Tamanho do texto

Estrelado por Joseph Gordon-Levitt, filme conta a história de Edward Snowden e mostra que a ameaça da espionagem é bem real

Se os cenários de "Black Mirror" te deixaram paranóico, é melhor assistir " Snowden – Herói ou Traidor " com muita cautela. O longa, que chega nesta quinta-feira (10) nos cinemas, conta a história do ex-funcionário da NSA que denunciou um largo esquema de espionagem do governo americano e causa mais pesadelos do que muito filme de terror.

Leia mais: "Doutor Estranho" impressiona com efeitos visuais e boas atuações

Divulgação
"Snowden – Herói ou Traidor" chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (10)

Girando em torno da história de Edward Snowden , muito bem interpretado por Joseph Gordon-Levitt ("500 Dias Com Ela" e "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge"), o filme faz um apanhado da vida do analista de sistemas, que ficou conhecido mundialmente em 2013 ao denunciar práticas ilegais da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos.

Na época em que as denúncias foram reveladas, muita gente ficou perdida com o real significado daquilo tudo, mas o filme de Oliver Stone mostra quase que didaticamente as coisas vazadas pelo americano, com linguagem fácil e conversando com o espectador.

Leia mais: Afinal, as distopias tecnológicas de "Black Mirror" podem virar realidade?

Hacks nas redes sociais, espionagem digital, vigilância de celulares, computadores, câmeras e microfones: tudo isso entra no pacote da espionagem da NSA – e pensar que tudo isso acontece de verdade é assustador.

O filme conta a história de Snowden desde quando ele era militar a quando virou inimigo dos Estados Unidos
Divulgação
O filme conta a história de Snowden desde quando ele era militar a quando virou inimigo dos Estados Unidos

O longa detalha como o governo americano invadia gadgets privados, ativava webcams e lia conversas de civis sem a menor dificuldade. A mensagem é de que ninguém está a salvo e, por isso, todo cuidado e paranóia com tecnologia é válido.

Durante a trama, o Brasil é citado mais de uma vez. O País está na lista dos espionados pela agência, assim como Dilma Rousseff. Uma das cenas mostra que mais de 1 bilhão de conversas por celular e e-mail foram interceptadas pelos americanos no Brasil, o que é o suficiente para fazer qualquer um tremer na cadeira.

Vida de agente

Para não se transformar em um grande documentário, o longa dedica bastante tempo às relações pessoais de Snowden, principalmente com a namorada Lindsay Mills (Shailene Woodley). A preocupação do agente com ela é um dos motivos que o faz denunciar todo o esquema.

Leia mais: "Nada supera a história de uma pessoa real", diz chefe de documentários da HBO

O filme também busca mostrar quão difícil foi para o americano tomar a decisão de vazar aos jornalistas do  The Guardian as informações da NSA. Parte desse contexto faz com que a questão do título, herói ou traidor, seja respondida.

Joseph Gordon-Levitt e Shailene Woodley interpretam o casal Edward Snowden e Lindsay Mills
Divulgação
Joseph Gordon-Levitt e Shailene Woodley interpretam o casal Edward Snowden e Lindsay Mills

Bastante patriota e até conservador, o agente vê-se muitas vezes dividido entre honrar seu país e fazer o que considera ser a coisa certa: denunciar as irregularidades.

Mas, no filme, em momento algum ele é mostrado como um traidor da pátria. Pelo contrário: no final, em uma cena até piegas, o próprio Edward Snowden aparece para explicar que se sente bem com a decisão tomada.

Conseguindo fugir da armadilha de ser um filme político ou de contar uma história romantizada demais, "Snowden – Herói ou Traidor" é bom ponto de partida para quem quer se aprofundar na história do agente e entender tudo o que suas denúncias realmente significaram. Além disso, é uma prova de que você não é muito paranóico por colocar um pedaço de fita para cobrir a webcam de seu computador.