Tamanho do texto

Sexto ano do maior hit da TV atual retorna neste domingo com a promessa de ser o melhor e mais surpreendente de todos

A espera está próxima do fim. Às 22h deste domingo (24), a batalha pelo trono de ferro volta a protagonizar a noite de muitos fãs de “Game of Thrones”, cuja sexta temporada retorna mundialmente na HBO. “A 5ª temporada foi, sob muitos aspectos, a nossa mais sombria”, disse o produtor Bryan Cogman a Entertainment Weekly . “Essa temporada ainda é muito sombria, muito intensa, mas de alguma forma introduz um novo ato em nossa narrativa”.

Bram está de volta e com ele
Divulgação/HBO
Bram está de volta e com ele "Game of Thrones" deve oferecer algumas respostas aos fãs

Cogman não se refere exatamente ao fato de que a série da HBO avança sobre território desconhecido em 2016. Esta temporada vai além dos livros de George R.R Martin , que revelou o desfecho da trama para os criadores do show, David Benioff e D.B Weiss . Eles têm autonomia para alcançar esse final e no momento em que série e obra original se apartam, definitivamente surge uma expectativa diferente em todo mundo que acompanha salivando a batalha pelo controle dos sete reinos.

“É como se fosse uma Westeros paralela”, divaga Cogman. “Existe um universo do livro e o universo da série. Justamente por isso essa foi a temporada mais difícil de escrever. Enquanto ainda estamos cercando muitas situações e arcos dos livros, obviamente não se trata de uma adaptação convencional porque nos livros a história está interrompida”.

Apesar de todo o mistério rondando o destino de Jon Snow, os criadores da série não veem na resolução deste mistério o grande trunfo da temporada. “Eu diria que o tema da temporada é o retorno ao lar. Você verá personagens que se separaram há muito tempo se reencontrando e personagens que jamais se encontraram no curso do show se reunindo”, observou Benioff à Veriety.

O final da quinta temporada, com o encontro e indícios de aliança entre Tyrion (Peter Dinklage) e Daenerys (Emilia Clarke), já sinalizava essa nova tendência da série que deve se intensificar no sexto ano.

Há muito, porém, pelo que esperar no sexto ano da maior febre da televisão mundial atualmente. “Nós estamos próximos do fim, então parece prudente esperar a chegada dos white walkers a qualquer momento”, provoca Weiss em entrevista ao The Hollywood Reporter. Essa temporada, talvez, ofereça um olhar mais demorado aos white walkers e suas motivações.  Há uma fala de Sir Davos Seaworth ( Liam Cunningham ) em um trailer do sexto ano que dá o tom desse arco. “A verdadeira guerra será entre os vivos e os mortos e os mortos estão chegando”.  O conselheiro de Stannis Baratheon parece ser o único, além de Jon Snow, a dar o devido crédito à ameaça representada pelos mortos além da muralha.

Outro ponto importante do sexto ano será a jornada de Bram Stark ( Isaac Hempstead Wright ), que volta depois da ausência durante todo o quinto ano. É certo que Bram se encontra com o Corvo de Três Olhos, agora interpretado pelo veterano sueco Max Von Sydow , e ele deve ter mais compreensão de seus poderes.  

Esta também promete ser uma temporada dura para os Lannister e o enfraquecimento da família, cujo símbolo é o leão, ocorre em um momento que os Tryell se movimentam para usurpar o trono e quando Tyrion forja uma aliança com a mãe dos dragões.

“Eu honestamente acho que é a nossa melhor temporada”, disse Benioff à Veriety. “Eu até hesito em falar isso, pois fico parecendo um vendedor, mas é a verdade. Os atores nunca estiveram melhores e os conflitos, mais interessantes. Vocês não perdem por esperar”.

    Leia tudo sobre: Game of Thrones
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.