Tamanho do texto

Movimento ganha importância por meio da presença de autores independentes na festa; segmento cresceu 38%

Com o advento de novas plataformas digitais, a formação do mercado literário vem sendo transformada. E engana-se quem ainda pensa que é preciso estar em uma grande editora para fazer a diferença no setor. O "self-publishing" - autopublicação - é uma estratégia cada vez mais utilizada por autores – entre novembro de 2014 e novembro de 2015, houve um crescimento de 38% desse tipo de publicação no Brasil, segundo levantamento feito pela plataforma.

Ricardo é presidente do Clube de Autores
Divulgação
Ricardo é presidente do Clube de Autores

Durante a Flip – Festa Literária Internacional de Paraty, um dos maiores festivais do segmento, é possível presenciar como esse movimento ganha importância por meio da presença de autores independentes e da Casa Clube de Autores, espaço do primeiro e maior site de publicação de livros e impressão sob demanda da América Latina, que promoverá uma série de debates sobre o assunto. 

Estrelas da literatura aterrissam em Paraty para edição concorrida da Flip

Fundado em 2009, o site possibilita que escritores publiquem suas obras sem pagar nada. “É a democratização do mercado editorial. O próprio autor estabelece quanto quer ganhar por venda e a plataforma cuida de todo o resto: diagrama, imprime e vende”, observa Ricardo Almeida , sócio-presidente da empresa. Além de pioneira, a organização é a maior do segmento, respondendo por 83% do mercado nacional de autopublicação e contando com mais de 50 mil títulos disponíveis.

Outro ponto de destaque é que além de disponibilizados no e-commerce do Clube de Autores, as obras do site também são comercializadas pelos principais players do mercado como Google Play, Amazon e Saraiva, através de uma parceria de distribuição.

Autores independentes ganham voz

Autores independentes de destaque como Julio Cruz Neto e Anna Claudia Ramos serão palestrantes em eventos realizados na Casa Clube de Autores, localizada na Rua da Lapa, nº 375, em Paraty, durante a Flip. Neto é autor de “O Caranguejo do Saara” e um dos novos expoentes do "travel writing" na literatura nacional, enquanto Anna Claudia, finalista do Prêmio Jabuti, concebeu a obra “Tempo Mágico Tempo de Namoros (outra vez)”, que coloca em discussão a sexualidade durante a adolescência.

“Fui na contramão dos métodos convencionais para publicar meu livro. Dei muito murro em ponta de faca, entrei no financiamento coletivo e fiz uma campanha alucinante para realizar esse sonho”, relembra Neto, destacando que “O Caranguejo do Saara” é sua primeira obra.

No outro espectro, Anna Claudia Ramos, que também optou pela autopublicação, possui extensa experiência com editoras tradicionais, tendo lançado mais de uma dúzia de livros por esses meios: “O que me atrai no 'self-publishing' é a possibilidade de ser parte atuante em diversas etapas do processo de publicação”.

Almeida, do Clube de Autores, faz coro aos talentos da literatura independente: “O cenário do segmento é tão positivo por conta da participação de autores independentes tão talentosos. Foram eles que causaram uma intensa mudança no comportamento do público consumidor de livros, que hoje já enxerga essas obras como ótimas possibilidades de aprendizado e divertimento”.