos estandes da CCXP
Divulgação
A Netflix não participa da San Diego Comic Con, mas é presença confirmada nos estandes da CCXP

O crescimento do evento não foi apenas interno – no decorrer dessas três edições a CCXP se consolidou no cenário da cultura pop, firmando seu nome no roteiro internacional de acontecimentos do setor. Isso, por um lado, amplificou a repercussão mundial do evento e, por outro, facilitou o acesso à artistas e outros convidados internacionais. Para o sócio do evento, esse movimento é natural devido à diversidade e relevância do que oferecem no um âmbito maior. “Na medida em que vamos crescendo e tendo mais atrações internacionais isso chega a mais veículos estrangeiros. Temos muitas áreas exclusivas, por exemplo, painéis de filmes onde são feitas muitas revelações em primeira mão. Temos o conteúdo novo que eles precisam. Fazemos, também, coletivas de imprensa com artistas e os veículos vem para cá para cobrir isso”, disse.

E não é só a imprensa que passou a dar mais atenção ao evento: segundo Ivan Costa, a CCXP acaba sendo assunto entre as estrelas internacionais que participam. “Os convidados mesmo que já vieram para a CCXP ajudam a divulgar o evento, eles fazem parte de uma comunidade e falam disso por lá. O nosso feedback melhora bastante com isso, os artistas sempre falam muito bem de nós, a notícia corre”.

Novo mercado

Cultura pop nunca teve a atenção que merecia, mas, nos últimos anos, esse tipo de mercado deu um salto e somente agora está sendo tratado com mais seriedade – mas, ainda assim, não é um nicho muito bem desenvolvido. Os números não mentem – a CCXP gerou R$ 20 milhões para os expositores, e esse dado é levado muito à sério pela organização do evento, por isso foi criada a CCXP Unlock, um congresso voltado exclusivamente para profissionais nacionais e internacionais discutirem as tendências desse segmento. “[Os profissionais] vem falar de aspectos do cenário da cultura pop, investimentos, tendências e novidades do setor”, explica Ivan. Nada mais lógico do que um dos principais eventos do ramo disponibilize essa oportunidade para os interessados na área.

Leia mais:  Neil Patrick Harris virá ao Brasil em dezembro

Equipe de sócios da CCXP: eles acreditaram nos dados e apostaram nas tendências do mercado de cultura pop
Divulgação
Equipe de sócios da CCXP: eles acreditaram nos dados e apostaram nas tendências do mercado de cultura pop

Não é à toa que a CCXP irá reunir mais de 180 mil pessoas no pavilhão do São Paulo Expo: esse ano o evento contará com 180 marcas envolvidas de alguma forma com as atrações – das quais 140 possuem estandes – sendo que em 2014 eram somente 72 estandes – que, somados, superam a marca de 90 mil metros quadrados de instalações.

O público também é um reflexo desse mercado emergente. A CCXP oferece o pacote “Full Experience” que custa seis mil reais e dá direito a todas as áreas da feira, conteúdos exclusivos e todos os privilégios que um visitante pode querer – a venda desse tipo de passe cresceu 700% nos três anos de evento. Quando questionado sobre o aumento nas vendas desse ingresso, Ivan Costa disse “o fã de cultura pop é muito dedicado. Ele quer cada vez mais vantagens e percebe a natureza desse tipo de evento. As pessoas percebem o valor que essas coisas tem e vão se organizando ao longo do ano para adquirir o ingresso, é um investimento para eles”.

Quem vem para cá?

É inegável que um dos maiores atrativos da CCXP são os artistas internacionais – sobretudo atores e quadrinistas – que participam de painéis, sessões de meet and greet, debates e outras atrações – e esse hall aumenta mais a cada ano. Os principais nomes dessa edição serão o consagrado Frank Miller , mais conhecido por seus trabalhos nas HQs de “Batman”, os atores Neil Patrick Harris , da série “How I Met Your Mother”, Natalie Dormer, de “Game of Thrones”, Evanna Lynch , do elenco de “Harry Potter”, dentre muitos outros – até agora são 82 personalidades de diversas áreas confirmadas.

Afinal, o que é a CCXP?

Com ingressos esgotados para um dos dias, CCXP espera ter público recorde na edição deste ano
Divulgação
Com ingressos esgotados para um dos dias, CCXP espera ter público recorde na edição deste ano

Seguindo a linha de eventos que teve início em 1968 na Inglaterra, seguida pela criação da San Diego Comic Con na década de 1970, a CCXP é um evento totalmente voltado para os amantes de cultura pop, geeks, cosplayers – pessoas que se vestem como personagens de ficção – e qualquer pessoa que possa se interessar por esse universo. Ivan Costa – um dos idealizadores do projeto – tentou definir o evento: “Acho que a CCXP é um modelo bastante diferente das Comic Cons tradicionais. A CCXP é uma mistura de Comic Com com Tomorrowland e Lollapalooza, é um evento de experiência. Os estandes vão além da presença dos atores, é algo que faz parte do DNA do evento. As experiências fazem com que o evento se torne um grande parque”.

Até agora, com apenas três edições, a CCXP tem sido um enorme sucesso de público – batendo os números de suas antecessoras – e, a cada ano, a organização procura contemplar mais assuntos e áreas para atrair todos os gêneros dessa cultura para dentro do evento.

Informações

A CCXP acontece entre nos dias 1 a 4 de dezembro na São Paulo Expo e é possível adquirir ingressos na bilheteria do local, exceto para sábado.