Tamanho do texto

Em cartaz nos cinemas com "Esquadrão Suicida" e no elenco do novo "Velozes e Furiosos", ator abre o jogo sobre família e Hollywood à GQ

Não é fácil ser filho de uma lenda do cinema. Principalmente se essa lenda está bem viva e atende pelo nome de Clint Eastwood. Herdeiro da beleza do pai, Scott Eastwood decidiu seguir a carreira dele no cinema e começa a construir um nome por si próprio. Presente no elenco de “Esquadrão Suicida” , sucesso atual nos cinemas, ele também vai estar no oitavo filme da franquia “Velozes e Furiosos”.

Scott Eastwood e o paizão Clint em ensaio para a revista Esquire
Reprodução/Esquire
Scott Eastwood e o paizão Clint em ensaio para a revista Esquire

A prova definitiva de que já caminha apartado da sombra do pai, é o fato de estrelar a capa da edição australiana da GQ . “Meu pai já me deu um soco na cara”, revelou na entrevista da edição de estilo da revista masculina. Scott Eastwood está à vontade para falar de sua relação com o pai, assim como de outras picardias de Hollywood. Na mesma entrevista em que relatou a agressão do pai – Scott havia abandonado sua irmã, na época com 14 anos, sozinha em uma festa -, disse que saía com mais mulheres como bartender do que como astro de Holywood.

Leia mais:  Novo trailer de "Narcos" questiona quem matou Pablo Escobar

Astro talvez seja uma palavra forte demais para o status do ator que estreou no cinema com um pequeno papel em “A Conquista da Honra” (2006), filme assinado pelo pai. Depois de fazer alguns bicos como modelo, pedreiro e bartender, o jovem Eastwood resolveu que queria seguir os passos do pai. O vencedor do Oscar por “Os Imperdoáveis” e “Menina de Ouro” encorajou o filho e lhe deu papéis nos filmes “Gran Torino” (2008), “Invictus” (2009) e “Curvas da Vida” (2012). O primeiro papel sem aquela forcinha do pai foi em “Corações de ferro” (2014), do mesmo David Ayer de “Esquadrão Suicida”. Ali, teve que medir forças com Brad Pitt e causou boa impressão.

O aspecto de galã não passou despercebido por produtores que o escalaram para o Nicholas Sparks de 2015, “Uma Longa jornada”. O casal que formou com Britt Robertson arrancou algumas lágrimas de jovens mundo afora e mostrou que o jovem era capaz de emular o tipo bronco, mas gentil, tão bem adornado pelo pai nos anos 60 e 70.

A carreira de Scott Eastwood esquentou depois desse romance juvenil e “Esquadrão Suicida” não é nem sequer o melhor termômetro disso. Além do novo filme da série “Velozes e Furiosos”, o ator integra o elenco de “Live By Night”, novo filme de Ben Affleck, e “Círculo de Fogo 2”. Antes disso poderá ser visto no aguardado e polêmico “Snowden”, de Oliver Stone.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.