Tamanho do texto

Roteiro especial inclui visita à rua onde foi filmada cena clássica do cinema dos anos 1980

Pode até parecer, para alguns, que nem faz tanto tempo assim. Mas já se passaram três décadas desde que o jovem Ferris Bueller armou uma história incrível para matar aula com a namorada e o melhor amigo e, juntos, poderem passear pelos lugares mais legais de Chicago. O filme "Curtindo a Vida Adoidado" colecionou fãs pelo mundo, marcou uma geração e agora, 30 anos depois, poderá ser vivido por aqueles que sempre sonharam em passar um dia na pele do estudante cara de pau.

Cena de 'Curtindo a Vida Adoidado', clássico dos anos 80
Divulgação
Cena de 'Curtindo a Vida Adoidado', clássico dos anos 80


Um grupo de produtores (e fãs) da cidade que serviu de cenário para o filme dirigido por John Hughes elaborou uma programação especial de três dias para celebrar as aventuras de Ferris. A " Ferris Fest " ocorrerá entre 20 e 22 de maio, e grande parte dos ingressos já está esgotada. Os preços dependem da programação escolhida e variam entre US$ 10 a US$ 300.

Além de visitar os locais por onde os adolescentes aprontam no filme – como o Instituto de Arte, o arranha-céu Willis Tower, o estádio Wrigley Field –, os participantes assistirão a uma parada na Dearborn Street, mesma rua no movimentado centro da cidade onde foi gravada a famosa cena em que Ferris "dubla" a canção "Twist and Shout" em meio a um desfile.

Cena clássica do filme dos anos 80
Divulgação
Cena clássica do filme dos anos 80

Estão programadas ainda duas sessões para exibição de "Curtindo a Vida Adoidado", com a presença de alguns atores do filme, como os que interpretaram os pais de Ferris. No entanto, as grandes estrelas do clássico – os atores Matthew Broderick (Ferris Bueller), Mia Sara (a namorada, Sloane) e Alan Ruck (o amigo Cameron) – pelo menos por enquanto não confirmaram presença.

Viagem no tempo

O quarto de Ferris Bueller, de onde ele maquinou a escapada da escola, ficará exposto a visitas durante o fim de semana em maio. Recriado em detalhes pela artista e produtora Sarah Keenlyside , o espaço traz o boneco “que ronca” (que Ferris usou para enganar os pais), pôsteres de bandas que eram sucesso em 1985, e aparelhos eletrônicos que hoje são vintage, incluindo um computador da época.

"Um amigo, que tem um museu de computadores, emprestou o equipamento”, contou Sarah à BBC Brasil. “Ele também criou um programa igual ao que o Ferris usa no filme, na cena em que ele muda as notas D para A (equivalente, no sistema escolar do Brasil, de 5 para 10), e que ficará aberto na tela durante a festa”.

Fã de carteirinha do longa, Sarah passou os dois meses seguintes caçando itens pela internet, em sites como Craigslist e Ebay. Encontrar alguns foi um grande desafio, e a conta não foi barata: US$ 9 mil. Ela conseguiu ajuda para bancar um terço do valor; mas os US$ 6 mil restantes saíram do próprio bolso. "Acabei com meu cartão de crédito, mas queria que ficasse o mais perfeito possível". Informações da festa no site  www.ferrisfest.com  . 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.