Tamanho do texto

O evento que começa nesta quinta-feira (6) está recheado de filmes consagrados pela crítica e por festivais. Confira alguns destaques

O Festival do Rio 2016, que vai tomar conta da Cidade Maravilhosa nos próximos 10 dias, tem 250 filmes confirmados em sua programação de 60 países diferentes. O público terá a oportunidade de assistir aos filmes mais comentados e premiados do momento, além de descobrir raridades importantes para a história do cinema brasileiro e mundial.

Aclamados pela crítica e vencedores de prêmios, confira alguns destaques do evento:

Divulgação
"Toni Erdmann", da renomada diretora Maren Ade, também foi exibido no Festival de Cannes e estará agora no Rio

1) “Eu, Daniel Blake”, de Ken Loach (Reino Unido/França)
Premiado em Cannes, “Eu, Daniel Blake”  conta a história de um marceneiro que, aos 59 anos, se surpreende ao sofrer um ataque cardíaco que põe sua vida em risco. Agora,  precisando da ajuda do Estado, ele encontra uma família, cujo dilema é viver em um abrigo para sem-tetos ou mudar-se para uma cidade distante de Londres. 

2) “Toni Erdmann”, de Maren Ade (Alemanha/Áustria)
Toni Erdmann na verdade é Winfried, um professor de música de meia-idade que decide se tornar um personagem bizarro com piadas excêntricas para se reaproximar da sua filha, Ines. Ao ser questionada pelo pai se ela estava feliz, ela se vê sem resposta e começa a entrar em uma mudança profunda. O filme recebeu o prêmio FIPRESCI em Cannes 2016 e vai representar a Alemanha na disputa por uma vaga de filme estrangeiro no Oscar.

3) “Paterson”, de Jim Jarmusch (EUA)
A história de um motorista de ônibus em uma pequena cidade de Nova Jérsei é contada em “Paterson”. Todos os dias, a sua rotina é a mesma: ele dirige pela cidade, ouve pequenas conversas e, em casa, escreve poemas. Entretanto, a vida de sua esposa Laura está passando por um turbilhão de mudanças que o jovem nem imagina. O filme foi um dos grandes destaques de Cannes neste ano.

4) “Certas Mulheres”, de Kelly Reichardt (EUA)
Em Livingstone, Montana, quatro mulheres diferentes vivem intensamente as suas vidas. Enquanto uma jovem rancheira cuida de animais enquanto tem uma forte obsessão por uma recém-formada, outras duas decidem construir uma nova casa com a sua desinteressada filha e uma advogada é chamada para representar um operário que não a ouve. Essas vidas se entrelaçam em um único ponto: cada uma está buscando a sua forma de moldar o mundo. O filme participou da seleção de Sundance neste ano.

5) "Manchester à beira-mar", de Kenneth Lonergan (EUA)
Vivendo no subúrbio de Boston, Lee Chandler é um faz-tudo que, nas suas horas vagas, gosta de beber e arrumar briga no bar. Entretanto, quando o seu irmão mais velho morre, ele é surpreendido com a nomeação para ser tutor de seu sobrinho e por isso deve retornar à sua terra natal. Lá, ele terá que lidar com memórias queridas e dolorosas. O filme está cotadíssimo para o Oscar e foi premiado no Sundance Festival.

6) “Indignação”, de James Schamus (EUA)
Durante um momento sombrio da história dos EUA, um jovem livra-se do serviço militar ao adentrar na Universidade de Ohio. Apesar de escapar do seu autoritário pai, Marcus Metzner não encontra facilidades na vida universitária. O filme foi adaptado de Philip Roth e exibido no Festival de Berlim.

7) “Melhores amigos”, de Ira Sachs (EUA/Grécia)
Jake, de 13 anos, muda-se para a casa onde seu recém-falecido avô morava. Lá, ele conhece Tony, um adolescente cuja mãe aluga a loja no térreo do imóvel. Quando o pai de Jake decide aumentar o valor do aluguel da loja, os dois estreitam seus laços de amizade e sonham em entrar numa escola de artes. O filme foi produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira.

Leia mais:  "Jackie", que coloca Natalie Portman na corrida pelo Oscar, tem teaser divulgado

8) "Gimme Danger", de Jim Jarmusch (EUA)
Segunda obra de Jarmusch nesta lista, o documentário conta a história da ascensão dos Stooges no final da década de 1960 e a semente que a banda plantou ao que viria se chamar de punk rock e rock alternativo décadas depois. O filme foi exibido no Festival de Cannes deste ano.

9) “Na vertical”, de Alain Guiraudie (França)
Mais uma obra saída de Cannes 2016, o filme conta a história de Leo, um cineasta que está à procura de um lobo. Durante estas caminhadas no sul do país, ele conhece Marie uma pastora de espírito livre que desaparece depois de deixa-lo com um bebê para cuidar.

10) "A Mulher Que Se Foi", de Lav Diaz (Filipinas)
Depois de 30 anos em uma penitenciária feminina, Horacia é libertada após outra presidiária confessar o crime original. Assim, ela encara uma jornada em busca da sua família, especialmente o seu filho desaparecido. Ao ver a sua terra Natal nas Filipinas aterrorizada por corrupção e sequestros, a generosa mulher começa a ser contaminada por sentimentos de vingança.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.