Tamanho do texto

Ainda falando sobre cinema no regime militar, "Magnífica 70" volta à HBO neste domingo (2) para sua segunda temporada

Depois de uma elogiada estreia, "Magnífica 70 " volta à HBO neste domingo (2) para sua segunda temporada, que promete ser ainda mais ácida.

Leia mais: "Westworld" aposta na ficção científica para ser a nova "Game of Thrones"

Com Simone Spoladore, Adriano Garib e Marcos Winter,
Divulgação
Com Simone Spoladore, Adriano Garib e Marcos Winter, "Magnífica 70" volta à HBO para a segunda temporada

Retratando o cinema da Boca do Lixo, movimento que tomou a produção cinematográfica nos anos 1970, " Magnífica 70 " fez um ótimo trabalho ao reconstruir uma das épocas mais ricas e conturbadas da produção cultural brasileira. Agora, o desafio é continuar contando essa história.

Para isso, a série foca na produtora Magnífica, que tem de produzir dois filmes para um esquema de lavagem de dinheiro da distribuidora Embrafilme. Uma versão, a artística, é dirigida por Vicente (Marcos Winter), e a outra, a comercial, fica a cargo de Manolo (Adriano Garib). "A temporada inteira é focada na produção desses dois filmes. É tudo muito intenso", explicou a atriz Maria Luisa Mendonça, que interpreta Isabel.

O filme tem de passar pelo crivo dos censores, que estão envolvidos no esquema de corrupção. Enquanto isso tudo acontece, Dora (Simone Spoladore) volta à produtora, mais misteriosa do que nunca. Pressionada pela polícia para entregar os podres dos diretores, ela acaba entrando no filme de Manolo, mas esconde suas verdadeiras intenções.

Leia mais: Rodrigo Santoro atua com lendas em "Westworld": "Tento não estragar"

"A Dora passa uma temporada no inferno", resumiu a atriz. "Ela já tinha uma natureza à deriva, tanto que ela se apaixona pelo cinema, e apesar de ser uma bandida, ela descobre uma alma de artista", explicou.

Relação com a ditadura

A segunda temporada da série se passa em 1974, época em que a ditadura militar ainda estava pesada no Brasil. Apesar de não ser o tema principal da série, o regime é um personagem importante na obra.

Simone Spoladore é Dora e Maria Luisa Mendonça é Isabel em
Divulgação
Simone Spoladore é Dora e Maria Luisa Mendonça é Isabel em "Magnífica 70"

Para os atores, a série deve servir como um aprendizado. "As pessoas deviam pensar mil vezes e ter vergonha na cara antes de pedir a volta da ditadura porque não sabem o que significa isso", disse Marcos Winter. "Elas não têm noção do que é um regime totalitário, seja de esquerda ou de direita", continuou.

O ator lembrou de sua experiência com o regime no Brasil. "Eu era jovem, mas cheguei a pegar a censura. A gente tinha que fazer um espetáculo só para as velhinhas da censura, para ver se era aprovado. Era horrível, a gente não sabia nem como nem por que", contou.

Leia mais: "High Maintenance" usa maconha para tirar sarro de geração de millenials

Para o diretor Cláudio Torres, a série fala sobre a ditadura ao mostrar o embate entre censura e liberdade de expressão. "O bonito da série é que ela mostra o que o ser humano reprime dentro dele mesmo e que perigos ele corre se liberar isso, e um Estado que resolve pensar por você", disse. "Qualquer forma de repressão é ruim, todos devem ter o direito de dizer e ter a sabedoria de ouvir o que está sendo dito", continuou. "O bom pensamento da série é o quão importante é você pode dizer e não há justificativa para esse sacríficio de não poder falar", finalizou.

"Magnífica 70" - 2ª temporada
Quando: domingo, 2 de outubro, às 22h
Onde: HBO