Tamanho do texto

Jeremy Jordan, de "Supergirl", cria campanha para resgatar prima de 17 anos: "Internada para rezar até deixar de ser gay"

Jeremy Jordan , ator que dá vida a Winslow Schott em "Supergirl", usou as redes sociais para fazer um apelo aos fãs. Ele quer ajuda para resgatar sua prima  Sarah , de 17 anos, de um acampamento de conversão para se submeter a "cura gay", nos Estados Unidos.

+ TViG: Cura Gay

Jeremy Jordan pede ajuda para libertar prima internada para
Reprodução/IFacebook
Jeremy Jordan pede ajuda para libertar prima internada para "cura gay"


De acordo com o ator, a família da garota a internou depois de descobrir seu relacionamento com outra menina na escola. Revoltado com a situação, Jordan criou uma campanha online para arrecadar fundos para custear os gastos com o processo que ele move contra a família de Sarah para salvá-la.

+ Patrícia Abravanel faz declarações homofóbicas e gera revolta na web

Jeremy Jordan e a prima Sarah, de 17 anos
Reprodução/Facebook
Jeremy Jordan e a prima Sarah, de 17 anos

"Conheçam minha prima, Sarah. Aos 17, seu futuro parece bonito. Ela está no topo da sua classe, pedala e pertence ao time de debate. Ela também é gay. Como qualquer garota do ensino médio, ela está num relacionamento. Sarah e sua namorada quiseram ir para o baile da escola juntas. Mas quando elas fizeram isso, os pais de Sarah, que acreditam que homossexualidade é um pecado, mandaram ela, contra sua vontade, para uma instalação da East Texas Christian para adolescentes problemáticos, para ‘rezar até deixar de ser gay'", relata o ator na divulgação da campanha.

+ Personagem de "Os Simpsons" sairá do armário em homenagem a filho de escritor

No texto, Jeremy Jordan afirma não ter condições de bancar todos os custos necessários para retirar a prima da internação, que já ultrapassam o valor de US$ 20 mil. "A família estendida de Sarah e seus amigos próximos estão tentando libertá-la de forma legal, mas não é barato. As taxas de advogados só nas primeiras semanas já passaram de US$ 20 mil e estão acumulando, já que um julgamento está marcado para Julho. Sarah precisa da sua ajuda. Mas isso é maior do que uma criança gay. Se nós libertamos Sarah, poderemos ajudar a mostrar que não está certo tentar fazer jovens gays se tornarem hétero ao mandá-los para longe, usando ameaças de Deus contra eles."