Tamanho do texto

"A CCXP é uma mistura de Comic-Con com Tomorrowland e Lollapalooza, é um evento de experiência", observa Ivan Costa em papo exclusivo com o iG

A CCXP chega a sua terceira edição batendo as expectativas do mercado e se consolidando como o maior evento de cultura pop do Brasil e um dos mais relevantes no cenário internacional. O Portal IG conversou com Ivan Costa, um dos sócios do evento, sobre como foi trazer a feira para o nível e o tamanho que ela ostenta hoje, quais as expectativas para as próximas edições e sobre como acontecem as coisas nos bastidores. 

Leia mais:  Guia de sobrevivência: cinco dicas para não passar perrengue na CCXP 2016

Confira a entrevista com Ivan Costa , uma das mentes por trás da CCXP :

Ivan Costa é um dos sócios e fundadores da CCXP, um dos maiores eventos de cultura pop de todo o circuito mundial
Divulgação/Arthur Fuiji
Ivan Costa é um dos sócios e fundadores da CCXP, um dos maiores eventos de cultura pop de todo o circuito mundial


IG : Como vocês enxergam o crescimento da CCXP? Vocês acreditam que o Brasil é um local com porte para encarar um evento dessa magnitude?

Ivan : A gente tomou a decisão de criar a Comic Con com base nas informações que tínhamos de mercado. Sabíamos que havia uma demanda de um evento desse porte no País. Mas nós também fomos surpreendidos positivamente com os resultados. Logo na primeira edição entre o anúncio do evento e a realização mesmo ele dobrou de tamanho. De lá para cá o evento continua a crescer e a gente optou por ir para o São Paulo Expo porque o pavilhão estava passando por uma renovação que ia nos atender ao longo dos anos. Estamos todos muito contentes com os resultados.

Leia mais:  Adam Nimoy, filho de Leonard Nimoy, vai apresentar filme sobre Dr. Spock na CCXP

IG:  Vocês veem a possibilidade de a CCXP ser maior do que outras edições da Comic Con, como, por exemplo, a de San Diego?

Ivan : A CCXP já superou San Diego em alguns aspectos: a área do pavilhão que ocupamos é bem maior do que a de lá, o padrão dos estandes do evento também é bem mais imponente, San Diego, por exemplo, nunca teve um estande da Netflix. Outro ponto é que devemos ter mais público que San Diego e Nova York; devemos chegar à uma faixa de 180 mil pessoas esse ano. O Artists Alley – a área mais tradicional da Comic Con – vai contar com 462 artistas, enquanto San Diego tem apenas 210. Também temos cada vez mais convidados especiais.

IG : Já que falou nos artistas: como a negociação com eles mudou ao longo dos anos, dado o aumento da relevância da CCXP em diversos aspectos?

Ivan : Bem, o número de convidados que vem a convite de estúdios e expositores aumentou. Agora fazemos parte do circuito internacional de cinema, por exemplo. Acabamos tendo algumas facilidades sim com o tamanho do evento, a cobertura internacional é cada vez maior, os convidados mesmo que já vieram para a CCXP ajudam a divulgar o evento, eles fazem parte de uma comunidade e falam disso por lá. O nosso feedback melhora bastante com isso, os artistas sempre falam muito bem de nós, a notícia corre.

Ivan Costa foi um dos responsáveis por apostar no crescimento da cultura pop e criar a CCXP
Divulgação/Arthur Fuiji
Ivan Costa foi um dos responsáveis por apostar no crescimento da cultura pop e criar a CCXP

IG : E como a mídia internacional trata o evento?

Ivan : Na medida em que vamos crescendo e tendo mais atrações internacionais isso chega a mais veículos estrangeiros. Temos muitas áreas exclusivas, por exemplo, painéis de filmes onde são feitas muitas revelações em primeira mão. Temos o conteúdo novo que eles precisam. Fazemos, também, coletivas de imprensa com artistas e os veículos vem para cá para cobrir isso.

IG : Como são feitas as negociações da CCXP?

Ivan : Essas negociações tem vários níveis, mas principalmente estrutural e operacional. Os expositores, por exemplo, muitos já estão dentro do evento, conhecem nossa dinâmica e renovam a participação ano a ano. Já com convidados passamos o ano inteiro em contato com possíveis nomes para realizar essas negociações.

IG : Você pode falar mais sobre o que é a CCXP Unlock?

Ivan : É um congresso de negócios e empreendedorismo, que acontece nos dias 30 e 1º. São realizadas uma série de palestras e painéis com profissionais brasileiros e estrangeiros que vem falar de aspectos do cenário da cultura pop, investimentos, tendências e novidades do setor. Também proporcionamos um tour pelos bastidores do evento antes de ser aberto ao público com representantes e profissionais nos estandes, falando sobre as estratégias de mercado.

Leia mais:  Neil Patrick Harris virá ao Brasil em dezembro

IG : Falando em negócios: qual a importância da CCXP para os expositores?

Ivan : A nossa área comercial contata os expositores para ter um indicador se as vendas deram certo e se o retorno foi positivo para eles, um “tracking” para saber como as coisas foram para eles. Nós ficamos muito felizes de ver como ano a ano as coisas só melhoram, tanto para o público quanto para o comercial. Muitas marcas aproveitam essa oportunidade para lançarem produtos novos ou exclusivos do evento.

IG : Quais são as tendências para o mercado de cultura pop vocês anteveem?

Ivan : São de crescimento e, para a CCXP, o mercado está crescendo ainda mais. Dentro do evento nós adotamos algumas iniciativas para procurar nos diferenciar de outros eventos, como, por exemplo, trabalhar apenas com produtos originais e de qualidade, temos peças exclusivas que só são vendidas lá dentro.

IG : Sobre o público: vocês recebem muitas visitas de outros estados do Brasil? E de outros países?

Ivan : Sim, muitas. Nós, inclusive, criamos um canal exclusivo para atender interessados de outros países. Recebemos muitos contatos. Não tem nenhum outro evento do gênero com esse porte na região. Temos um grande contingente de latino americanos e esse número tem aumentado expressivamente. A demanda de outros estados também é grande: nós já anunciamos a CCXP Tour que será no Nordeste, em Recife, que vai acontecer em abril do ano que vem. Vai ser nosso primeiro evento fora de São Paulo, mas também tem avaliado outras praças.

IG : Como vocês enxergam a CCXP, atualmente?

Ivan : Acho que a CCXP é um modelo bastante diferente das Comic Cons tradicionais. A CCXP é uma mistura de Comic Com com Tomorrowland e Lollapalooza, é um evento de experiência. Os estandes vão além da presença dos atores, é algo que faz parte do DNA do evento. As experiências fazem com que o evento se torne um grande parque.

IG : Dentro da CCXP há algumas áreas distintas, como “eventos dentro do evento”. Você pode falar um pouco mais sobre isso?

Ivan : A CCXP é um evento multitemático, não são só quadrinhos ou cinema. Por isso o que temos feito é expandir ano a ano essas áreas segmentadas do evento, por exemplo, uma que cresceu muito foi a de cultura japonesa. Dentro de cada área temos atrações exclusivas e isso atrai muito o interesse do público, então decidimos ingressar mesmo nisso trazendo diversas atrações e atividades para o público. Sem dúvidas, ao fazer isso, estamos dialogando diretamente com o público que já tinha motivos para ir à CCXP e agora tem ainda mais. Oferecemos uma programação muito extensa para eles. Uma área que queremos investir mais, por exemplo, é a de música. Ela já fez parte do evento no ano passado e queremos melhorá-la.

IG : O que quem não for a essa edição da CCXP vai estar perdendo?

Ivan : É um evento que não dá para perder mesmo. Cada edição – para não falar cada dia – é uma experiência única. Os conteúdos não se repetem. Não ir ao evento é perder todo esse pack de experiências que proporcionamos. Tudo é muito sazonal na cultura pop, fazemos sempre toda uma renovação do evento de forma que seja interessante para o fã não perder nenhuma edição.