Tamanho do texto

"Sexo Neutro", que pode ser conferida gratuitamente nesta terça-feira (14), expande debate sobre identidade de gênero

Na peça “Sexo Neutro”, escrita e dirigida pelo carioca João Cícero , uma mulher expõe seu drama particular de não se sentir confortável com o sexo com que nasceu e entra em colapso ao perceber que, como alternativa, tem só mais uma opção dentro dos moldes da sociedade: o masculino.

Cena da peça
Divulgação
Cena da peça "Sexo Neutro", atração desta terça-feira (14) no Itaú Cultural

A peça é inspirada no conceito do neutro formulado pelo filósofo francês Roland Barthes ainda no século XX, que defende a aplicação deste entendimento como ferramenta para romper com padrões da linguagem, da política, das identidades e de tantos outros meios vistos como limitadores em um meio social. “Sexo Neutro” traz um relato ficcional de um tipo de cisão individual, ao discutir se há orientações múltiplas de um ele/ela e como estas individualidades se dividem e se perdem na busca de alguma identidade de gênero, ao mesmo tempo, em que se encontram em orientações sexuais múltiplas.

Encarnando este conflito, os atores Cristina Flore s e Marcelo Olinto se dividem na interpretação da personagem principal, de nome Márcia e Cleber , e de tantas outras, que embaralham seus gêneros e temporalidades.

"Sexo Neutro" estreou no ano passado no Rio de Janeiro e recebeu indicações de melhor autor nos prêmios Cesgranrio e Questão de Crítica e de melhor ator no prêmio Questão de Crítica, também de 2015.

SERVIÇO

Terça Tem Teatro

"Sexo Neutro"

Com Cristina Flores e Marcelo Olinto

Direção: João Cícero

Às 20h

Duração: 60 minutos

Classificação indicativa: ​ 16 anos

Sala Itaú Cultural

247 lugares

Entrada gratuita