Tamanho do texto

De turnês internacionais a carreiras próprias, brasileiros estão ganhando muito dinheiro imitando seus ídolos gringos

Grandes artistas da música rodam o mundo com turnês e aparecem em programas de TV toda hora. Mas existem pessoas que ganham a vida fazendo exatamente a mesma coisa, como cover desses grandes artistas.

A drag queen Penelopy Jean é cover de Lady Gaga desde 2012
Divulgação
A drag queen Penelopy Jean é cover de Lady Gaga desde 2012

No Brasil, existem diversos covers de artistas nacionais e internacionais que fazem shows - cantando ou dublando - como se fossem ícones da música como Lady Gaga , Rihanna , Miley Cyrus e muitos outros.

O iG conversou com alguns sósias que já fizeram turnês internacionais, colecionam legiões de fãs e conseguem até ganhar a vida imitando seus ídolos.

Início
A história de praticamente todos costuma começar com alguém falando: "nossa, você é muito parecido com tal artista”. Para Letícia Campos , foram os comentários unidos ao gosto por cantar que a fizeram investir em ser cover de Ariana Grande .

Ariana Grande
Reprodução/Instagram
Ariana Grande "oficial" e sua cover brasileira, Letícia Campos

Letícia começou há pouco mais de um ano e conta que não esperava muito do hobby. "Nunca imaginei que ia ganhar dinheiro com isso, muito menos ter fãs." E ela tem: com cerca de 20 mil curtidas em sua página no Facebook, a jovem costuma postar em suas redes sociais fotos com fãs em meet & greets (encontros de fãs com ídolos que normalmente custam fortunas - os com a Ariana Grande real no Brasil beiram os R$ 2500), em festas e eventos em que se apresenta.

Apesar de estar no início da carreira, Letícia já apareceu em diversos programas de TV e fez uma turnê nacional se apresentando em casas noturnas por todo o País. Atualmente ela faz um show por final de semana e o dinheiro que ganha com as apresentações são suficientes para investir em figurino. "E ainda sobra um pouco para comprar coisas para mim”, conta.

Um dos seus diferenciais em relação a outros covers de diversos artistas é que ela canta em vez de apenas dublar e confessa que a semelhança com Ariana está mais na voz do que na aparência. Letícia se acha parecida com a cantora apenas quando está "montada" - ela demora cerca de 2h30 para se arrumar.

Reconhecimento
Com os anos, quem faz cover tem chances de ganhar reconhecimento no meio. Seja pelos fãs dos artistas, por festas que os contratam ou pulverização na mídia.

Laris Ferreira , uma das principais covers da cantora Demi Lovato no Brasil, sabe bem que as redes sociais podem fazer muita diferença. Entre todos os entrevistados, é quem tem o maior número de seguidores: mais de 30 mil no Instagram e quase 20 mil no Facebook.

A fama começou antes mesmo de começar a se apresentar como Demi, apenas por causa da grande semelhança física com a atriz e cantora, que na época estrelava o filme da Disney "Camp Rock" (2008). Já as apresentações vieram quando Laris foi a um festival onde amigos iam se apresentar, gostou do meio e topou fazer o mesmo depois de muita insistência e torcida de seus companheiros.

Hoje, Laris trabalha apenas como cover. Ficou um ano sem fazer shows, mas costuma agendar três ou quatro apresentações por mês pelo Brasil todo. Ela conta que não tem um cachê fixo, mas os valores costumam ser bons. Entretanto, garante que é apenas um hobby e não pretende viver disso.

Demi Lovato e a cover Laris Ferreira
Reprodução/Instagram
Demi Lovato e a cover Laris Ferreira

Ao contrário de Laris, Anna Paula ganhou muito mais reconhecimento na mídia do que nas redes sociais. Cover da Miley Cyrus desde 2009, ela conta com aparições em todas as quatro principais emissoras de canal aberto do País, além do título de "cover oficial" da cantora no Brasil.

Anna com figurino usado por Miley na Bangerz Tour
Divulgação
Anna com figurino usado por Miley na Bangerz Tour

A "carreira" de Anna como cover já começou por causa de uma emissora, como conta ao iG . "Minha primeira apresentação foi uma brincadeira. Uma equipe do SBT viu e veio falar comigo. Eu era só uma criança, tinha 13 anos, mas me chamaram para fazer um programa e eu topei, porém ele nunca foi ao ar". Depois disso, uma produtora a procurou e ela passou a fazer cerca de cinco shows por semana como "Hannah Montana", personagem fictícia do Disney Channel interpretada por Miley.

Mesmo antes de começar a se apresentar, ou sequer saber quem era Miley Cyrus, Anna conta que era parada na rua por pessoas que comentavam a semelhança entre as duas. Desde que assumiu o posto de cover oficial, ela se esforça para garantir que a aparência continue muito próxima. "Tive todos os cabelos, desde o primeiro até o curtinho, agora os dreads. Já devo ter mudado de cabelo umas 15 ou 20 vezes."

Além do reconhecimento da mídia, Anna costuma fazer de três a cinco shows por mês em diferentes estados e recebe em média R$ 2000 a R$ 2500 por evento.

Consolidação
Para Rose Cohen , cover da Rihanna há seis anos, as apresentações viraram mais do que um hobby. Apesar de não conseguir viver apenas com a renda dos shows, voltou há pouco de uma turnê de dois meses se apresentando pela Europa. “A gente fez Barcelona, Paris e algumas cidades no sul da França. Agora vamos continuar o trabalho por aqui", contou a sósia da dona do hit "Bitch Better Have My Money".

Rihanna e Rose Cohen, sua cover brasileira
Divulgação
Rihanna e Rose Cohen, sua cover brasileira

Sem nunca ter pisado em um palco antes, Rose foi logo para a Itália quando começou e fez algumas festas e festivais. Quando voltou, resolveu profissionalizar o cover e hoje conta com assessor, dois produtores, dançarinos e uma produção de palco digna de artistas internacionais, com direito a chuva de papel e algumas trocas de figurino.

Ao longo dos últimos seis anos, Rose deixou de ser “uma cover da Rihanna”. Ela é conhecida pelas festas apenas como Rose Cohen, que por acaso é cover da Rihanna, faz turnês internacionais e chega a ganhar de R$ 3.000 a R$ 3.500 por show.

Penelopy Jean conseguiu se diferenciar não por apenas ficar parecida – e muito – com Lady Gaga , mas também por ser uma drag queen que o faz. Há três anos, ela se apresenta como cover da cantora em festas por todo território nacional e em eventos como a Parada Gay.

A semelhança com a cantora veio meio sem querer, quando amigos de Renato  – seu verdadeiro nome – disseram que sua montação como Penelopy se parecia com Gaga. A caracterização passou a ser mais forte, principalmente quanto à maquiagem, e ele passou a ir atrás de figurinos e se apresentar realmente como cover.

O esforço é grande, afinal Gaga é conhecida por ter um estilo muito próprio. "Não é como a Beyoncé, que tem um estilo padrão. Ela tem mil perucas, mil sapatos, tento ir atrás do que é mais icônico para reproduzir", explicou Renato. Mas o cachê compensa. Apesar de dizer que “acha chato” falar o quanto ganha por show, ele garante que a remuneração passa dos quatro dígitos.

A drag queen Penelopy Jean é cover de Lady Gaga há 3 anos
Divulgação
A drag queen Penelopy Jean é cover de Lady Gaga há 3 anos

Carreira
Por mais conhecidas que todas as covers anteriores sejam, nenhuma tem uma carreira como cover que chegue perto da de Verônica Pires . Há 24 anos no meio como cover de Madonna , ela é a única que consegue realmente ganhar a vida se apresentando como outra pessoa.

"Eu não tenho concorrência. Sou a única mulher cover dela que realmente canta, se apresenta com banda, troca de roupa e tem um show elaborado”, afirma. Com tantos anos de mercado, não é à toa que ela se destaque: já passou por todas as fases da cantora e se apresenta conforme a turnê do momento da rainha do pop ou com um show especial com hits dos anos 80.

Verônica como Madonna aos 16 anos, quando começou, em 1991
Divulgação
Verônica como Madonna aos 16 anos, quando começou, em 1991


Mesmo com tantos anos no meio, ela reclama de falta de valorização. "Por mais que exista um trabalho profissional por trás, nunca dá para fazer idêntico. Mas por mais que sejamos imitadores, não quer dizer que não somos artistas”, desabafa.

De cover para solo
Apesar de ganharem uma boa grana imitando seus ídolos, nem todos os covers querem fazer isso pelo resto da vida.  Fran Porto , por exemplo, garantiu que já está investindo em sua "própria" carreira.

Francinne chegou a fazer uma apresentação com uma cobra de verdade, como Britney
Reprodução
Francinne chegou a fazer uma apresentação com uma cobra de verdade, como Britney

Depois de quase uma década como cover de Britney Spears , a cantora agora segue seus próprios passos, levando a experiência que teve como escola. “Tive uma professora maravilhosa. Britney me ensinou tudo e meu deu experiência de palco, mas agora tenho a chance de ser a Francinne", explicou.

Já com um EP com músicas inéditas na bagagem, ela garante que seus anos como cover impulsionaram sua carreira e a tornaram conhecida, já que muitos de seus fã clubes oficiais começaram por causa de seu trabalho como Britney.

Apesar do reconhecimento, Fran afirma que nunca conseguiu ganhar a vida apenas como cover, mas que nunca teve a intenção de fazê-lo. "Fiz tudo por amor e para agradar os fãs da Britney, mas sempre soube que um dia ia parar para seguir minha carreira", garantiu.

    Leia tudo sobre: Rihanna
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.