Tamanho do texto

Diversos artistas latinos protestaram em festival de música contra atitudes de Donald Trump que discriminam imigrantes que chegam aos EUA

O festival de cultura Rise Up As One, que tem como proposta celebrar e valorizar os costumes locais, causou polêmica neste final de semana em San Diego, na fronteira entre os Estados Unidos e o México. O forte clima de festa foi transformado em manifestação política: os artistas que estavam se apresentando expressaram seu descontentamento com o candidato à presidência americana, Donald Trump.

Leia Mais:  Hillary ou Trump? Veja para onde vai o apoio dos famosos nas eleições americanas

Canditado à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump foi alvo de críticas.
Divulgação
Canditado à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump foi alvo de críticas.

Os participantes do festival – tanto os que estavam no palco quanto o público – eram majoritariamente latinos, população que já foi diversas vezes hostilizada por discursos de Donald Trump , fato que gerou forte inquietação entre eles. Os artistas não se calaram frente às declarações do republicano e convidaram a plateia para participar das eleições que ocorrerão em breve.

Leia Mais:  Robert De Niro detona Donald Trump: "Eu gostaria de socá-lo no rosto"

Ator da série
Divulgação
Ator da série "Mozart In The Jungle", Gael García Bernal se manifestou contra Donald Trump em festival.

O ator Gael García Bernal disse durante o evento que “em frente ao ódio, nós respondemos com amor, com compaixão, com inteligência e com alegria. O futuro é nosso [...] Não há porque ficarmos calados”, em referência às alegações xenofóbicas de Trump. Outros artistas, como os cantores Carlos Vives e Juanes , também se posicionaram politicamente em suas apresentações.

Há menos de um mês das eleições, o clima político nos Estados Unidos é tenso e, embora a candidata democrata Hillary Clinton tenha vantagem nas pesquisas, ainda há muita incerteza sobre o resultado das votações. 

Trump e declarações polêmicas

Donald Trump por diversas vezes já adotou posições xenofóbicas em seus discursos de campanha na corrida presidencial. Logo em sua candidatura, o empresário afirmou que “quando o México envia suas pessoas, não manda os melhores, mas cidadãos com muitos problemas. Estão enviando drogas, crimes. São estupradores”. A população latina, sobretudo, mostrou-se fortemente indignada com sua alegação.

As injúrias preconceituosas continuaram: Trump prometeu deportar todos os imigrantes ilegais que vivem nos Estados Unidos de volta aos seus países e, ainda, propôs a construção de um muro ao longo da fronteira com o México, impossibilitando a passagem de grande partes dos imigrantes, que, em muitas casos, atravessam ilegalmente de um país para o outro.

A cantora Lila Downs , como forma de protesto, executou durante o festival Rise Up a canção “The Demagogue” (“Demagogo”, em português), e exclamou: "Não a esse muro! Eu acabo com o ódio agora mesmo", em referência à construção de uma barreira sugerida por Trump.

¡Arriba las manos para @liladowns que lleno el escenario de #RiseUpAsOne de color con su voz! 🙌❤️

A photo posted by RiseUp AS ONE (@riseupasone) on


O evento, entretanto, não foi um ato em favor da candidata democrata, Hillary Clinton. O cantor Residente, como é conhecido René Perez Joglar, do grupo Calle 13, disse que ambos os candidatos são “péssimos”, porém, para ele, Donald Trump é “horrível”.

Leia Mais:  Repórter da GloboNews se irrita com Donald Trump e solta palavrão ao vivo

¡@residente cerro la noche con su canción "Latinoamérica" junto a @liladowns and #TBoneBurnett!

A photo posted by RiseUp AS ONE (@riseupasone) on




    Leia tudo sobre: Donald Trump