Tamanho do texto

Obras de Tarsila do Amaral são os maiores destaques da mostra; outros artistas como Tomie Ohtake também fazem parte da coleção em exibição

A Pinacoteca de São Paulo inaugura neste sábado (22) mais uma de suas exposições de longa duração, que ficará aberta ao público até agosto de 2019. A mostra, em parceria com a Galeria José e Paulina Nemirovsky, conta a história do modernismo, um dos momentos mais relevantes e icônicos da cultura nacional.

Leia mais:  Exposição no Museu do Amanhã mostra hackeamento da cidade do Rio de Janeiro

Prédio da Luz da Pinacoteca recebe, a partir deste sábado, exposição sobre arte moderna.
Wikimedia Commons
Prédio da Luz da Pinacoteca recebe, a partir deste sábado, exposição sobre arte moderna.

Em entrevista ao iG , Valéria Piccoli, curadora geral da Pinacoteca , falou sobre a importância dessa colaboração com os Nemirovsky, reforçando o gesto de tornar esse acervo da memória nacional acessível ao público. "' Antropofagia' , da Tarsila ( do Amaral ), ficava na sala de uma casa, guardado, mas agora está disponível para a população". Ela frisa que essa parceria é "um gesto em favor da sociedade por abrir as portas de uma coleção tão significativa".

Leia mais:  Homenageado da 40ª edição, Marco Bellocchio dará aula de cinema na Mostra de SP

Obra
Divulgação
Obra "Antropofagia" de Tarsila do Amaral é um dos destaques da nova exposição da Pinacoteca.

A exposição "Galeria José e Paulina Nemirovsky - Arte moderna"  vai contar com mais de 100 obras – contra cerca de 50 trabalhos em sua primeira versão, exposta na Estação Pinacoteca . A atitude partiu da direção do museu, que decidiu realocar, remodelar e ampliar o conteúdo dessa mostra para aumentar suas dimensões.

Exposição "Arte Moderna"

A exposição irá dialogar com as outras duas que estão sediadas dentro do prédio da Luz – “Arte no Brasil: Uma história na Pinacoteca de São Paulo” e “ Vanguarda brasileira dos anos 1960 – Coleção Roger Wright”, cada uma cobrindo um período histórico diferente e, juntas, darão um panorama extenso da história da arte nacional até, aproximadamente, a década de 1970. "Essa é uma exposição única e especial, que percorre grande parte do cenário histórico-cultural brasileiro do século XX”, diz a curadora da Pinacoteca.

Divulgação
"Fachada", de Volpi, é um dos trabalhos do artista que estarão na exposição da Pinacoteca.

Os maiores destaques da exposição serão, sem dúvidas, as quatro obras da pintora modernista Tarsila do Amaral – dentre elas, encontra-se a já citada tela “Antropofagia”, uma das mais simbólicas do movimento do qual a artista participou. Porém, a curadora da Pinacoteca aposta que a mostra trará várias “surpresas” para o público, pois uma de suas propostas é revisitar obras de artistas de menor destaque, mas igualmente importantes como Volpi, Hélio Oiticica e a falecida recentemente, Tomie Ohtake . Outros nomes como Cândido Portinari , Di Cavalcanti e Lasar Segall também fazem parte da coleção.

Segundo Valéria, “é sempre difícil decidir o que vai fazer parte da exposição. As obras que foram escolhidas para integrarem a mostra reforçam umas as outras, assim como reforçam o contexto que queremos sinalizar para o visitante”, ou seja, mais do que pensar os trabalhos individualmente, eles são selecionados a partir da comunicação que estabelecem entre si e da mensagem que transmitem ao público.

Para ela, ainda, “a arte é sempre uma possibilidade de se olhar como se elaboraram certos momentos históricos. O que está exposto é uma resposta dos artistas ao contexto que eles viviam”, estimulando a reflexão acerca não só do passado, mas do presente.

A previsão do museu é de que, sobretudo pelo peso dos artistas envolvidos, a exposição seja bem recebida pelo público, desafiando-o a ver a arte brasileira com novos olhos. Por se tratar de uma exibição do acervo, que irá durar até, pelo menos, meados de 2019, o museu também espera poder desenvolver – seguindo sua tradição – um amplo trabalho pedagógico em parceria com escolas e instituições, promovendo o debate sobre a cultura nacional.

Leia mais:  Arte e resistência: programa promove debate sobre negros na produção cultural

Para Tadeu Chiarelli , diretor geral da instituição, “a Pinacoteca trará para o público a possibilidade de encontrar, em um só lugar, o mais amplo e completo panorama da arte brasileira, uma oportunidade valiosa para os visitantes”.

A exposição “Galeria José e Paulina Nemirovsky - Arte moderna” poderá ser visitada até 26 de agosto de 2019 no prédio da praça da Luz da Pinacoteca, no 1º andar. O museu fica aberto entre de quarta a segunda, das 10h até às 17h30 – aos sábados a entrada é gratuita.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.